Mostrando postagens com marcador Raul Teixeira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Raul Teixeira. Mostrar todas as postagens

11.4.20

O ESPIRITISMO NA ZONA RURAL FLUMINENSE

Foto: Fachada da Sociedade Espírita Fraternidade, em Niterói-RJ

Escrevo essas recordações para tornar público um ponto no tempo do movimento espírita. Alguns dos participantes ainda estão encarnados, outros já nos antecederam na grande viagem. A memória é uma fonte “traidora” e vai se esfumando com o tempo. Algumas coisas ficam bem marcadas, enquanto outras vão se apagando lentamente, até que quem recorda não tenha mais certeza do que realmente aconteceu.

No final dos anos 1970, início dos anos 1980, havia uma proximidade muito grande entre a Associação Espírita Célia Xavier-MG e a recém-nascida Sociedade Espírita Fraternidade, de Niterói-RJ. Raul Teixeira vinha pelo menos semestralmente a Belo Horizonte, fazer palestras, seminários e cursos com os espíritas do Célia Xavier, que geralmente eram abertos ao público. Ele também fazia viagens, por diversas cidades do interior mineiro, que acompanhávamos, de carro. Era um bom grupo e ficou um bom relacionamento dessas viagens.

Em um dos primeiros anos de funcionamento da Sociedade Espírita Fraternidade, fez-se uma coisa excepcional. Os jovens da mocidade da SEF vieram a Belo Horizonte acompanhar as nossas festividades do Natal. Fazíamos uma festa para a distribuição de cestas de alimentos, com um teatro e música para os acompanhantes que vinham buscar o farnel.

Já não me recordo bem se estávamos no Lar Espírita ou se ainda o fazíamos no antigo auditório da sede da AECX. O importante é que se estabeleceram laços entre os membros das mocidades. Eu já conhecia o Luiz Carlos Teixeira da Veiga, de outras palestras em que ele veio a BH com o Alexandre Rocha, mas me recordo que nesse evento ele namorava a Gilda. Luiz Carlos se formou posteriormente em Serviço Social, informação dada pelo Alexandre Rocha.

Os anos se passaram e fui ao Rio de Janeiro com meu amigo Ivan, que frequentava a mocidade AECX, se a memória não me trai. Eu geralmente ficava na casa de minha tia, em Manguinhos, mas fomos convidados a visitar o Luiz Carlos e a Gilda, que haviam se casado.

Foi um final de semana excepcional. Eles nos acolheram, levaram à praia no domingo de manhã, fomos à mocidade da Sociedade Espírita Fraternidade e para variar, falei bastante, porque quando mais jovem eu era tão falante quanto a Emília, personagem de Monteiro Lobato. Na casa deles, reencontrei com o amigo Alexandre Rocha, que iniciava a criação da editora Arte e Cultura, que hoje é a Lachâtre. Luiz Carlos me mostrou alguns livros espíritas e espiritualistas que pretendiam traduzir e publicar, clássicos em sua maioria. Ele me mostrou um dos livros de De Rochas, possivelmente “As Vidas Sucessivas”, e me mostrou um livro de Carl Reichenbach, sobre as forças ódicas, que creio que não foi traduzido e publicado até hoje.

Convivíamos e conversávamos muito. Fazíamos planos, projetos para o futuro. Quem diria que uma visita de final de semana pudesse influenciar o futuro? O terceiro membro do conselho editorial da Arte e Cultura era o Hermínio Miranda, que só viria a conhecer rapidamente alguns anos depois.

A história que gostaria de contar foi de um convite para assistir a uma palestra do Luiz Carlos na região dos lagos, em zona rural. Estávamos no Rio de Janeiro, gostávamos de espiritismo, então aceitamos com muito gosto o convite.

Se me recordo bem, foi um jovem pertencente à comunidade quem o convidou. Entramos na Brasília (marca de automóvel) que eles tinham e ganhamos estrada. Acho que Gilda dirigiu na ida, fomos pelo asfalto, depois entramos na estrada de terra, e chegamos a uma fazenda.

Foi uma experiência muito diferente. Os participantes da reunião chegavam de todos os lados, pelas trilhas abertas no meio dos pastos e mata. Um senhor, dirigente da reunião, nos acolheu com gentileza e alacridade. Ele se admirou do caderno universitário que eu carregava comigo, para anotar uma síntese das palestras. A frase foi algo assim:

- Puxa! Ele trouxe até um caderno para anotar!

Eu me senti um pouco deslocado, fora dos padrões locais, mas nunca me importei muito com isso. 

