30.11.12

GELATINAS PARA A CAMPANHA DE NATAL



O Natal está chegando e a Associação Espírita Célia Xavier está em plena campanha. Como em 2011, estou pedindo às pessoas a doação de Gelatinas, para compor as cestas de Natal. Nossa meta são 946 caixinhas ou pacotes. No atacadista Apoio, conseguimos comprá-las por R$0,69 a unidade, até a última vez que orçamos.

Serão montadas 473 cestas, que serão distribuídas para famílias em vulnerabilidade social em regiões de Belo Horizonte, Betim e Ribeirão das Neves, onde a Associação mantém unidades. As cestas não são a única ação social que desenvolvemos nestas regiões. Em Belo Horizonte, a AECX mantém uma creche em parceria com a PBH, nas demais regiões são realizadas diversas campanhas ao longo do ano, ações de formação profissional e educativas. No Natal, além das cestas haverá distribuição de brinquedos para as crianças.

Os gêneros que compõem cada uma das 473 cestas são os seguintes:

Açúcar - 1 pct 5 kg
Arroz - 1 pct 5 kg
Feijão - 2 pct 1 kg
Macarrão - 2 kg
Farinha de mandioca - 2 pct 1 kg
Fubá - 1 kg
Óleo - 2 latas
Sal - 1 kg
Tempero - 1 pacote
Milho verde - 1 lata
Sabão - 2 unidades
Chá - 1 caixa
Caldo de carne - 2 tabletes
Sardinha - 2 latas
Gelatina - 2 caixas
Extrato de tomate - 1 lata
Salsicha - 1,5 kg
Refresco artificial - 2 pacotes
Doce - 1 barra
Balas - 1 pacote
Refrigerante - 2 litros (pet)

As doações serão recebidas até o dia 12 de dezembro.
As cestas serão montadas no Lar Espírita Esperança, nos dias 13 e 14 de dezembro.
A distribuição será nos dias 15 e 16 de dezembro.

Participem!

27.11.12

HISTÓRIAS QUE OS ESPÍRITOS CONTARAM


Montagem fotográfica com as capas da nova coleção

Herminio Miranda escreveu durante anos em "Reformador", publicando artigos sobre temas diversos, especialmente publicações relacionadas à imortalidade da alma, reencarnação e mediunidade que saíam em países de língua inglesa. Creio que a obra que mais o projetou, após esta fase, foi "Diálogo com as sombras", publicada pela FEB próxima dos anos 80, que mostra suas recomendações e experiências com o atendimento aos espíritos desencarnados.

Chamou muita atenção o uso da técnica de indução de regressão de memória no atendimento, o que era praticamente desconhecido, mas penso que sua maior contribuição foi a desconstrução do papel do doutrinador, como alguém que instrui em doutrina, que fica explicando aos espíritos como é o seu mundo, a moral cristã e as leis de Deus, na esperança que a razão os retire da condição que a perturbação emocional os situou.

A explicação é útil aos espíritos ignorantes, de boa fé, tem seu papel junto a alguns sofredores, mas é bastante limitada para os que agem como psicopatas do mundo dos espíritos ou aos que têm conflitos intensos, como ódios, ciúmes, e outras emoções perturbadoras. Os espíritos inteligentes e maus se riem da precariedade de nossos conhecimentos sobre o mundo deles.

Assim apresento um conjunto de livros que ele publicou pelo Correio Fraterno e que foram muito importantes para nosso grupo mediúnico. Ficou conhecido como "Coleção Histórias que os Espíritos Contaram". O grupo de Herminio é um dos poucos que conheço que seguiu a orientação de André Luiz em "Desobsessão", de gravar as sessões. A disciplina valeu a pena e anos depois ele desarquivou as fitas de rolo e transcreveu com mínimas mudanças os diálogos realizados com os espíritos em um pequeno grupo mediúnico.

Nos livros da ilustração acima, o leitor pode se encantar com as narrativas das histórias, mas chama-me atenção a forma como o atendente trata seus interlocutores. Ele os escuta, talvez pela influência das pequenas incursões que o autor fez na psicanálise de Freud e na regressão a vidas passadas de Albert de Rochas e outros. Quando digo que os escuta, significa que valoriza que os espíritos contem suas histórias e os auxilia a perceber seus conflitos, os momentos em sua história nos quais, influenciados por suas emoções em desalinho, decidiram-se por adotar uma persona vingativa, às vezes fria e calculista, mantida às custas de um afastamento com suas emoções mais profundas.

