Mostrando postagens com marcador Espiritismo Brasileiro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Espiritismo Brasileiro. Mostrar todas as postagens

20.4.12

NASCE O "LEITURA ESPÍRITA"



O Instituto Lachâtre é uma instituição sem fins lucrativos sediada em Bragança Paulista - SP. Em abril, ele iniciou mais uma de suas atividades, o jornal Leitura Espírita.

O número 00 traz diversos artigos, ligados a temas interessantes e curiosos, inclusive um de quem agora escreve a você.

A jornalista Rita Folker prometeu em sua página do facebook um exemplar para quem curtir o jornal, acho que no endereço abaixo:

 http://www.facebook.com/pages/Instituto-Lach%C3%A2tre/197544110317565.

Em breve, este selo irá publicar um livro mediúnico do espírito Conselheiro. São contos psicológicos ambientados no universo espírita, intitulado: Casos e descasos na casa espírita. Fiquem de olho. 

10.12.11

GUARACI ENTREVISTOU-ME PARA A REVISTA O CONSOLADOR.





Foto na entrevista com a TV Minas Educativa em 2010

Atualidade, trabalho, espiritismo e movimento foram temas propostos por Guaraci Lima Silveira, de Juiz de Fora, para a revista digital "O Consolador". Prestigie e comente!

13.1.11

NOVA AURORA COMEMORA 60 ANOS DA FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO PIAUÍ


A Federação Espírita do Piauí publicou a revista Nova Aurora, em comemoração aos seus 60 anos de existência.
Sílvio Ricardo, Raul Sérgio Aragão Ventura e Rosa Maria Araújo publicaram trabalhos no corpo da revista que recuperam a história do movimento espírita do Piauí e da sua federativa.
O movimento espírita do Piauí remonta ao final do século XIX e início do século XX, com a formação de grupos mediúnicos familiares, seguido de grupos de estudos e da institucionalização de sociedades espíritas. No texto vê-se que o nascimento do Espiritismo no Piauí dá-se com a colaboração da maçonaria (o Centro Espírita Perseverança no Bem, da cidade de Parnaíba, funcionou na Loja Maçônica Fraternidade Parnaibana).
O movimento federativo teve seu início com a visita da Caravana da Fraternidade, grupo enviado pela Federação Espírita Brasileira após a criação do Conselho Federativo Nacional (Pacto Áureo) para fundar e agregar federativas estaduais nas regiões norte e nordeste.
Um dos artigos mostra a trajetória e o trabalho da Federativa Piauiense, outro aponta eventos importantes para o Espiritismo neste estado e são destacados alguns dos pioneiros.
A revista comemorativa pode ser adquirida na livraria da Federação Espírita do Piauí. Pedidos por telefone (086) 3221-2500 ou por e-mail fepi@fepiaui.org.br.

27.10.10

ESPIRITISMO EM FRANCA - SP

Estas fotos são de uma mesma instituição espírita em Franca-SP. Leitor, que tipo de instituição é esta? (use o espaço de comentários para sua sugestão).

Figura 1: Ruas do bosque.



Figura 2: Um jardim
Figura 3: Identificação de uma árvore de Pau-Brasil

Figura 4: Bosque do Beija Flor (placa)

Figura 5: Quadra de Bocha


Figura 6: Horta

Figura 7: Entrada da instituição com prêmios concedidos

Figura 8: Reunião e Passe

Figura 9: Fachada do Centro Espírita

28.2.10

ANTROPOLOGIA DA IMAGINAÇÃO





Finalmente consegui adquirir a tradução em língua portuguesa do clássico da antropologia francesa sobre o Espiritismo: A Mesa, o Livro e os Espíritos: Gênese, Evolução e Atualidade do Movimento Social Espírita entre França e Brasil, escrito por Marion Aubrée e François Laplantine.

O projeto é imensamente ambicioso, porque, além do estudo de campo, há uma intenção de comparar a trajetória histórica dos movimentos francês e brasileiro.

Sempre achei interessante o conceito de etnocentrismo. O olhar e a escuta dos pesquisadores franceses privilegiam no Brasil os aspectos que eles consideram míticos do Espiritismo. Da mesma forma que dizem que construímos uma representação social dos franceses como pessoas sofisticadas, os pesquisadores não conseguem evitar aquela representação de “carnaval, futebol e pobreza”, que a mídia construiu no imaginário internacional. Como não há conexão entre Espiritismo e futebol, ficou o carnaval e a pobreza. Já me explico.

Minha experiência pessoal com professores franceses, é de uma relação vertical com os professores brasileiros. Talvez estejam acostumados a recebê-los como alunos do lado de lá do Atlântico e generalizem indevidamente... A exceção que posso registrar foi a professora Helena Hirata. Supervalorizam o olhar estrangeiro sobre o Brasil, e nunca tive notícias de comentários sobre um olhar brasileiro sobre a França

Para que esta matéria não fique grande, vou tratar diversos pontos curiosos do livro em outras matérias. Escolhi o Pacto Áureo como primeiro ponto. Eles articulam o pacto áureo à Umbanda. Ele seria uma espécie de recomposição do movimento espírita, frente à ameaça da Umbanda, uma prática mais nacionalista, porque incorporava elementos dos cultos afro e indígenas (não há menção ao sincretismo católico, tão exaustivamente descrito por Deolindo Amorim e outros autores).