Começou a reunião, e com ela uma prece, e depois da prece uma leitura de uma lista de pessoas para serem atendidas pelos espíritos. Era uma espécie de irradiação, que pelo que entendi, fazia parte do trabalho público do grupo. Havia algumas dezenas de participantes. 

A leitura foi se estendendo, seu conteúdo faz parte da memória que se “esfumaçou”, mas o nome completo e o motivo da pessoa estar na lista era falado em voz alta. Passaram-se cinco, dez, vinte, trinta minutos, e a leitura continuava. Era uma prova de resistência espiritual, talvez um dos exercícios de disciplina espiritual de Inácio de Loyola. Todos acompanhando a leitura no mesmo tom. Acho que após quase uma hora de reunião, passaram a palavra ao expositor “que veio de longe”. O público (eu pelo menos) já estava bastante cansado com a leitura. O que Luiz Carlos iria fazer?

Ele foi sensato e fez bonito. Fez uma saudação, uma introdução rápida e contou a história “Há um século”, de Irmão X, psicografia de Chico Xavier. Luiz Carlos falava bem, envolvia seus ouvintes e dava um toque de emoção discreto ao que falava. Encerrou sua fala com vinte ou trinta minutos, e devolveu o público refeito da maratona de irradiações para o dirigente da reunião.

Despedimo-nos, acho que foi servido um lanche, em clima de fraternidade. Luiz Carlos tomou o volante e foi dirigindo, até que passou uma marcha e o câmbio travou. Estávamos no meio da estrada 
de terra, e não sabíamos o que fazer. 

Em uns quinze minutos, alguém havia avisado aos moradores da fazenda e surgiu uma Kombi. A van veio com uma corda mediana, que uniu a Brasília à Kombi. Os passageiros passamos para a Kombi e um motorista foi na Brasília, dirigindo. Enquanto estava plano, o arranjo funcionava. Quando entrávamos em uma subida mais inclinada, a corda se rompia. Então surgiu o plano B. Quando começava a subida, nós, homens, descíamos da Kombi e empurrávamos a Brasília para que a corda continuasse íntegra.

E foi assim até chegarmos a uma cidade próxima, se não me engano, Araruama. A Brasília ficou em uma oficina mecânica e terminamos de chegar em Niterói.

Rimos bastante, e a amizade foi se consolidando. Fiquei admirado com a disposição dos espíritas da fazenda para prestar socorro da forma possível. Tive uma experiência que nos mostra como o isolamento dos grupos espíritas faz com que sua prática fique muito singular, diferente mesmo do que é realizado nos outros centros espíritas. Daí a importância do intercâmbio, que muitas sociedades espíritas evitam, trabalhando isoladas e até se acreditando superiores, sem qualquer parâmetro de comparação.

Alguns anos depois o Luiz Carlos desencarnou. Nunca trocamos cartas, como o fazia com outros espíritas de então. Não fiquei sabendo. Em uma das vindas de Raul Teixeira, pedi notícias a um dos jovens que trabalhava na venda de livros sobre ele e sobre a Gilda. 

- Ele desencarnou! Me informou, lacônico e sem sensibilidade.

Creio que foi um tumor. E ele devorou a saúde de um jovem trabalhador espírita, de muito potencial. Saí de perto para ficar sozinho e recordar dele. Uma lágrima escorreu. Tomara que esteja bem no mundo espiritual, pelo bem que fez a muita gente durante sua curta estada na Terra.

13.5.19

UMA EXORTAÇÃO RECENTE DE RAUL TEIXEIRA AO ESTUDO





Muitos leitores do Espiritismo Comentado pedem notícias de Raul Teixeira. Ele tem uma história de dedicação em nossa casa e em muitos dos companheiros de outras casas que conhecemos acompanhando-o em suas viagens por Minas Gerais.

Raul sofreu um AVC (acidente vascular cerebral) em 2011, em um avião, durante uma viagem internacional. Tendo sofrido sequelas, Raul compreende o que lhe dizem, mas ficou um bom tempo sem conseguir expressar-se, em função das lesões que o AVC causaram no cérebro.

Como sempre foi uma pessoa com vontade pétrea, Raul iniciou sua recuperação e vem fazendo o tratamento possível, que envolve diversos profissionais da área de saúde, como fisioterapeutas e fonoaudiologistas, por exemplo.

Quem já o viu após o acidente, sabe como o progresso obtido foi grande, ao vê-lo e ouvi-lo nesse vídeo. Ele consegue expressar-se de forma a recordarmos do grande expositor, até mesmo com seu senso de humor.