Sua cultura possibilita que ele dialogue sobre realidades diferentes no tempo e na história, sem perder-se na curiosidade vã. O atendente não se afasta da experiência e do sentido dado pelo espírito comunicante para pedir-lhe que dê detalhes de sua experiência passada, mas acolhe aquilo que ele se dispõe a trazer. Naquele momento, o mais importante é auxiliar a pessoa que se apresenta para conversar, fazendo-a abandonar suas defesas rígidas e mostrar-lhe o quanto são insatisfatórias para sua vida, trajetória futura e felicidade.

A editora Correio Fraterno fez uma bela reedição da coleção. Papel Lux Cream, muito confortável aos olhos, capas belíssimas, ilustrações sugestivas e sóbrias, o trabalho de edição nos entregou uma coleção primorosa. Só lamento que no Brasil não se façam pequenas edições com capa dura, que tornam os livros muito mais duráveis, mas de preço mais elevado.

Recomendo, portanto, aos interessados na mediunidade, a leitura dos quatro livros, que se tornaram referência importante para o aperfeiçoamento dos que se voluntariam neste tipo de trabalho.


23.11.12

VIOLAÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS

Recebemos o texto abaixo vindo da GEEM, conhecida editora de obras psicografadas por Chico Xavier, que se tornou um grupo com ações diversas, inclusive assistenciais. Como concordamos com sua argumentação clara, estamos repassando aos leitores do EC.



Violação de Direitos Autorais

Infelizmente, tem sido comum, em alguns sites, a disponibilização para download de obras de Francisco Cândido Xavier, que não são de domínio público, sem autorização ou ao menos consulta prévia dos titulares dos direitos De modo geral são disponibilizados sem a capa, sem o nome da editora e alguns são apresentados resumidamente, descaracterizando totalmente a obra do Chico e dos Autores espirituais.


O GEEM, titular do direito autoral de várias obras, por cessão expressa de Chico Xavier, discorda desta prática, pois a divulgação da doutrina espírita deve ser feita em total respeito às leis do País.

Note-se, a esse respeito, que o GEEM, entidade religiosa sem fins lucrativos, há quase 50 anos divulga a obra de Chico Xavier.

Editamos até o momento em torno de dois milhões e meio de exemplares, sem qualquer objetivo de lucro. Toda a diretoria e os participantes do grupo são voluntários, sem qualquer remuneração.

No entanto, na estrutura da máquina administrativa há evidentemente funcionários remunerados, cuja folha é custosa.

Nossos livros têm uma longa preparação pré-edição com despesas significativas no que tange às capas, à diagramação, à qualidade gráfica e não nos parece justo que deles se apossem terceiros, mesmo com a melhor das intenções, como se tivessem nascido do nada.

Por que razão Chico Xavier nos teria cedido os direitos? Para cuidarmos dos livros com atenção e respeito.

Parte significativa de nossos livros é distribuída gratuitamente a centros, instituições, bibliotecas, pessoas físicas e percentual significativo das vendas é dirigido à população mais simples a preços inferiores ao custo dos livros.

E o eventual resultado na comercialização dos livros não é utilizado em benefício do GEEM, mas, sim, nos respectivos projetos de divulgação e obras de caridade.

Quando é o caso, temos concedido, gratuitamente, respeitadas determinadas condições, autorização para a utilização das obras, às pessoas que o desejam, com equilíbrio e ponderação.

Mas não podemos aceitar a utilização indiscriminada, sem qualquer autorização ou consulta prévia.

GEEM — GRUPO ESPÍRITA EMMANUEL

18.11.12

VINÍCIUS E O EGOÍSMO

Pedro de Camargos - Vinícius

Pedro de Camargos (1878-1966), conhecido como Vinícius, é um dos autores paulistas mais prolíficos e inteligentes na temática do Evangelho à luz do Espiritismo. Pessoa não apenas reconhecida e lembrada, mas querida pelos membros do movimento espírita, nasceu em Piratininga, onde teve educação em uma escola metodista, de fundação norte-americana, que muito o influenciou. Dirigiu a Igreja Espírita "Fora da Caridade não Há Salvação" até 1937, quando transferiu-se para São Paulo.