De fato, existia uma preocupação à época com os sincretismos, o que envolve as doutrinas orientalistas e o próprio catolicismo. O livro O Espiritismo e as Doutrinas Espiritualistas é uma das respostas do movimento a esta tendência sincretizante, que deve ter se expandido após a ditadura Vargas, que proibiu e controlou não apenas as manifestações espíritas, mas todos os espaços de assembléias que pudessem significar alguma resistência ao regime.

Contudo, o Pacto Áureo nos soa como uma recomposição interna do movimento. Havia estados com duas ou mais organizações com papel de federativa, como era o caso de São Paulo e Rio de Janeiro, uma organização que congregava intelectuais do Rio de Janeiro, São Paulo e possivelmente outros estados, que era a Liga Espírita do Brasil.Estas instituições disputavam entre si, dividindo o movimento.

Foi em um evento da Liga Espírita do Brasil, por sinal um evento internacional, que se tentou acertar um acordo nos bastidores, aproveitando a presença de lideranças importantes do eixo sul-sudeste. Delineada em seus princípios, uma comissão foi formada e iniciou diálogo com a presidência da Federação Espírita Brasileira, preservando a FEB, mas criando um Conselho Federativo Nacional, representativo das federativas estaduais.

Decidiu-se um critério para evitar criar um órgão com mais de uma representação estadual, o que foi uma ação claramente contra a divisão que existia em um movimento que, longe de estar frágil como parece entender Aubrée e Laplantine, enfrentou uma ditadura e manteve-se com um número substantivo de sociedades e federativas espíritas.

A primeira ação do Pacto Áureo foi a Caravana da Fraternidade, que tendo por interlocutor Leopoldo Machado e por financiador Lins de Vasconcelos, um dos mais hábeis articuladores do pacto, viajou pelo norte-nordeste em busca de uma adesão nacional.

Não houve campanhas institucionais contra a Umbanda, especificamente. Desde a mais tenra idade, vejo um esforço contra o sincretismo em geral pelo movimento espírita.

Aubrée e Laplantine dizem que as federações “resolveram criar uma ‘Grande Conferência Espírita’ para criar o Conselho Federativo Nacional”. Dizem também que, ao término da conferência que reuniu “os presidentes de todas as federações de estado, que defendiam a orientação kardecista, foi assinado o ‘Pacto Áureo’ que consagrava a aliança indefectível de todas as instituições que o assinavam, fossem subordinadas à FEB ou fossem autônomas, como, entre outras a FEESP...” (p. 198-199)

Nada mais estranho aos trabalhos que li que esta análise. O CFN é um órgão sediado na FEB, autônomo e, apesar da falta de autonomia financeira, não é subordinado a ela. Não houve participação de todas as federativas “de orientação kardecista”, como mostrei acima, e não há tanta centralidade da ameaça umbandista por detrás do Pacto Áureo.

O mais curioso é que sobram documentos e livros sobre o mesmo. Escritos até por pessoas que votaram em suas federativas contra o pacto, como é o caso de Memórias e Reminiscências Espíritas, de Deolindo Amorim, e dos inúmeros livros escritos por Leopoldo Machado, documentando suas viagens em detalhes. Ney Lobo publicou um trabalho sobre Lins de Vasconcellos detalhado e com reprodução de inúmeros documentos.

Minha impressão pessoal é que Aubrée e Laplantine preencheram os espaços em branco abertos pela ambição do projeto e pela falta de tempo e acesso a informações importantes com hipóteses imaginativas. Esta impressão se repete ao longo da leitura da tese. Como lhes falta interlocução, as fragilidades permaneceram. Houve também um privilégio aos autores acadêmicos que produzem sobre o Espiritismo, o que é muito curioso, porque os autores estrangeiros fazem análises etnocêntricas e nem sempre bem justificadas. Mais recentemente antropólogos brasileiros têm desconstruído pontos mais polêmicos.

Nada disto foi visto pelos colegas franceses, que ficaram mais impressionados com as supostas comunicações de médiuns e com o que teria caráter mítico (o papel da espiritualidade na história, na obra de Chico Xavier, a psicopictografia de quadros de pintores impressionistas, por exemplo, que é vista como um realismo fantástico pelos autores europeus), como se viessem ao Brasil assistir a um desfile de carnaval...

Em um próximo trabalho tratarei da questão da pobreza para os franceses e da ação social espírita.
(Agradeço ao Prof. Alexandre Caroli as sugestões ao texto e a atenção com que o recebeu.)

15.2.10

MAIS UMA DISSERTAÇÃO COM TEMÁTICA ESPÍRITA


O mestrando Yuri Elias Gaspar defende sua disertação de mestrado orientada pelo Prof. Dr. Miguel Mahfoud no dia 22 de fevereiro de 2010, na Universidade Federal de Minas Gerais.
O Dr. Miguel tem publicado e orientado trabalhos, geralmente com base metodológica da Fenomenologia, de temas ligados ao senso religioso e Psicologia.
Diferentemente do empirismo formal, a Fenomenologia privilegia o diálogo e a construção do sentido pelas pessoas pesquisadas, o que situa o pesquisador em uma esfera intersubjetiva.
Não tenho ainda maiores informações sobre o trabalho de Yuri, mas conheço a seriedade que ele dedica aos seus trabalhos, portanto, será recomendo a participação dos interessados, uma vez que as defesas são abertas ao público.