Nos pouco mais de cinco minutos em que fala, Raul convida os presentes a estudar o espiritismo, como condição sine qua non para serem espíritas. Critica os que dizem não ter tempo para estudar o espiritismo, mas, de forma contraditória, ocupam posições de direção nas casas espíritas. Critica os "espíritas de oitiva", aqueles que baseiam sua análise na opinião de expositores, como "fulano falou" ou "beltrano disse". 

De fato, como julgar se a posição de um expositor é coerente ou não com o pensamento de Allan Kardec, se espelha os ensinamentos de Jesus, se ele não estuda seus livros? 

O estudo não se resume à leitura isolada em casa, pode ser realizado em grupo, nas reuniões mediúnicas, em grupos de estudo na casa espírita, até mesmo usando o recurso das mídias sociais, desde que o objetivo seja a ampliação dos nossos conhecimentos do espiritismo e a reflexão da nossa vida em família ou em outros grupos sociais.

Agradeço aos companheiros dar voz a quem sempre teve uma vida dedicada e coerente com a doutrina espírita.


28.3.18

CONHECENDO RAUL TEIXEIRA







Há alguns anos tenho me interessado por biografias de pessoas que deram sua contribuição ao espiritismo, como Allan Kardec, Amélie Grabrielle Boudet, Gabriel Delanne, Léon Denis, Camille Flammarion, Chico Xavier, Yvonne Pereira, Deolindo Amorim, Herculano Pires, Carlos Imbassahy, entre muitos outros.

Mais recentemente, escrevendo sobre nossas experiências na mediunidade, dei-me conta que tivemos contato direto com um médium e expositor muito atuante, sobre o qual não havia lido muita coisa escrita, mas com quem havia convivido ao longo de muitos anos.

Descobri, surpreso, que tinha um livro voltado ao relato e análise das experiências de Raul Teixeira na minha própria biblioteca, comprado para leitura posterior, mas esquecido na estante. Ele se intitula “Raul Teixeira, um homem no mundo: 40 anos de oratória espírita”, publicado pela editora Fráter em 2008, três anos antes do acidente vascular cerebral que o acometeu em um voo para os Estados Unidos e que deixou sequelas.

Conheci Raul no final dos anos 1970, quando ele expunha frequentemente na Associação Espírita Célia Xavier, e em casas espíritas das quais nos aproximamos em função dos trabalhos dele no interior de Minas Gerais.

O autor do livro, Cezar Braga Said, residente na baixada fluminense, mestre em educação, narra muitos episódios que conhecíamos do relato do próprio Raul, mas também alguns que não imaginávamos. Raul, como Yvonne, como Chico, como Elisabeth D’Esperance, Divaldo Franco e outros médiuns, apresentava percepções de espíritos desde a infância. Criado em contato com as instituições cristãs, conheceu uma mocidade espírita na juventude, mercê do convite de um amigo e de sua família.

Estudou o espiritismo com dedicação e mostrou de imediato suas habilidades com a exposição, o que fez com que recebesse cada vez mais convites de casas espíritas no Rio de Janeiro e fora dele.

Desde o final dos anos 1960, conheceu e ligou-se com médiuns bastante conhecidos, como Chico Xavier, Divaldo Franco e Yvonne Pereira. Said focalizou seus aprendizados com estes trabalhadores devotados da mediunidade e do espiritismo.

A mediunidade foi desenvolvida posteriormente, inicialmente por um espírito chamado Luiz, que reencarnou e depois com a orientação de Camilo, um espírito que teve experiências no passado em meio aos franciscanos, mas outras encarnações.

O livro de Said é facílimo de se ler. São episódios pontuais da vida de Raul, comentados com moderação. O livro se preocupa mais com as experiências formadoras e marcantes da vida do médium, que com a apresentação de datas e títulos. É uma biografia psicológica, que deixa o leitor na situação de quem está conversando com o médium ao lado de uma mesa de café com quitandas.

Li em dois dias cheios de outras atividades, com uma fluidez, em função da organização e linguagem de Said. O texto, talvez pela convivência com o médium, prende àqueles que conviveram com eles, porque é mais uma revivescência que um aprendizado.

Recomendo a leitura aos que não o conheceram pessoalmente, assim como a leitura das dezenas de livros que ele psicografou, voltados a questões da vivência do espiritismo e do espírita no mundo, como Cezar bem escolheu para o título.

