Mostrando postagens com marcador Marcel Souto Maior. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Marcel Souto Maior. Mostrar todas as postagens

7.11.13

O KARDEC DE MARCEL



Marcel Souto Maior publicou há pouco uma biografia de Allan Kardec, e acabo de ler. No movimento espírita há muitos trabalhos biográficos sobre o pesquisador que desenvolveu a doutrina espírita, em uma época com muita experimentação e curiosidade, e pouca predisposição ao estudo, especialmente na Europa.

O trabalho de Marcel é diferente, por exemplo, da minuciosa biografia de Zêus Wantuil e outros, que dá luz a informações de pesquisa e focaliza questões polêmicas no movimento espírita.

“Kardec, a biografia”, publicado pela editora Record, tem algumas características distintivas. Foi escrito por um autor que não crê, nem descrê no Espiritismo, o que aparece nas entrelinhas do texto. Como Kardec não é visto como herói, nem como ingênuo ou mau caráter, ele o humaniza ao máximo. Humaniza ao ponto de imaginar reações que ele teria ante os muitos eventos que o atropelaram ao longo de sua “segunda vida”, a vida espírita.

Há muito fôlego na pesquisa do livro, que não se reduz à pessoa de Kardec, mas a sua época e às pessoas que o cercaram. Marcel faz algo que o movimento espírita deveria ter feito há muito: pesquisa na Revista Espírita os principais acontecimentos envolvendo, Gaby, os médiuns da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, os críticos e perseguidores, o ambiente social da França, compondo um quadro delicioso de se acompanhar.

O livro, com muitos capítulos curtos (três ou quatro páginas apenas), ganha um tom de roteiro ou de pré-roteiro, o que talvez venha a acontecer, considerando os comentários na introdução que reportam a uma encomenda de Wagner de Assis, diretor de Nosso Lar, se a memória não me engana.

Não entendi a fixação de Marcel com a questão financeira. Ele repete diversas vezes a frase de Kardec, quando responde à acusação leviana de ter ganhado milhões com o espiritismo. Ele explica que não é verdade, mas aceita que recebe dinheiro da venda da Revista Espírita e dos livros que ele escreveu, mas que entende como sendo trabalho dele próprio, e que parece ser dedicado aos projetos ligados à construção institucional do Espiritismo. Marcel repete mais de uma vez a frase “Ninguém tem nada com isso”, que é empregada pelo codificador quando se refere ao dinheiro auferido com seu próprio trabalho. Achei que Marcel se deteria mais, ao final do livro, na trajetória do patrimônio deixado por Kardec , mas ele fica apenas no relato do que se adquiriu, na comissão central do espiritismo e na gestão de Gabrielle Boudet após a desencarnação do marido.

Algumas pessoas tiveram uma participação apagada no livro, como é o caso de Camille Flammarion e Victorien Sardou. Alexandre Delanne aparece apenas como o homem  que socorreu Kardec no momento da desencarnação. Nenhuma citação a Léon Denis. Assim, os que deram continuidade ao movimento espírita francês ficam apagados na biografia de Kardec, “mas eu não devo ter nada com isso”.


Recomendo a leitura do livro, que, por sinal, é muito prazerosa. Marcel usa suas habilidades de roteirista e praticamente prende o leitor ao texto. Como grande parte dos episódios são pouco divulgados nas palestras sobre Kardec que assistimos no movimento espírita, penso que o leitor terá aquela impressão de aventura, de estar entrando em um mundo novo e pouco conhecido. Quanto às opiniões discretas que são depreendidas da narrativa, penso que vale a frase de Leopoldo Machado: “Julga, leitor, por ti mesmo.”