29.9.08

Espiritismo e Universidade: Chico Xavier e a Antropologia


Bernardo Lewgoy publicou na Revista de Antropologia da USP o artigo "Chico Xavier e a Cultura Brasileira". Neste trabalho ele faz o seguinte destaque:

"O ponto mais importante na consideração do lugar de Chico Xavier na cultura e na religiosidade do Brasil do século XX reside na peculiar combinação que este realiza, através de sua biografia, entre o espiritismo kardecista com um catolicismo familiar e popular bastante tradicional." (LEWGOY, 2001, p. 62)

Lewgoy descreve com detalhes uma grande quantidade de pontos na obra de Chico Xavier que a aproxima ao catolicismo. Seu trabalho é bem fundamentado, contudo, ele supervaloriza o racionalismo em Kardec, esquecendo-se de textos importantes do codificador, como por exemplo o final de "O Evangelho Segundo o Espiritismo" (com o título como "A Prece Segundo o Espiritismo"), no qual o codificador defende idéias cristãs, ponto de contato entre o Catolicismo e o Espiritismo, como na passagem abaixo:

"Além do anjo guardião, que sempre é um Espírito superior, temos os Espíritos protetores que, embora menos elevados, são igualmente bons e generosos. Eles são, geralmente, parentes, amigos ou quaisquer pessoas que não conhecemos em nossa existência atual. Eles nos ajudam pelos seus conselhos, e muitas vezes intervindo nos atos de nossa vida."

No 4º ENLIHPE, a historiadora Míriam Hermeto apresentou um folheto de inauguração de um Centro Espírita de Belo Horizonte, que teve a presença de Chico Xavier. Na capa encontra-se impresso "Comemoração do Dia dos Mortos", e no seu interior uma mensagem de Emmanuel desconstruindo as prática então vigentes de comportamento nesta data, sob o argumento de que não há morte.
Penso que grande parte das passagens que Lewgoy utiliza para mostrar um sincretismo católico, são desdobramentos ou referências diretas ao pensamento kardequiano. Gostaria de, respeitosamente, remetê-lo ao capítulo 7 da minha tese no qual defendo um ponto de vista diferente do apresentado por ele.

Outra questão a ser levantada, que corrobora a tese da existência de algum sincretismo entre o Espiritismo Brasileiro e o Catolicismo vigente, espécie de "zeitgeist" de nossa cultura, são os textos de Telles de Menezes, no qual ele afirma não ver diferenças importantes entre o Espiritismo de Kardec e a Doutrina Católica e defende idéias como a da ressurreição dos corpos. Esta posição seria criticada elegantemente por Desliens (informação de Jorge Damas), ex-secretário de Kardec, na Revue Spirite.

Sugiro a Lewgoy direcionar seus para uma perspectiva histórica e que considere a ótica oposta em uma releitura da obra de Chico Xavier. É bem possível que se venha a chegar à conclusão de que, mesmo mantendo práticas católicas, grande parte da obra de Chico Xavier desconstrói práticas sociais e idéias católicas vigentes não apenas no meio espírita, mas em grande parte da sociedade brasileira.

Referência: LEWGOY, Bernardo. Chico Xavier e a cultura brasileira, Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v. 44, n. 1, p. 53-116, 2001.

26.7.08

Do You Know Bezerra de Menezes?




Film about Bezerra de Menezes debuts in August.

On August’s last days, it debuts a film about Bezerra de Menezes’ life. Try to watch it in its first days of presentation, in order to increase its time of exhibit.
The film seems to be good, both in photography and in interpretation. A bit of spiritist brazility in movies!
Watch its trailer in:
http://www.bezerrademenezesofilme.com.br/index.php

Première du film sur Bezerra de Menezes en Août.

La première du film sur la vie de Bezerra de Menezes aura lieu à la fin Août.. Regardez-le pendant les premièrs jours d’exhibition, afin de la prolonger.
Le film promet des bonnes performances en photographie et en interprétation. Un peu de brésilité spirite aux cinés !

Regardez le trailer en :
http://www.bezerrademenezesofilme.com.br/index.php


Filme sobre Bezerra de Menezes estréia em agosto.

O filme sobre a vida de Bezerra de Menezes estréia no final de agosto. Procure assistir na primeira semana de exibição, para que ele tenha vida longa nas telonas.
O filme promete, tanto em fotografia quanto em interpretação. Um pouco de brasilidade espírita nos cinemas.
Veja o trailer em:
http://www.bezerrademenezesofilme.com.br/index.php


Traduções para o inglês e o francês: Vanilson Couto

12.6.08

Coletânea de Estudos Espíritas



No período de 1993 a 2000 mantivemos na Associação Espírita Célia Xavier um grupo de estudos com a finalidade de aprofundar temas espíritas de interesse geral. Uma das finalidades do grupo era a redação dos melhores trabalhos e sua posterior publicação.


Neste período "publicamos" três títulos: "Doutrina Espírita, Cristianismo e História" (1996), "Coletânea de Estudos Espíritas" (1997) e "O Transe Mediúnico e Outros Estudos" (1999).