Dirigiu programa cristão-espírita na Radio Educadora de São Paulo, dedicou-se à assistência social e trabalhou imensamente pela divulgação do espiritismo em diversas frentes, como a imprensa, a publicação de livros e a exposição em Centros Espíritas. Zêus Wantuil (Grandes Espíritas do Brasil) informa que presidiu a "União Federativa Espírita Paulista", foi sócio-gerente de "O Semeador" (da FEESP) e presidiu o "Instituto Espírita de Educação" até 1962.

Recordei-me dele ao preparar um estudo para o Grupo Scheilla sobre o capítulo de "O Livro dos Espíritos", Da Perfeição Moral. Nele, um espírito diz a Kardec que a maior chaga da humanidade é o egoísmo e que "dele deriva todo o mal". Certamente inspirado por esta passagem, Vinícius escreveu a seguinte página:


Egoísmo


A usura é a nudez do egoísmo.
A avareza é o esqueleto do egoísmo.
A inveja é o miasma do egoísmo.
A hipocrisia é a mentira do egoísmo.
A esquivança é o covil do egoísmo.
A dissimulação é a covardia do egoísmo.
O jogo  é a fascinação do egoísmo.
O roubo é a violência do egoísmo.
A bajulação é o recurso do egoísmo.
A iniquidade é a lei do egoísmo.
A discórdia é a expansão do egoísmo.
O ódio é a combustão do egoísmo.
A vingança é o desagravo do egoísmo.
A calúnia é a perfídia do egoísmo.
A intemperança é a avidez do egoísmo.
A vaidade é a parvoíce do egoísmo.
O ciúme é o travo do egoísmo.
A luxúria é a desfaçatez do egoísmo.
O fanatismo é o zelo do egoísmo.
A intolerância é a arbitrariedade do egoísmo.
A impiedade é a resistência do egoísmo.
O assassínio é a loucura do egoísmo.
O orgulho é a soberania do egoísmo.

Em suma: o pecado sob todas as formas, sob todos os aspectos, sob todas as modalidades, é fruto do egoísmo, porque o egoísmo assume, no mal, todas as formas, todos os aspectos, todas as modalidades.

(Vinícius. Em Busca do Mestre. (4 ed.) Rio de Janeiro: FEB, 1979. p. 286)

11.11.12

COMO NÓS, ESPÍRITAS, PODEMOS NOS PREPARAR PARA A MORTE?


Noite estrelada, de Van Gogh - Vista da noite da janela do seu sanatório, pintada de memória


Discutíamos o tema separação entre a alma e o corpo no Centro Espírita Simão Pedro, em Belo Horizonte, e um dos participantes fez a pergunta que intitula nossa matéria.

Seguramente, o conhecimento espírita nos dá um quadro de referências que pode ser extremamente útil no mundo dos espíritos. Uma vez desencarnados, se em condições medianas, temos alguma noção clara da continuidade da vida, do reencontro dos afetos, do papel do pensamento, etc. Contudo, o ser humano é mais que conhecimento, porque os sentimentos e as sensações, desempenham um papel tão ou mais importante que o saber em assuntos vivenciais.

Irmão X tem um trabalho importante chamado “Treino para a morte”, publicado no livro Cartas e Crônicas, psicografado por Chico Xavier. É uma boa leitura para se pensar em ações práticas para a morte. Em resumo, ele mostra muitas situações em que viver a vida é fundamental para se preparar para a morte.

Uma das questões importantes na nossa cultura é nos habituarmos a falar sobre a morte. Ela ainda é um tabu, um assunto proibido, que fica ainda mais difícil de conviver quando cruza o nosso caminho, através da perda dos relacionamentos afetivos. Recordei-me das gerações anteriores a minha, que considerava que não se devia falar sobre a morte porque “a atrairia”. Muitos diziam também que cemitério não é lugar para criança. Frequento uma clínica de hemodiálise, na qual a morte está sempre “batendo ponto”, e o assunto é visto como perturbador, ao ponto de não se comunicar aos pacientes que um colega querido se foi, impedindo-os de prestar as últimas homenagens e de dar um abraço de conforto na família, o que seria possivelmente agradável ao que se foi, em um momento tão difícil.

Preparar-se para a morte, então, começa com conversar sobre ela, em aceitar sua realidade e a finitude do corpo, levar a sério a ideia que estamos aqui por um período e que ele pode findar-se a qualquer momento. A proximidade da morte, com as doenças ou a idade avançada, pressupõe sabedoria para entender os limites do corpo e para preparar o grande momento.

