Mostrando postagens com marcador Sociedades Espíritas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Sociedades Espíritas. Mostrar todas as postagens

3.12.16

ISOLAMENTO DE GRUPOS NO CENTRO ESPÍRITA




Jáder Sampaio

O isolamento de grupos em um centro espírita de grande porte é um dos grandes desafios institucionais que precisa ser enfrentado, para que não haja ruptura do caráter associativo.

É mais fácil isolar-se em uma reunião (mediúnica, por exemplo) ou grupo, participar de atividades apenas com as pessoas deste grupo e contribuir com um valor da cota associativa, não se interessando pelas necessidades coletivas da associação, e apenas direcionando exigências para a diretoria, sob a justificativa de ser sócio regular e participar da organização há décadas.

Neste caso, sempre que as necessidades de muitos afetam a rotina dos trabalhos do grupo, este trata dos pedidos de mudança da direção como uma intervenção indevida.

Quando isto acontece, há uma inversão do pacto associativo. Os dirigentes são vistos mais como empregados ou prestadores de serviço da organização e não como lideranças, que abrem mão de seu tempo pessoal e familiar para contribuir com a associação a pedido e com voto de confiança de todos.

Neste cenário, é mais difícil mobilizar a contribuição dos associados para objetivos comuns, da associação como um todo, que demandam trabalho voluntário e envolvimento de todos. Os projetos externos a um grupo, como a construção de uma nova sede, a adoção de regimentos, o socorro a uma atividade considerada importante que está com falta de trabalhadores, a promoção de eventos para encontro dos membros da organização, sejam de caráter doutrinário ou administrativo e a participação de pessoas de diferentes grupos em atividades que não são vistas como “deles” por dirigentes e membros de grupos.

As escolhas de dirigentes e lideranças se tornam um trabalho muito difícil, porque, isolados, os valores de cada grupo não são conhecidos pela organização como um todo, faltando o vínculo da confiança e do respeito entre eles e o corpo dirigente. Os valores, quando identificados e convidados, necessitarão gastar mais energia e dedicação para superar as dificuldades criadas pelo isolamento e pelo desconhecimento das equipes novas com que trabalharão. Não raro, muitos se afastam precocemente, por motivos muitas vezes triviais, que não seriam causa deste tipo de atitude se já houvesse um relacionamento anterior.

Não há, portanto, uma relação orgânica entre o nível estratégico (a direção do centro), nível gerencial (a direção dos grupos) e trabalhadores (nível operacional). Começa a ocorrer uma estranha disputa de poder entre direção do centro e direção dos grupos, quando deveria haver um relacionamento de colaboração, principalmente porque os grupos e os associados em geral necessitam de um corpo diretor eficaz e são eles que o elegem e o conduzem a suas funções “nunca-remuneradas”.


Esta reflexão não exime os dirigentes dos centros espíritas de seus equívocos, do excesso de individualidade ou do cometimento de abusos em suas funções, mas este seria objeto de discussão de outro texto. O que observamos é a estranha inversão e competição, que possibilita o desenvolvimento de um clima organizacional na casa espírita muito bem descrito pelo espírito Irmão X, no livro Cartas e Crônicas, capítulo 29, intitulado “Bichinhos” ao qual remeto o leitor.

22.9.10

TRABALHADORES, FREQUENTADORES OU ASSISTIDOS?

Igualdade ou hierarquia?

Há algumas décadas o Espiritismo atrai a atenção de antropólogos no Brasil.

Maria Laura V. Cavalcanti (O mundo invisível: cosmologia, sistema ritual e noção de pessoa no Espiritismo) observou uma desigualdade entre cooperadores e frequentadores. Não sou capaz de identificar de memória a fonte, mas há uma desigualdade também entre assistidos e estas duas outras categorias.

Penso que estas desigualdades são um desafio para as sociedades espíritas do século XXI. Não sei se é possível fazer desaparecer estas diferenças com um ato administrativo, mas é necessário diminuir as barreiras que nós mesmos construímos sem perceber e que dificultam o trânsito entre estes diferentes lugares da comunidade espírita.

Uma doutrina de intelectuais?

Uma análise apressada pode concluir que o Espiritismo é uma doutrina repleta de adeptos na classe média brasileira porque demanda estudo e leitura. Não é bem o que nossa história nos mostra. Muitos dos intelectuais de nosso país não freqüentaram bancos de universidades, e alguns espíritas de destaque regional ou nacional eram (ou são) pessoas com pouca escolaridade, que desenvolveram o hábito de ler e de estudar no contexto da casa espírita ou em sua história de vida.
Assistidos e Trabalhadores em uma distribuição de sopa e pão da AMA em Ponta Grossa - PR

Quando há sensibilidade da comunidade espírita, os assistidos podem ser incentivados a dar sua opinião, lhes são passadas responsabilidades, e com algum tempo eles são motivados a estudar, expor, trabalhar e cooperar com o grupo, tornando-se membros ativos e com uma experiência de vida ímpar. Não é uma proposta fácil, porque nos grandes centros urbanos tenho visto pessoas que são fruto da violência e do abandono de pais vivos, que não viveram no contexto de uma família e a quem falta todo um repertório social que desenvolvemos em casa e na escola. A convivência e o pacto de regras de relacionamento se torna um desafio.




Grupos de Trabalho: Jovens


Frequentadores eternos?