O "Coletânea" foi impresso em off set e foram feitos 1000 exemplares.


Ele está dividido em três partes. Na primeira, que são ensaios biográficos, duas personalidades espíritas são tratadas: Léon Denis e Gabriel Delanne. O texto de Delanne acabou de ser republicado por O Consolador em três línguas. http://www.oconsolador.com.br/ano2/60/principal.html


Na segunda parte, trata-se de mediunidade e passes. Há um estudo histórico da prática de passes, um trabalho sintético explicando o que são e como se fazem passes, um estudo que também ficou bastante divulgado pelo GEAE (Grupo de Estudos Avançados Espírita) que faz uma revisão dos trabalhos mediúnicos e de autores encarnados sobre a Psicografia e um artigo comunicado no IV Encontro Nacional Espírita de Saúde Mental, rediscutindo o famoso caso SW, no qual Jung estuda a mediunidade de sua prima (oculta sob o nome SW) e a diagnostica como histérica.


A terceira parte do livro contém um trabalho polêmico, no qual se discute a interpretação dos evangelhos no meio espírita, estabelecendo um diálogo que vai de Kardec a Emmanuel e que se focaliza em reflexões sobre uma hermenêutica espírita. Outro texto interessante é um olhar médico-espírita sobre a questão da homossexualidade, que apresenta uma brevíssima revisão histórica, a apresentação das posições de diferentes ramos da medicina e faz uma revisão dos comentários dos espíritos acerca do tema.


Ainda na terceira parte há um trabalho originalíssimo. Rodrigo José escreveu sobre os Contos de Fadas na Evangelização Infantil. Na verdade, o autor se deteve sobre o mito e as estórias e seu impacto sobre a psique. Ele dá algumas dicas importantes para os evangelizadores sobre o uso de estórias nas aulas de evangelização.


Finalizando, há um estudo curiosíssimo, uma metáfora física, no qual se compara a evolução do espírito à vida das estrelas.


A edição do livro está no final. Há apenas uma centena de exemplares para serem vendidos pela Associação Espírita Célia Xavier (que os editou) pelo valor de R$10,00 (dez reais). A impressão foi econômica e não houve preocupação em se estabelecer uma distribuição do mesmo.

Ficha:

Coletânea de Estudos Espíritas

Autores: Débora Z. Vitorino, Deyler S. Paiva, Jáder Sampaio, Rodrigo José e Tatiana Jacomini.

Formato: 15 x 21 cm

120 páginas

Ano de Publicação: 1997

Se você se interessa, escreva ou telefone para:


Associação Espírita Célia Xavier.

Rua Coronel Pedro Jorge 314 - Prado CEP 31.010-200 Belo Horizonte - MG

Telefones: 031 - 3334-5787


26.4.08

Fogo de Palha

Foto 1: Raul Teixeira, autografando em 2005
Na adolescência tive a oportunidade de conhecer pessoalmente muitos dos expositores espíritas que hoje ampliaram seu trabalho para além das fronteiras do nosso país.

O Prof. Raul Teixeira sempre foi um dos mais disponíveis aos jovens. Suas vindas anuais ou semestrais a Belo Horizonte eram organizadas por Marlene Assis, que preparava um calendário no interior de Minas Gerais.

Via de regra a mocidade se organizava para assistir as diversas palestras em caravana. Desta forma, a admiração que tínhamos pelo trabalho do médium fluminense foi se transformando em uma grande rede de amizades no meio espírita. Fomos muitas vezes ao oeste de Minas Gerais, participar das CEOMGs (Confraternizações Espíritas do Oeste de Minas Gerais) e o encontramos também no norte-nordeste de Minas e na Zona da Mata.

Raul e Marlene promoveram mais de uma vez o encontro entre mocidades e jovens espíritas fluminenses e mineiros. Muitas vezes fui acolhido com hospitalidade e alegria por jovens de Niterói, alguns já desencarnados, cujas lembranças teimam em alegrar a alma.

Um dos trabalhos incansáveis de Raul era responder às cartas que lhe escrevíamos. Ele sempre separava algum tempo para escrever um cartão, enviar uma mensagem de incentivo, deixar um parágrafo de orientação ou apenas mandar notícias de onde esteve e o que fazia pelo Espiritismo.

Em uma das primeiras cartinhas que ele me escreveu, após ter-me conhecido nas atividades da Associação Espírita Célia Xavier, ele utilizou uma expressão curiosa. Experiente, vendo o entusiasmo com que tratávamos do Espiritismo, ele recomendava que o que sentíamos e fazíamos não se transformasse em "fogo de palha". Ele tinha razão. O entusiasmo nos leva a assumir inúmeros compromissos após o quê não se consegue dar continuidade.

Passaram-se os anos, o conselho permaneceu na memória, além de estar escrito em algum papel, perdido na minha pequena biblioteca, mas é bom o suficiente para ser repassado para as novas gerações de espíritas.


11.3.08

QUAIS FORAM AS CONCLUSÕES DO CONGRESSO DE MOCIDADES ESPÍRITAS DE 1948?

