Mostrando postagens com marcador Orígenes. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Orígenes. Mostrar todas as postagens

30.1.19

KARDEC, A ALMA DO MUNDO E O PANTEÍSMO



Como bom pedagogo, ao escrever seus livros para o grande público, Allan Kardec discutiu com os espíritos muitos tópicos da filosofia antiga e de sua época, sem ficar citando os autores. Alguns conceitos, hoje esquecidos, deviam ser muito conhecidos no meio intelectual francês do século XIX, e vez por outra, ao pesquisar as origens, esbarro em algum filósofo importante.

Em sua primeira publicação espírita, Kardec apresenta rapidamente o conceito de “alma do mundo” – “âme du monde” (O Livro dos Espíritos, questão 144), afastando a ideia de que os planetas são seres viventes, como pensava, por exemplo, Orígenes, em seu “Tratado sobre os princípios”, no século III.

O dicionarista Ferrater Mora explica que o conceito de “alma do mundo” está em Platão, como uma “mescla harmoniosa pelo demiurgo das ideias e da matéria”. É bem possível que Kardec tenha usado o termo platônico para questionar aos Espíritos, uma vez que ele considera Platão e Sócrates como precursores do cristianismo e do espiritismo.

No capítulo XI de A Gênese, Kardec refere-se a um conceito semelhante, o de “alma do universo” (A Gênese, capítulo XI, parágrafo 28), em francês, “âme de l’univers”.

Heráclito fala de uma “alma do universo”, que é um “todo homogêneo” para onde volta a alma humana após a morte, perdendo sua individualidade e tornando-se homogênea.

Baruch Spinoza (século XVII) entendia Deus como sendo a “alma do universo”, no sentido que era o “mecanismo imanente da natureza”, ou seja, Deus é a natureza. Trata-se de uma concepção panteísta.

Allan Kardec, contudo, deixa claro que o espiritismo não é panteísta em seu texto “As cinco alternativas da humanidade”, publicado em Obras Póstumas. É um texto que não se encontra na Revista Espírita, no período em que Kardec foi seu editor, deve ser, portanto, um texto do final de vida.

Spinoza é considerado o “monista por excelência”, porque entende que tudo é uma única substância: Deus, o universo e o ser humano. Kardec, contudo, posiciona-se como dualista ou trinitário (trindade universal), uma vez que entende que há dois princípios ou substâncias, o material e o espiritual, e “acima de tudo Deus”, cuja natureza (essência, substância) diferiria do espírito e da matéria. (O Livro dos Espíritos, questão 27)

O monismo de Spinoza pode ser lido em seu livro "Ética demonstrada à maneira dos geômetras". Na proposição XVI encontra-se a concepção de Deus como infinito, que resultaria na concepção de Deus como um intelecto infinito e causa primeira. (corolários I e III). 

Há uma conexão entre o racionalismo de Descartes, Spinoza e a metafísica de Allan Kardec. 



8.3.14

ORÍGENES, REENCARNACIONISTA CRISTÃO?






Continuo publicando textos derivados da leitura que estou fazendo sobre os cristãos primitivos, e hoje comento a vida e duas propostas de Orígenes, similares à proposta espírita. Roque Frangiotti fez uma busca nas fontes disponíveis sobre a vida de Orígenes e se tornou nossa principal fonte nesta pequena biografia, assim como o texto filosófico de Giovanni Reale.

Vida de Orígenes

Cristão de Alexandria, de 185 d. C., Orígenes nasceu em família cristã e viu seu pai ser martirizado em 202, por ordem de Lúcio Sétimo Severo (imperador romano). Este evento tornou o jovem Orígenes, com 18 anos, responsável por mãe e irmãos, sem os bens da família, que foram confiscados pelo império. Ele passou a sustentá-los com aulas de gramática, que havia aprendido com o pai e desenvolvido com esforço próprio.

Com a perseguição romana, os catequistas haviam fugido de Alexandria, e Orígenes aceitou o convite do bispo Demétrio para realizar este trabalho, dirigindo a escola de catequese de Alexandria, quando passou também a acompanhar e exortar os mártires.

Nesta época, o cristianismo era alvo de críticas de cunho filosófico e de disputas internas entre doutrinas que se desenvolveram a partir de pontos conflituosos da fé cristã. Giovanni Reale (p.45) afirma que Orígenes combateu gnósticos, adocionistas e modalistas.

Este trabalho só foi possível porque Orígenes criou o Didaskaleion, um “centro de ensino superior”, considerado “o primeiro esboço daquilo que será a universidade na Idade Média” (Frangiotti, p. 11). Era um lugar que ensinava não apenas a doutrina cristã e as escrituras, mas também as diversas áreas da cultura chamada profana. Esta iniciativa possibilitou ao alexandrino o estudo da filosofia.