Título: Raul Teixeira, um homem no mundo: 40 anos de oratória espírita

Autor: Cezar Braga Said

Editora: Fráter

191 páginas – ano 2008

16.5.17

ESTUDO SEM CONTEÚDO

Raul Teixeira, expositor e médium espírita


Uma de minhas grandes influências na formação como espírita foi o professor Raul Teixeira. Eu o conheci ainda na adolescência e pelo menos uma vez ao ano ele vinha em nossa casa. Físico, com um conhecimento amplo das obras de Kardec, dos clássicos, das obras complementares e de autores encarnados, como Carlos Imbassahy e Deolindo Amorim, que ele conheceu, Raul era um misto de orador e professor, sempre trazendo conteúdo com um raciocínio claro e direto.

Raul sempre exprimia, de forma clara, a posição doutrinária e a sua interpretação em suas exposições, e cobrava de nós a precisão do que falávamos. Certa vez ele perguntou quem era Andrew Jackson Davis ao público, e como ninguém respondesse, eu arrisquei:

- Médium norte-americano do século XIX, considerado o profeta da terceira revelação, autor de Penetrália e outros livros.

Ele anuiu, mas corrigiu:

- Terceira revelação fica por conta do Jáder, ele é considerado profeta da nova revelação.

Ele tinha razão. A ideia de três revelações está em Allan Kardec, e não era empregada (talvez por desconhecimento mesmo) pelos autores ligados ao espiritualismo moderno, de onde se origina Davis.

Ao contrário do que se pode pensar, suas exposições não eram excessivamente eruditas. Penso que ele se preocupava em falar para o grande público, embora sempre trouxesse alguma coisa nova, fruto de sua pesquisa pessoal, muitas vezes embaladas com sua grande capacidade narrativa.

Posteriormente estudei didática do ensino superior, com o professor Florêncio, da Universidade de Brasília, e ele nos explicou o método indutivo na educação, que é amplamente utilizado no movimento espírita, como uma espécie de provocação para que os alunos pensem e não percam a linha de raciocínio do professor, que apenas expõe. É algo que se deve fazer com critério, porque se pode consumir muito tempo, e sacrificar o conteúdo das aulas.

Sócrates usava deste recurso, pelo que lemos nos textos de seus discípulos, e o chamava de maiêutica, como comparação ao trabalho de sua mãe, que era parteira. Na maiêutica, acredita-se que os alunos conhecem a verdade (episteme), então o professor faz perguntas, geralmente criticando e apontando os pontos obscuros de sua argumentação, até que o aluno chegue à verdade (e não à sua verdade, como diz o Houaiss). Os gregos influenciados pelo pensamento socrático entendiam que mais que uma opinião (doxa), o conhecimento (episteme) deveria ser verdadeiro e justificado.

Sócrates se opunha aos sofistas, que ensinavam retórica, no sentido de ser capaz de convencer os outros de seu ponto de vista, sem se preocupar com a verdade, mas apenas com a imposição de seu ponto de vista. Isto está bem atual em nosso país. Os sofistas eram muito valorizados pelos pais que desejavam que os filhos fossem importantes, em uma sociedade na qual os cidadãos decidiam o que fazer na cidade (polis) de forma democrática.

Vimos acompanhando ao longo dos anos um uso indevido do método indutivo, nas casas espíritas, e, talvez nas mocidades espíritas. Não sei dizer se se deve a um uso indevido do construtivismo, no qual se valoriza a obtenção do conhecimento (episteme) pelos alunos, sem dependerem exclusivamente da exposição dos professores, e utilizando de sua capacidade de pesquisa e obtenção de informação, que está bastante multiplicada pelas novas mídias e tecnologias.

O abuso chegou ao ponto de um expositor apenas perguntar, inúmeras vezes, questões diferentes, sem nada concluir. O argumento que ouvi é que se deixa a cada um o trabalho de responder, subjetivamente, as questões que são levantadas. Sessenta ou noventa minutos, com dezenas de perguntas sem resposta. Na minha ótica, voltamos ao mundo da opinião (doxa) e abandonamos o conhecimento (episteme).

Quando penso em um programa de estudos todo baseado nesta forma de ensino-aprendizagem, preocupa-me que o pensamento de Kardec, por exemplo, que usava do recurso de perguntas e respostas para que um texto complexo se tornasse mais claro, se transforme em uma grande confusão, já que cada um conclui à sua maneira, sem as devidas informações.