Foto 1: Plenária do 1o. Congresso de Mocidades Espíritas do Brasil realizado no Rio de Janeiro em 1948. Lins de Vasconcellos encontra-se de pé, ao microfone. Fonte: Anuário Histórico Espírita. Eduardo Carvalho Monteiro, Editora Madras/USE-SP, 2003. p. 25.


Muitos jovens no Brasil sabem que foi realizado o Congresso de Mocidades Espíritas em 1948, organizado por Leopoldo Machado. Sabe-se também que houve a participação de jovens de todo o Brasil. Clóvis Ramos estima que havia mais de 200 mocidades espíritas atuantes no Brasil àquela época. Hoje, a grande maioria dos Centros Espíritas se preocupa em manter um grupo de jovens.
Quais foram, contudo, as decisões desse congresso? Que ações ele desencadeou no movimento espírita brasileiro?

1. Criou um conselho consultivo para as mocidades no Brasil, composto de 15 membros entre jovens e adultos, que foram eleitos no congresso.
2. Adotou um programa padrão para as Mocidades, proposto por Leopoldo Machado, a ser adotado pelas Mocidades que não tinham programação de estudos.
3. Recomendou não utilizar o nome juventude, e sim, mocidade, para que não houvesse confusão com os movimentos político-partidários da época.
4. Incentivou os jovens a engajarem-se em campanha nos centros espíritas para que os espíritas encaminhassem seus filhos à evangelização infantil (então chamada de aulas de moral cristã na infância).
5. Recomendou o uso de uniformes ou distintivos a serem usados nas reuniões solenes e festivas.
6. Para que a mocidade pudesse realizar eventos e trazer expositores, além dos gastos usuais, recomendou a criação de um quadro de sócios e realização de festivais de arte espiritualista com venda de ingressos para a formação de uma espécie de fundo.
7. As mocidades deveriam apoiar o Esperanto, ministrando cursos em suas sedes para os interessados.
8. Recomendou a fundação de um Diário Informativo, com seções de cunho moral e propaganda do Espiritismo sob o seu tríplice aspecto. Este órgão seria de âmbito nacional.
9. Sugeriu-se a criação de colônias de férias, preferencialmente junto aos lugares de assistência social, para recreio dos confrades, com renda revertida para as atividades assistenciais.
10. Adotou a Canção da Alegria Cristã (Leopoldo Machado e Oli de Castro) como hino da mocidade espírita do Brasil.
11. Recomendou a realização de música, teatro, declamação e canto em reuniões e festas sociais (e não nas reuniões de estudo), sempre com finalidade educativo-doutrinárias.
12. Recomendou o tratamento menos cerimonioso e mais íntimo nas conferências e programas festivos em geral (o que na época era entendido como evitar Excelentíssimo Senhor, Vossa Excelência e Vossa Senhoria, por exemplo).

Clóvis Ramos explica que o conselho teve vida efêmera e com a Unificação (Pacto Áureo) adotou-se o termo Departamento das Juventudes da Federação Espírita...

9.3.08

Quem é Espírita no Brasil? (Português - Inglês)


Foto 1: Um dos Prédios da Federação Espírita Brasileira em Brasília

Photo 1: One of Brazilian Spiritist Federation Buildings



Há cerca de dez mil centros espíritas no Brasil de acordo com a FEB (Federação Espírita Brasileira, uma ONG espírita). Pessoas que se consideram espíritas somam aproximadamente 1,3 % da população brasileira, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, um órgão de governo). Isto significa que cerca de 2,2 milhões de pessoas se declaram espíritas no Brasil. Os espíritas são, em média, os religiosos mais instruídos no Brasil, (9,6 anos de estudo), mais instruídos que os que declaram não ter religião (5,7anos de estudo). http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/20122002censo.shtm
As espíritas têm menos filhos no Brasil (2,54) , se comparadas às de outras religiões, especialmente as pentecostais (3,84).
http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/26122003censofecundhtml.shtm
Outra informação importante sobre os espíritas: eles trabalham no movimento espírita de forma voluntária. A administração dos Centros Espíritas, de Reuniões e a prática em Reuniões Mediúnicas não envolve qualquer remuneração. Os espíritas se associam e pagam as despesas dos centros espíritas através de um sistema de mensalidades. Os associados contribuem com uma doação mensal , mas as pessoas não precisam se associar para participar das atividades de uma Sociedade Espírita. Três por cento das organizações registradas no Conselho Nacional de Assistência Social têm em sua razão social as palavras espírita ou kardecista. Giumbelli (1998) estudou 864 centros espíritas no Rio de Janeiro. 69% deles declarou ter objetivos assistenciais, mas 94% realizam de fato alguma atividade assistencial. Este estudo é parte de uma pesquisa organizada pela Johns Hopkins University - E.U.A. Além dos espíritos, os espíritas ajudam diferentes públicos, sem questionar qual é o seu credo religioso. Eles ajudam a crianças (84%), famílias (48%), idosos (37%), adolescentes (26%), gestantes (16%) e moradores de rua (13%) no Rio de Janeiro . Estes resultados são semelhantes aos de outros estados no Brasil, mas nós não temos estatísticas precisas que confirmem esta informação.