O problema dos frequentadores pode ser uma falta de oportunidade. Nas cidades de médio e grande porte, e nas sociedades espíritas maiores, é possível chegar e sair praticamente incógnito em uma reunião pública. Se a pessoa é tímida e não é acolhida pela comunidade espírita, pode ficar assistindo reuniões durante anos, às vezes desejosa de participar mais, às vezes sem se ater que a associação espírita é um espaço cooperativo.



Reunião Pública


As grandes sociedades criaram grupos de estudo, cursos, ciclos, estudo sistemático e outras denominações para um conhecimento mais circunstanciado do Espiritismo, mas para superar a condição de frequentador é necessário conviver, participar de um grupo ou equipe de trabalho, conversar sobre assuntos que vão além da doutrina e do trabalho espírita e que possibilitam a formação de uma relação com alguma intimidade e confiança. Os laços de comunidade devem ser cultivados pelos dirigentes e trabalhadores das sociedades espíritas. Sua ausência pode significar um abismo entre estes três espaços sociais que os antropólogos observaram em nosso meio.

19.2.09

Mapa de Sociedades Espíritas de Contagem


Vanilson Couto encaminhou também o mapa dos Centros Espíritas filiados à Aliança Municipal Espírita de Contagem, cidade vizinha a Belo Horizonte - MG. Se você frequenta uma sociedade espírita nesta cidade ou na capital que não consta em nenhum dos mapas e quiser incluí-la em uma versão futura, faça o seguinte:

Envie o nome da instituição e o endereço (rua, número, bairro, cep e, se possível, telefone) para vanilsoncosme@yahoo.com.br .
Em algum tempo poder-se-á comparar este mapa com o que contém as informações dadas pelos leitores do Espiritismo Comentado e outros órgãos que se interessarem, como a União Espírita Mineira.

19.9.08

Convênios de Creches Espíritas com o Poder Público


Foto 1: Crianças de uma Creche.
O movimento espírita lançou-se na construção e manutenção de instituições pré-escolares há mais de cinqüenta anos, em uma época na qual a população de baixa renda necessitava e não tinha acesso a este tipo de serviço.

A lei de diretrizes e bases, nos anos 90, atribuiu ao município a responsabilidade pela educação infantil. Nesta época, as atenções do legislador criaram uma série de exigências, muito justas, que transformou o perfil destas instituições e, com estas mudanças, o volume de recursos necessário para mantê-las.

A antiga monitora, que na verdade trabalhava mais como cuidadora que como educadora, passou a ser substituída por educadoras com formação em nível de ensino médio, o que alterou substantivamente os custos da folha de pagamento, principal despesa deste tipo de organização.

As instituições espíritas passaram a aceitar o estabelecimento de convênios com as prefeituras, para cobrirem as despesas adicionais que começaram a surgir.

Algumas prefeituras, por sua vez viram nesta parceria uma forma de atender uma quantidade maior da população, destinar recursos para a área de educação e de reduzir despesas com pessoal, já que os empregados são contratados das instituições espíritas, e não são (s.m.j.) computados como servidores públicos (o que facilita o problema do limite de gastos com pagamento de servidores). Tudo isto, sem contar que em curto e médio prazos, as prefeituras não necessitam investir em aluguel ou construção de prédios.

Após a celebração de convênios, a política da prefeitura de Belo Horizonte tem sido exigir mudanças e adaptações aos espaços existentes, o que caiu em um espaço de arbitrariedades imensas, cometidas pelos fiscais, uma vez que o conjunto dos convenentes tem instalações muito diferentes entre si.

Não bastassem as arbitrariedades, a PBH (falo desta porque não tenho dados de outras), após a assinatura dos convênios deixa de ser parceira e age como se fosse dona da instituição: transforma problemas de comunicação em negligências (nas quais as socidades espíritas pagam a conta), baixa portarias e deliberações, sem negociação clara com seus parceiros, envia fiscais para verificar o cumprimento de suas decisões e não dá o devido suporte em áreas de sua responsabilidade, como é o caso da saúde.

A questão que originou esta publicação surgiu quando começamos a observar que a Prefeitura, ao celebrar convênios com instituições espíritas, passou a exigir que estas abrissem mão de práticas espíritas oferecidas à comunidade. Em uma das instituições tentou-se proibir o passe aplicado nas crianças, por entender que se trata de prática religiosa, e alegando o princípio da laicidade do ensino.

O órgão público tem razão, quando alerta que uma prática religiosa não pode ser imposta a crianças ou famílias que não a aceitem, em um espaço aberto à população em geral, contudo, em meu entendimento, não tem poder para proibir a prática de passes para quem o desejar receber em uma instituição que por força de convênio presta serviço de cunho social mas continua sendo espírita.

Os convênios, com o passar do tempo, tornam-se um problema para a manutenção das creches. As sociedades espíritas passam a depender dele, e evitam confrontação com o município, por medo de não conseguir manter financeiramente as despesas com as creches. Chegará um tempo em que o poder público irá adotar uma política de desapropriação das creches espíritas? Viveremos no Brasil situação semelhante à que enfrentaram nossos irmãos portugueses e espanhóis na triste época da ditadura em seus países? Espero que não.

Este relacionamento precisa ser revisto e cabe ao movimento promover uma discussão com especialistas na área de direito público para orientar as instituições como celebrar parcerias que não exijam das sociedades espíritas abrirem mão de sua identidade essencial, identidade esta que motivou os associados a se unirem para tentar colaborar na solução de uma chaga social que estava aberta em uma época na qual o poder público não tinha olhos de ver a necessidade do ensino pré-escolar para as populações de baixa renda.