Penso que os jovens devem realmente usar de diversas formas de ensino-aprendizado, até mesmo usando das artes e de outros recursos para que suas reuniões sejam mais agradáveis e prazerosas, mas sem abandonar sua finalidade principal, que é o acesso ao conhecimento espírita. 

8.4.17

A FORMAÇÃO DO EVANGELIZADOR OU EDUCADOR ESPÍRITA DA INFÂNCIA





Muitos colegas dos tempos de juventudes espíritas, agora com os cabelos grisalhos, estão escrevendo sobre suas experiências, vividas no movimento espírita, tentando repassá-las para as novas gerações e as direções de trabalhos.

Tive duas experiências importantes no passado: fui professor de desenvolvimento de recursos humanos e fui coordenador de evangelização infantil para crianças em situação de vulnerabilidade social, em uma unidade nossa próxima de muitas favelas da Belo Horizonte dos anos 80. Desde então, nossa casa tem um problema crônico de formação de pessoas para este tipo de tarefa, não sei dizer o quanto este problema atinge os demais centros espíritas.

Há uma discussão atual sobre o nome a ser dado. Evangelização sugere apenas o ensino do evangelho e tem um pé na prática eclesiástica, então o nome educação espírita parece bem mais amplo e adequado. Contudo, isto não significa abandonar o ensino dos Evangelhos e dos princípios que embasam fortemente a ética espírita. E também, penso que a mudança de nomes não é algo que deva se transformar em “cavalo de batalha”, porque já vi as pessoas discutindo para mudar palavras, sem qualquer preocupação com a alteração da prática. Kardec dizia que “para ideias novas, palavras novas”, então esta mudança deve ser o objeto central das nossas preocupações, e não discutir para usar termos novos para conceitos velhos.

Nossa questão neste texto, contudo, é: como preparar evangelizadores ou educadores espíritas para o exercício de sua prática?

Tenho visto a realização de cursos intensivos para a preparação deles. Contudo, é uma atividade bem complexa, que não se resume a um curso de final de semana. Eles trabalham com a educação de crianças em faixas etárias e condições socioeconômicas muito diferentes. Para formar um professor de educação infantil nas escolas em geral, é necessário o magistério ou a graduação em pedagogia. Nosso trabalho é voluntário e pontual, então não há como exigir esta formação dos interessados, mas é possível realizar uma série de ações complementares para o seu desenvolvimento na tarefa.

No Lar Espírita Esperança, em Belo Horizonte, implementamos nos anos 80 uma série de ações que visavam o desenvolvimento do corpo de educadores espíritas, que foram.