Extraído da tese de doutorado: "Voluntários: Um Estudo sobre a Motivação de Pessoas e a Cultura de uma Organização do Terceiro Setor", defendida na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, em 2004.
Dowload gratuito no endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-24052007-160054/


There are about ten thousand spiritist centers in Brazil according to FEB (Brazilian Spiritist Federation, an Spiritist Non-Governamental Organization - NGO). People who consider themselves spiritists are about 1.3% of Brazilian population, according IBGE (Brazilian Institute of Geography Statistics, an official organ). It means about 2.2 million of people who declares to be spiritist in Brazil.The spiritists in Brazil are the most educated religious in media (9.6 years of study in media), more educated than Brazilians who declares not to have religion (5.7 years). http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/20122002censo.shtm Spiritist Women have less children in Brazil (2.54) if compared with women from another religions, especially Pentecostal ones (3.84). http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/26122003censofecundhtml.shtm Another important information about Brazilian Spiritists: they work at the Spiritist Movement voluntarily. Administration of the centers, reunions and practice of mediumship doesn’t demand any remuneration. Spiritists associate themselves and pay the expenses of a spiritist center in a contribution system. Associates contribute with a mensal donation, but people don’t need to associate in order to participate in the activities of a Spiritist Center in Brazil. 3% from Organizations registered at National Council of Social Assistance (Conselho Nacional de Assistência Social) have in their designations the word spiritist or kardecist. Giumbelli (1998) studied 864 spiritist centers in Rio de Janeiro. About 69% declare to have assistencial objectives, but 94% have effectively any kind of service. This study is part of a world research organized by Johns Hopkins University – USA.Beyond spirits, spiritists help different people, without asking their religious credo. They assist children (84%), families (48%), aged people (37%), teenagers (26%), pregnants (16%) and homeless (13%) in Rio de Janeiro. These results are similar to another states in Brazil, but we don’t have precise statistics to confirm this information.

14.2.08

Espiritismo e Universidade: A FEB sob a Análise Antropológica



As Universidades têm se interessado pelo Espiritismo em diversos aspectos. Uma das abordagens mais produtivas tem sido a antropológica. Contam-se às dezenas os livros e teses escritas sobre o movimento espírita no Brasil e na França.

Um dos trabalhos mais comentados, agraciado com o Prêmio Arquivo Nacional de Pesquisa de 1995 foi a tese, depois publicada como livro com o seguinte título: "O Cuidado dos Mortos: Uma História da Condenação e Legitimação do Espiritismo." Foi escrita pelo professor Emerson Giumbelli, hoje na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Fui presenteado pelo Milton Piedade, a quem agradeço de coração, e depois tive contato pessoal com o autor na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais.

O livro é muito rico para ser apresentado por uma publicação de "blog". Giumbelli fez um estudo histórico e etnográfico buscando compreender a delimitação de fronteiras e identidades entre o Espiritismo, tendo por objeto a Federação Espírita Brasileira, no período entre 1890 e 1950, no Rio de Janeiro, e o conflito com outras instituições, como a policial, a jurídica e a medicina.

Deixo o leitor com o parágrafo de justificativa do autor:

"A impressão a que se chega depois de uma incursão pela literatura antropológica, sociológica e historiográfica dedicada ao Espiritismo é a de sua insuficiência diante de sua importância cultural, social e histórica do assunto em questão. Estatísticas oficiais e outras estimativas apontam a existência de 2 a 4 milhões de adeptos espíritas no Brasil, reunidos em torno de milhares de centros de culto, sem contabilizar os outros milhões de pessoas que, mesmo não se identificando como tal, frequentam suas práticas. Sabe-se também do grande número de iniciativas e instituições filantrópicas organizadas e conduzidas por espíritas, cujos benefícios, ainda pouco avaliados, atingem um contingente significativo de pessoas. Conhece-se o extraordinário volume de publicações espíritas - desde periódicos até as mais diversas obras doutrinárias - que inundam mesmo as mais desconhecidas livrarias e o imenso prestígio e carisma que detém personagens como o "médium" mineiro Chico Xavier, cuja fama ultrapassa as fronteiras nacionais." (GIUMBELLI, Emerson. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1977. 326 p.)



27.12.07

Recordando Yvonne

Há 41 anos, em junho de 1966, Yvonne do Amaral Pereira escreveu a introdução do livro que ela considerava ser o seu "canto do cisne". É uma pérola do Espiritismo brasileiro do século XX. Neste livro, declaradamente desgastada pelas enfermidades, Yvonne conta os bastidores da sua mediunidade, desde os primeiros dias da tenra infância.



Os espíritos povoam sua vida, as recordações das encarnações passadas a atormentam e a prática mediúnica a liberta dos negros impulsos que a atraem à morte.


Sua visão ampliada de mundo mostra uma vida paralela à nossa, interferindo com o cotidiano de seus conterrâneos e contemporâneos. Obsessores, espíritos sofredores, suicidas, mentores, amores do passado, espíritos amigos, escritores atormentados, todos compõem este mundo que os materialistas rotulariam de fantástico.


As dificuldades e as provas associadas à prática da mediunidade desfilam aos olhos do leitor interessado em conhecer mais sobre esta curiosa faculdade. Yvonne alterna sua história com explicações de base doutrinária, fazendo com que seu livro seja mais que um mero relato memorialista.