Acertar-se com os desafetos que colecionamos em momentos impensados é também um bom exercício, principalmente se aconteceu a partir de futilidades e vaidades feridas. Os assuntos que varremos para “debaixo do tapete” (quem não os tem?) são uma boa fonte de perturbação no mundo dos espíritos.

O desapego gradual dos bens materiais é também um bom exercício para a morte. Não estou pregando que nos tornemos Franciscos de Assis, da noite para o dia, mas que identifiquemos aquelas coisinhas com que nos prendemos e saibamos abrir mão delas aos poucos. Nossa dirigente já desencarnada, Ada Eda Magalhães, quando começou a perceber a proximidade da visita da morte, passou a presentear aos amigos com as lembranças que ela colecionava de suas viagens ao exterior. Os enfeites de casa, os livros, pratos, iam de suas mãos para as mãos dos amigos queridos. Ela não dilapidou a herança dos filhos e netos, mas só pude perceber sua sabedoria neste ato quando, após sua desencarnação, passei pela sala de minha residência e vi um de seus objetos, que me remetiam às melhores recordações dos anos em que mantivemos nossa amizade “intergeracional”. Ela certamente irá perceber, onde estiver, os pensamentos de carinho dos amigos que ficaram.

O desapego não é algo que se refere aos objetos, há também os cargos e as pessoas. Viver é desapegar-se. Os pais que não aprendem a mudar seu comportamento ante os filhos que crescem e ganham autonomia, tornam-se fonte de perturbação na vida deles. Os trabalhadores que se aferram a um cargo, uma patente militar, uma distinção, não se preparando para a aposentadoria, ficam como um cão faminto diante de seu osso já roído e sem nenhuma fibra de carne. Nossas realizações valem pela recordação de as termos concluído, pela gratificação do reconhecimento, quando ele vem dos demais, mas principalmente do que nós sentimos ao terminar nossa tarefa. Elas moram no passado e não no presente, agrilhoando-nos. Aprender a desligar-se de algo que fizemos por muitos e muitos anos não é exercício fácil, especialmente no mundo masculino, na nossa cultura.

Perceber que a morte do corpo nos espreita, é a realidade da vida. Ele começa a morrer quando nasce, só não sabemos ao certo quando isto se dará. Então, viver bem a vida é a melhor preparação para a morte, que deixará de ser o bicho papão da noite da existência e se transformará no misterioso casulo de lagarta, portal de uma nova realidade.

6.11.12

O ESPIRITISMO ESTUDA OUTRAS RELIGIÕES E FILOSOFIAS?


O Príncipe Arjuna dialoga com Krishna (?)
 
Estava em um estudo na Fraternidade Espírita Luz Acima (Belo Horizonte - MG), tratando do cristianismo do século I. Basicamente, tratava-se de uma leitura rápida do livro dos Atos dos Apóstolos e dos principais incidentes que ele relata para dar uma visão do “todo” deste trabalho do Novo Testamento.

Um debate interessante iniciou-se sobre a concepção cristã do espiritismo. Kardec, em “O Livro dos Médiuns” classifica os tipos de espíritas de sua época e destaca os que ele intitula espíritas-cristãos, ou verdadeiros espíritas. (O Livro dos Médiuns, capítulo III, item 28). Essencialmente, Kardec parte de um diálogo com os espíritos sobre o cristianismo para lançar os princípios de uma ética espírita, e desenvolve uma proposta de um espiritismo que não se resume ao estudo dos fenômenos espirituais, mas que tem uma proposta de ação no mundo para os sujeitos, uma proposta ética.

Uma das participantes perguntou se o único livro que estudávamos era a Bíblia. Em princípio, não entendi direito a questão e achei que se tratasse de um evangélico “em missão” no meio da comunidade espírita, mas não se tratava disso. Ela tinha interesse no estudo dos autores indianos, e em textos como o Bhagavad-Gitã, que é um diálogo entre o príncipe Arjuna e a divindade Krishna, que compõe o Mahabharata, um livro que contém narrativa, reflexões filosóficas e morais.  Imediatamente recordei dos textos mimeografados que estudamos na Mocidade AECX nos anos 80, com passagens do Gitã, tentando entender a simbologia da reencarnação que se encontra nas questões propostas por Arjuna.

