16.6.21

SUELY NOS ANTECEDE NA "GRANDE VIAGEM"



Suely Caldas Schubert aos 16 anos

Conheci a Suely na década de 80, em um evento sobre mediunidade no qual ela falava junto com Hermínio Miranda e Jorge Andréa. Suely me impressionou pelo conhecimento que tinha da obra de André Luiz.

Os anos se passaram e a encontrei diversas vezes. Nos livros dela que tenho em casa encontrei muitos e muitos autógrafos. Em um destes encontros, surpreendi-me porque ela tinha lido o artigo que publiquei na revista O Médium, de Juiz de Fora – MG, sobre “Os Possessos de Morzine”, um fenômeno social curioso que Allan Kardec havia acompanhado e sobre o qual publicou na Revista Espírita. 

Estudamos livros dela em nossa reunião mediúnica. Suely lia muito, então estava sempre construindo os textos a partir de autores importantes do espiritismo. Sua linguagem sempre foi muito acessível e, por isso mesmo, acho que os livros dela sempre atingiam um grande público.

Suely ficava hospedada na casa de um amigo muito querido, quando vinha a Belo Horizonte. Ele a consultou sobre a possibilidade de fazermos uma entrevista para o Espiritismo Comentado, e ela não respondeu, nem que sim, nem que não. Eu pensei em desistir e meu amigo insistiu que fosse assim mesmo. Acho que ela estava bastante cansada, e me explicou assertivamente que não poderia dar a entrevista, mas ficamos juntos, meu amigo, sua família, a Suely e a Consolação.


Da esquerda para a direita: Divaldo Franco, Suely e Nestor Massoti (FEB)

A prosa mineira é sempre boa, e Suely começou a recordar e a falar de suas memórias no meio espírita. As visitas à FEB, há muitos anos, nas quais ela estudava documentos e livros. Talvez dessa época tenha surgido o material para se escrever o livro “Testemunhos de Chico Xavier”, no qual ela resgata e comenta a correspondência do Chico com o Wantuil de Freitas, principalmente, então presidente da federação. Graças à dedicação dela, hoje temos acesso à relação entre o médium e a instituição que lhe publicava os livros e as mensagens, o que possibilita um entendimento histórico mais fundamentado e descarta muitas das fantasias que se ergueram ao redor do médium de Pedro Leopoldo.

Suely se recordou também de suas idas à Mansão do Caminho, sempre com carinho em torno da pessoa de Divaldo Franco. Falou de sua participação nas reuniões mediúnicas, o que um ou outro fotógrafo já registraram em belas imagens.

Foi uma bela noite, mas pena que não tive o ensejo de anotar, logo após a conversa. Passados os anos, só me ficaram essas pequenas recordações. 


Da esquerda para a direita: Divaldo Franco, Chico Xavier e Suely C. Schubert

Depois nos encontramos pessoalmente mais algumas vezes e a Suely participou da Semana de Chico Xavier em abril de 2021. Dessa vez, graças à tecnologia, sua fala foi preservada e disponibilizada a quem desejar ouvi-la, mercê da TV Célia Xavier. Nessa palestra ela adiantou o último livro que já estava prestes a sair, e que foi lançado na data programada, no dia 13 de maio.

https://www.youtube.com/watch?v=l2H3zRJu-qA

Suely era natural da cidade de Carangola, onde reencarnou no mesmo ano que minha mãe, em 9 de dezembro de 1938.

Deixei para o final a má notícia. Algumas semanas após essa palestra, Suely foi diagnosticada com COVID 19. Ela havia tomado uma dose da vacina Astrazeneca, mas desenvolveu um quadro da doença que se agravou em função das comorbidades que ela tinha, como uma doença cardíaca grave, segundo me informou a família. A COVID 19 não se desenvolveu de forma intensa, mas Suely foi internada e não conseguiu vencer essa batalha. Ela foi chamada para o mundo espiritual, do qual tanto tratou em suas palestras infindas e em seus escritos, no dia 12 de maio de 2021. 

As homenagens e notas brotaram em todo o Brasil. Federativas e casas espíritas agradeceram as contribuições dadas por ela por décadas. Nos agradecimentos, alcunharam-na “a dama da mediunidade”.

Deixo ao leitor os principais livros de Suely, listados por ano de copyright:


Obsessão/Desobsessão: Profilaxia e Terapêutica Espíritas - 1981

Testemunhos de Chico Xavier - 1986

Ante os Tempos Novos (parceria com Divaldo Pereira Franco) – 1996

O Semeador de Estrelas - 1989

Mediunidade e Obsessão em Crianças - 1995

Mediunidade: Caminho Para Ser Feliz – 1999

Visão Espírita Para o Terceiro Milênio - 2001

Transtornos Mentais: Uma Leitura Espírita - 2001

Entrevistando Allan Kardec - 2004

Mediunidade no Ar - 2004

Dimensões Espirituais do Centro Espírita - 2006

Os Poderes da Mente - 2008

Mentes Interconectadas e a Lei da Atração – 2010

Nas Fronteiras da Nova Era - 2013

Divaldo Franco: Uma Vida Com os Espíritos - 2017

Chico Xavier e Emmanuel: Dores e Glórias – 2021


8.6.21

AVALIAÇÃO PSIQUIÁTRICA DE DIVALDO FRANCO GERA DISCUSSÃO EM REVISTA INTERNACIONAL SOBRE PSICOSE E EXPERIÊNCIA RELIGIOSA

 

Divaldo Franco

Pesquisadores brasileiros da área de psiquiatria fizeram uma avaliação do médium Divaldo P. Franco e uma revisão de literatura  e publicaram suas conclusões na revista Journal of Nervous and Mental Disease, em junho de 2021, na coluna Brief Report.

Quem desejar ler o trabalho irá encontrar em The Journal of Nervous and Mental Disease • Volume 209, Number 6, June 2021, e o DOI: 10.1097/NMD.0000000000001290

Abaixo o Dr Alexander, um dos autores, faz uma síntese da parte de avaliação psiquiátrica para a TV Nupes:





"Este é o primeiro estudo a descrever um caso de uma pessoa com múltiplos, frequentes e persistentes experiências do tipo psicótico (alucinações auditivas, visuais, sensoriais e olfativas; inserções de pensamentos; e experiências de controle externo) e diversas experiências espirituais ou do tipo dissociativo (xenoglossia, fenômeno de transe dissociativo, memórias de vidas passadas) que continuou estável por 90 anos, nunca sendo tratado por esses sintomas, e permaneceu bem, cognitivamente e afetivamente, tendo recentemente um comprometimento cognitivo leve e um transtorno depressivo leve." (página 451)

Os autores defendem a existência de uma experiência não patológica e sugerem seis critérios (a serem mais estudados) para a distinção de casos com psicopatologia.