Yvonne conclui sua introdução com a seguinte prece, da qual transcrevo um trecho:


"... A chama imaculada que do Alto me mandaste, com a revelação dos pontos da tua Doutrina, a mim confiados para desenvolver e aplicar, eu ta devolvo, no fim da tarefa cumprida, pura e imaculada conforme a recebi: amei-a e respeitei-a sempre, não a adulterei com idéias pessoais porque me renovei com ela a fim de servi-la; não a conspurquei, dela me servindo para incentivo às próprias paixões, nem negligenciei no seu cultivo para benefício do próximo, porque todos os meus recursos pessoais utilizei na sua aplicação. Perdoa, no entanto, Senhor, se melhor não pude cumprir o dever sagrado de servi-la, transmitindo aos homens e aos Espíritos menos esclarecidos do que eu o bem que ela própria me concedeu"


Um momento especial do Espiritismo em nosso país que não deve ser esquecido pelos trabalhadores do nosso tempo.

11.11.07

Novo Blog em Inglês

Foto 1: Prédio Redondo da Federação Espírita Brasileira em Brasília
Fonte: Site da FEB

Foi criado o blog Spiritism Discussed (http://spiritismdiscussed.blogspot.com) na língua inglesa, um espaço novo de informações para os interessados no Espiritismo que dominam este idioma.]

Na sua primeira publicação ele traz informações estatísticas sobre os espíritas brasileiros e o movimento espírita. Parte destas informações foi retirada da tese "Voluntários: Um Estudo sobre a Motivação de Pessoas e a Cultura em uma Organização do Terceiro Setor", defendida na USP e que já ultrapassou os 500 downloads. Os interessados podem acessar este trabalho em pdf no endereço http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-24052007-160054/

23.10.07

Video Spirite Lança DVD Sobre Chico Xavier


A Versátil Home Vídeo lançou um documentário sobre Chico Xavier, gravado em 1983 e não divulgado nos meios de comunicação. Além do documentário, com o objetivo de preservar e divulgar a memória espírita, há diversos vídeos que foram inseridos como "extra" no conjunto de dois DVDs.
Como mineiro, emociona ver personagens de quem ouvimos falar ou com quem convivemos, na força da juventude ao redor do médium de Pedro Leopoldo: Rubens Romanelli, Martins Peralva, Dona Neném, Newton Boechat, Arnaldo Rocha, Badi Elias Cury, etc. As imagens do Colégio Precursor, que conheci na fase de decadência, são imponentes e explicam a importância que os espíritas de outras localidades deram à instituição.
Emocionei-me também com o discurso de Chico Xavier no Pacaembu, ao receber o título de Cidadão Honorário da Cidade de São Paulo. Apesar das compreensíveis falhas no vídeo, fruto de um armazenamento inadequado, as imagens e sons da voz rouca do médium brasileiro, vão marcando os presentes. Quanta erudição! Dados do nascimento da cidade vão surgindo em seu discurso, uma fala contra o absolutismo, que pode ser interpretada como uma alfinetada à ditadura militar, seguida da citação nominal das mulheres notáveis da cidade que não pára. Chico relembra sua amizade com Tarsila do Amaral, em um período no qual já pintava sobre cadeira de rodas. Espíritos e personalidades encarnadas se encadeiam na sua fala, que consolida a grande proposta do Espiritismo. Até mesmo o repórter que cobria o evento dá mostras de emoção no final do discurso, que revela a imensa capacidade intelectual do médium. Mão sobre o peito, olhar para o público que lotava o estádio, Chico fala sem nem uma página escrita nas mãos. O vídeo é uma fonte importante contra uma imagem social pejorativa que foi construída sobre a pessoa do médium mineiro.
O documentário em si é um pouco arrastado para os nossos dias, muitas entrevistas, algumas longas e sem muito conteúdo a acrescentar à biografia do médium, contudo, ressalto a intenção do diretor em resgatar o lado humano de Chico Xavier. Ele se detém nas pessoas que o circundavam, na cidade de Pedro Leopoldo, nas agruras da sua existência, dificuldades que hoje seriam consideradas criminosas e que o Chico enfrentou, num misto de tragédia e superação.
A visita de Pietro Ubaldi é curiosa e o olhar reticente do filósofo italiano, ao lado do entusiasmo explícito dos espíritas àquela época, estão abertos ao entendimento dos que se interessam pela obra de Ubaldi nos dias de hoje.
Recomendo que o leitor não espírita ou com pouco conhecimento sobre o movimento espírita mineiro, leia "As Vidas de Chico Xavier", de Marcel Souto Maior, "Chico Xavier: Uma Vida de Amor", de Ubiratan Machado e "Trinta Anos com Chico Xavier" de Clóvis Tavares, antes do vídeo.

10.10.07

Psiquiatras e Parapsicólogos Escrevem Sobre Espiritualidade

A conhecida Revista de Psiquiatria Clínica, da não menos conhecida Universidade de São Paulo publicou um número suplementar sobre Espiritualidade e Saúde Mental. A edição foi organizada pelo Dr. Alexander Moreira-Almeida, que conseguiu agrupar trabalhos de pesquisadores famosos nas áreas de psiquiatria e parapsicologia. Stanley Krippner, Carlos Alvarado, Harold Koenig, Bruce Greyson e Ian Stevenson são alguns dos convidados internacionais.