Como o espiritismo não elegeu “livros sagrados”, o próprio Kardec mostrava uma abertura muito grande para a leitura e entendimento de diferentes tradições religiosas, como é o caso dos artigos que ele escreveu sobre o Islã (Maomé e o Islamismo, Revista Espírita, agosto de 1866 e novembro de 1866) e sobre os Celtas (O espiritismo entre os druidas, Revista Espírita, abril de 1858). Léon Denis também se dedicou ao estudo dos Celtas (O Gênio Céltico e o Mundo Invisível).  Nada impede, portanto, que se faça uma leitura espírita das obras de inspiração espiritual das diversas culturas, contudo, é um trabalho de interpretação destas tradições religiosas a partir do espiritismo e não o contrário, que seria uma forma de sincretismo, e deixaria os espíritas a um passo da adoção dos ritos hindus.

Não é um estudo fácil, nem imediato, porque demanda o conhecimento de uma cultura e tradição muito complexa, com a qual não tivemos muito contato em nossa formação. O final de uma leitura dessas, se empreendida, deixaria o estudioso com um conhecimento do Bhagavad-Gitã pelo hinduísmo (o que geralmente aponta para muitas leituras e interpretações, no livro Filosofias da Índia encontramos dezenas de escolas de pensamento) e uma interpretação espírita do Gitã. Para ser sério, é um trabalho que exige anos de estudo, viagens, diálogo com especialistas, estudo do idioma hindu, etc.  As iniciativas, portanto, como as do nosso grupo de jovens, devem vir acompanhadas da devida humildade e do reconhecimento das imensas limitações que temos ante uma cultura oriental milenar, mas respeitando a condição do espiritismo como “interlocutor” e não como “discípulo”.

3.11.12

O PRIMEIRO PERIÓDICO ESPÍRITA BRASILEIRO


A Biblioteca Nacional lançou um instrumento de pesquisa denominado Hemeroteca Digital Brasileira, que está sendo alimentado com periódicos brasileiros antigos.

Nosso leitor Alexandre Caroli Rocha identificou nesta base de dados o periódico "
O Echo d'Alem-Tumulo : monitor d'o spiritismo no Brazil", publicado inicialmente em 1869 e que traz artigos de diversos espíritas da época, como Casimir Lieutaud, Luiz Olympio Telles de Menezes, Jose Francisco Lopez, e traz notícias do movimento francês, assim como primeiras traduções de textos da codificação.



Para os interessados em ler o que pensavam os espíritas baianos à época de Kardec, o melhor link é o 
http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx e digite Écho no campo de título.


1.11.12

DIÁLOGO COM OS CÉTICOS



Publicado em julho de 2011, este trabalho do coautor da teoria da evolução é uma discussão filosófica sobre a possibilidade e limites do estudo dos fenômenos espirituais com os métodos das ciências naturais. Foi publicado originalmente anos após Wallace ter feito seus próprios experimentos (cf. O aspecto científico do sobrenatural) e ter publicado uma pequena monografia onde fazia uma revisão dos principais estudos anglo-saxões. 

Ao traduzi-lo, não esperava a boa recepção que teve no movimento espírita, que o tem lido, citado e comentado, o que aponta a existência de grupos e pessoas interessadas em um conhecimento mais substantivo do espiritismo e da pesquisa que se estabeleceu em torno de sua fenomenologia. Wallace é um autor de reputação no ambiente acadêmico, por sua imensidade de estudos e descobertas, em um círculo de cientistas que ganharam notoriedade universal, como Darwin, Lyell e outros.

Por milagres, termo muito usado por Wallace em sua obra, não se entenda a intervenção divina no mundo humano, mas a existência, comunicabilidade e ação dos espíritos desencarnados (preterhumanos, como ele gosta de dizer)

SUMÁRIO

Apresentação: Dra. Astrid Sayegh

A queda do muro de Hume. (Prefácio do Tradutor - Dr. Jáder Sampaio)

Diálogo com os céticos - artigo lido ante a Sociedade Dialética de 1871

Definição do termo "milagre"

A evidência da realidade dos milagres

A natureza contraditória das afirmações de Hume

Objeções modernas aos milagres

A incerteza dos fenômenos assegurados pelo espiritualismo moderno

A necessidade do testemunho científico

Revisão das afirmações do Sr. Lecky sobre os milagres

É a crença em milagres uma sobrevivência do pensamento selvagem?

Vocabulário de termos filosóficos utilizados no livro (Dr. Jáder Sampaio)

Índice Analítico (Dr. Jáder Sampaio)