A Héxapla

Orígenes fez viagens de estudos, em busca das diferentes versões da Bíblia, para poder fazer estudos comparativos. Um de seus trabalhos é a Héxapla e que é uma Bíblia em seis colunas, a saber:
  1. O texto hebraico com caracteres hebraicos
  2. O texto hebraico com caracteres gregos
  3. A versão bíblica de Áquila
  4. A versão bíblica de Símaco
  5. A versão bíblica de Teodicião
  6. A versão bíblica da Septuaginta (os setenta)
Seu sucesso e reconhecimento por cristãos e autoridades cristãs de diversas partes do mundo parece ter despertado a inveja de Demétrio, que o destituiu do magistério e do presbiterato, além de excomungá-lo.

Orígenes foi para Cesaréia da Palestina, onde passou seus últimos vinte anos. Lá ele continuou a ensinar e organizou um centro de estudos, além de uma biblioteca que se tornou célebre e na qual trabalharam no futuro “Pânfilo, Eusébio e São Jerônimo” (Frangiotti, p. 15) Ele também passou a pregar e comentar diariamente a escritura para os cristãos.

No governo do imperador Décio iniciou-se uma nova perseguição aos cristãos, quando Orígenes foi preso e torturado, desencarnando anos depois.

Eusébio de Cesaréia afirma que Orígenes escreveu cerca de 2.000 livros, e Jerônimo fez um levantamento de 800 títulos. Muito se perdeu do que Orígenes escreveu porque algumas de suas doutrinas e ideias foram condenadas pelo II Concílio de Constantinopla, em 553, o que “provocou o desaparecimento sistemático de sua imensa obra”. (Frangiotti, p. 17)

A Hierarquia Deus – Jesus e o Espírito Santo

Seria muito difícil comentar a obra de Orígenes como um todo, então deter-me-ei em dois pontos que interessam a nós, espíritas.

Ao estudar o espírito santo, Orígenes faz uma hierarquia entre Deus, Jesus e o espírito santo. Ele defende a homoousia (Jesus foi emanado de Deus, e tem a mesma natureza do Pai), que nos é estranha, porque entendemos Jesus como espírito superior e distinguimos a natureza de Jesus da de Deus, em função das características divinas discutidas por Kardec. Contudo ele admite alguma subordinação do filho ao Pai (Reale, p. 45) Já o espírito santo teria um papel santificante.

Até o momento, em boa linguagem espírita, entendo que Jesus, após a desencarnação continua acompanhando o movimento cristão através da mediunidade dos profetas cristãos e de outros médiuns das comunidades. Entendo também que outros espíritos superiores, missionários de Jesus, tinham o seu papel junto a estas comunidades, sendo identificados como o Espírito, como diz Denis, ou o Espírito Santo, como afirma a tradição católica. Reale afirma que Orígenes via no Espírito Santo uma “função específica na ação santificante”.

Preexistência e Reencarnação

O segundo ponto que nos interessa é a defesa da preexistência do espírito antes da concepção. Orígenes entende que os espíritos preexistem e quando cometem pecado, nascem, ou seja, encarnam.  É uma leitura muito próxima da de Kardec que entende que o ciclo das encarnações é necessário ao desenvolvimento dos espíritos e que possibilita a reparação das faltas cometidas.

Outra similitude, que encontrei em Reale (p. 46) diz respeito à reencarnação. Para que o leitor não pense que estou inventando ou lendo mal, passo a citar textualmente:

“É doutrina típica de Orígenes (derivada dos gregos, embora  com notáveis correções) a que segundo a qual o “mundo” deve ser entendido como série de mundos, não contemporâneos, mas subsequentes um ao outro. Tal visão relaciona-se estreitamente com a concepção origeniana segundo a qual, no fim, todos os espíritos se purificarão, resgatando suas culpas, mas, para se purificarem inteiramente, é necessário que sofram longa, gradual e progressiva expiação e correção, passando, portanto, por muitas reencarnações em mundos sucessivos.” (Reale, p. 46)

Vê-se, portanto, que Léon Denis leu acertadamente quando escreveu em seu “Cristianismo e Espiritismo”

“De todos os padres da Igreja, foi Orígenes quem afirmou do modo mais positivo, em numerosas passagens dos seus princípios (Livro 1º.), a reencarnação ou renascimento das almas. É essa a sua tese: “A justiça do Criador deve patentear-se em todas as coisas”.

Referências Bibliográfica

Denis, Léon. Cristianismo e espiritismo. 7 ed. Rio de Janeiro, FEB, 1978.
Frangiotti, Roque. In: Orígenes. Contra Celso. São Paulo, Paulus, 2004.
Reale, Giovanni, Antiseri, Dario. História da filosofia. Patrística e Escolástica. 4 ed. São Paulo, Paulus, 2011. Vol. 2.