Há muito o que dizer sobre a revista, mas na impossibilidade de fazê-lo em um blog, deixo apenas a recomendação expressa aos interessados do artigo "Metade de uma Carreira com a Paranormalidade", no qual o Dr. Stevenson relata sua trajetória na pesquisa não apenas da reencarnação mas de diversos temas de conexão com a espiritualidade.

2.10.07

Visita ao Lar da Criança Emmanuel em São Bernardo

Manhã de sexta-feira. Graças à atenção simpática da Izabel, chegamos ao Lar da Criança Emmanuel em São Bernardo do Campo. É uma creche quase cinquentenária, que atende a quase 200 crianças da região. (Clique no título deste post e conheça mais sobre ela) Foi fundada no meio de uma mata fechada, fruto da doação de uma chácara.


Foto 1: Vista frontal do Centro Espírita Pátria do Evangelho, no complexo do Lar da Criança Emmanuel

Uma turminha brincava no parquinho da creche. Areia, aparelhos e monitoras atentas à energia que os pequenos gastavam, sem se importar com o clima ou o sol. Crianças bem vestidas, bem alimentadas, saudáveis, diferentes da imagem miserável que minha geração guarda na memória das crianças de creche popular de trinta/quarenta anos atrás.


Foto 2: Crianças brincando no parquinho


Passados alguns minutos e a câmara atraiu todas as crianças, que desejavam ser fotografadas e ver-se no visor. Egocentrismo da primeira infância, diria minha antiga mestra de Psicologia do Desenvolvimento, sinal de saúde mental e mais preocupação para as monitoras.


Foto 3: Crianças, Crianças e Crianças...


Além de brincar, comer. Uma cozinha quase industrial funciona sob as regras de higiene e cuidado, para repor as energias das pequenas e dos funcionários.

Foto 4: Funcionária antiga da creche, Tia Lolô (Leonor) trabalhando ativamente com as refeições

Em alguns minutos, as crianças estão em fila, servindo-se sob os olhares cuidadosos da funcionária. A seguir assentam-se nas muitas mesinhas, da sua altura, para almoçar.



Na hora do almoço a máquina fotográfica já não faz muito sucesso, mas ainda atrai as crianças da fila.


Foto 5: Crianças servindo seu prato.



Depois de comer, dormir. Um segundo andar repleto de crianças no horário da soneca, deitadas nos colchões à meia luz, nos fez andar nas pontas dos pés. Os sapatinhos guardados ao longo dos corredores, um do lado do outro, da mesma forma que as meias de Natal, esperando o presente de Papai Noel, encantam os visitantes. Nesta hora, nenhuma foto para não atrapalhar o sono...



Foto 6: Sapatinhos...

Apesar dos avanços, as paredes da creche guardam seus segredos. Histórias de falta, de tristeza, de medo, de violência, de abandono e desconfiança. Histórias mil, ocultas por detrás de algumas horas de infância por dia. Passados os anos e apesar das aparências, o Lar é um oásis para a infância que hoje habita a selva de asfalto e solidão da periferia dos grandes centros urbanos. Um local de refazimento em um curto, mas importante período da vida.



Foto 7: Afresco....


O Lar da Criança é realmente da criança. Móveis adequados, lavatórios à altura dos clientes, afrescos com temas infantis por todos os lados demarcam o território da infância. Visto a olhos rápidos, de viajante, o lar parece a materialização de uma oração psicografada por Chico Xavier há muitos anos, intitulada "Oração da Criança ao Homem". Deus e seus agentes no mundo os conservem.

6.9.07

Desencarna Martins Peralva


Foi sepultado às 14:00 horas do dia 05 de setembro de 2007, no cemitério Parque da Colina, o escritor espírita José Martins Peralva.

Muitas foram as vezes em que vi Peralva representando a União Espírita Mineira em eventos espíritas, mas algumas vezes, na intimidade, encontrava-o no consultório de meu pai, sempre gentil, sempre presenteando-o com trabalhos e livros, especialmente os então recém-publicados por Chico Xavier.

Ainda esta semana tive em mãos um trabalho autografado por ele, dado a papai após um evento no estado do Rio de Janeiro.

Os feitos, cargos e realizações, o leitor deste blog poderá acessar clicando o título, que o remeterá a uma biografia publicada pela União Espírita Mineira, com base em informações fornecidas por um de seus filhos, Basílio Peralva.

O que não se lê, foi a política de apoio à mediunidade e à pessoa de Chico Xavier, da qual União Espírita Mineira sempre foi defensora e que teve Martins Peralva como seu articulador.

Em nossa casa, a Associação Espírita Célia Xavier, Peralva escreveu o livro Estudando a Mediunidade, publicada pela Federação Espírita Brasileira, na qual comenta e explica em linguagem direta e simples o conteúdo do livro "Nos Domínios da Mediunidade", de André Luiz.

2.9.07

Assista o Trailer do Filme de Bezerra de Menezes


Glauber Filho dirigiu um longa metragem sobre Bezerra de Menezes. Clique no título ou no link http://br.youtube.com/watch?v=NIsmtkniZx4 e assista o trailer no YouTube.
Orientado por Luciano Klein Filho, o filme promete. Leia um pouco sobre o projeto e o elenco no link http://www.bezerrademenezesofilme.com.br/.