  1. O horário da atividade foi expandido. Evitamos que os voluntários chegassem “correndo”, na hora da aula e saíssem “voando” após a entrega dos alunos aos pais.
  2.  Reuníamos o grupo sessenta minutos antes, não apenas para uma prece e avisos gerais, mas para um pequeno estudo ligado à evangelização. Os temas eram teóricos ou práticos e variados. Podiam tratar de alguma aula bem sucedida, alguma questão psicológica no relacionamento professor-aluno, algum tema pedagógico. Era feito pelo coordenador, mas podia contar com a colaboração de algum convidado ou membro do grupo. Assim o grupo começava a se tornar o que os cientistas sociais chamam de “comunidade de prática”.
  3.  Os novos educadores não iniciavam sua prática em uma sala de aula fixa. No primeiro ano, eles ficavam por dois meses em cada sala de aula (tínhamos turmas divididas por faixas etárias), observando como os educadores planejavam suas aulas, como lidavam com as crianças, e colhiam experiência. Ao final dos dois meses, eles eram responsáveis por uma aula na turma em que "estagiavam". A cada quinze dias, os “estagiários” se reuniam com a coordenação para compartilhar suas experiências e seus problemas. Nesta conversa rápida de trinta minutos, ia ficando mais claro se eles se identificavam com o trabalho, quais suas preferências e suas dúvidas e demandas. Esta conversa poderia gerar temas para a reunião anterior às aulas.
  4. Como os voluntários tinham dificuldade em reunir-se durante a semana para planejar suas aulas, eles se reuniam no dia da tarefa, após a saída dos alunos, para preparar as próximas aulas. Trabalhavam em conjunto, podiam conversar sobre os alunos, seus acertos e erros, seus problemas em sala de aula. Com esta prática, os educadores mais experientes interagiam com os novatos e os “estagiários”. Tinham acesso a todo o material pedagógico (não era muito) disponível na unidade e podiam usar os recursos da mesma para preparar as aulas. Uma hora era mais que suficiente para esta fase do trabalho.
  5.  No meu primeiro ano como evangelizador, meus colegas mais experientes tinham por prática fazer os planos de aula. Eu aprendia a técnica com eles, e a usei muito depois, até mesmo na minha experiência como professor universitário. Da forma que era elaborado, o plano permitia a visualização do tema, dos conteúdos, das estratégias didático-pedagógicas a serem usados, da distribuição das atividades pelo tempo e de como avaliar sua apreensão pelas crianças.
  6.  Como registrávamos os planos em cadernos, eles passaram a ser usados como material de consulta por outros evangelizadores. Infelizmente eu os perdi nas muitas mudanças que fiz ao longo da vida. Por esta razão tenho publicado no Espiritismo Comentado as histórias de Antonina e de outros educadores, mesmo sabendo que ainda não conseguimos atingir o público-alvo: os educadores infantis de espiritismo.
  7. Oferecíamos um curso de curta duração para formação geral pelo menos uma vez por ano. Uma limitação era que visávamos apenas os jovens da casa. Hoje, neste tipo de iniciativa, há uma interação entre casas diferentes na capital de Belo Horizonte, e públicos diferentes, como os frequentadores de grupos de estudo, ESDE e até mesmo reuniões públicas.
  8. Na capital mineira, hoje, há eventos voltados para educadores experientes. Infelizmente, muitos deles não veem a necessidade de participar. É importante que a programação destes eventos deixe claro o que eles irão agregar à sua experiência, para que não reajam com o velho preconceito de que não irão aprender nada, que é “mais do mesmo”.
  9. Montamos grupos de estudo de voluntários para desenvolver material sobre diferentes estratégias de educação. Chamou-se Projeto Evangelizar. Um grupo preparou um trabalho sobre música nas aulas. Outro grupo trabalhou com fantoches, com teatro de sombras e com como preparar material de apoio pedagógico em geral. Um terceiro grupo preparou um trabalho sobre planejamento de ensino. Um quarto grupo ensinou sobre jogos e recreação... Já nem me lembro mais de quantos trabalhos foram feitos. Ao final da elaboração os membros do grupo apresentavam ao corpo de educadores da Associação Espírita Célia Xavier para que o conhecimento circulasse e atingisse seu objetivo.
  10. O Professor Raul Teixeira, de Niteroi – RJ, em sua pós-graduação teve contato com a “elaboração de objetivos de ensino”, de Mager e Pipe (e outros autores), e fez uma oficina com todos os que trabalhavam com educação (infância, juventude e adultos) em nossa casa espírita. Os autores mudavam o foco do planejamento do ensino para o planejamento da aprendizagem, e discutiam a articulação entre objetivos gerais (de planos) e objetivos específicos, técnicas de escrita de objetivos, entre outros.
  11. Observamos que a aprendizagem das crianças em geral, e principalmente das crianças em situação de vulnerabilidade social era baixa. Pensamos à época em fazer uma programação mais voltada à conexão entre o espiritismo e a vida infantil, que uma adaptação do roteiro de ensino do espiritismo para adultos.

Alguns dos voluntários desta época continuam na tarefa até hoje, levaram sua experiência para onde foram, para outras casas espíritas, para outras cidades... Creio que hoje há muito o que agregar à experiência de trinta anos atrás. Pedagogia de projetos, construtivismo, novos recursos com a revolução da informática, barateamento de publicações, surgimento de novas editoras espíritas, aumento da formação superior nos meios espíritas...


O mais importante é que a educação espírita infantil não seja um mero improviso, que não seja uma mera exposição ou um esquema padrão de aulas, que ela envolva as crianças e que crie laços entre elas e a casa espírita. Que se pense não em treinamento de educadores, mas no seu desenvolvimento continuado através de ações diversificadas e na construção e reconstrução do conhecimento não formal através das gerações. Não sei se nossa experiência é útil a outras casas, em outros lugares, mas sei que há muito o que ser feito e que precisa ser bem feito.

7.6.16

OS ESPÍRITAS AMAZONENSES E SUAS HISTÓRIAS DE AMOR CRISTÃO.








Estava navegando pela internet e esbarrei sem querer em uma preciosidade: os anais do II Simpósio da Fundação Allan Kardec. Depois descobri que há anais de três simpósios, disponíveis na página da FEAK, que funciona no Amazonas.

Ainda não terminei de ler, confesso que li meia dúzia de relatos, mas não é preciso ler muito para saber que tem qualidade. 

Uma das contribuições que estes anais nos dão, são os relatos de casos. Sempre achei que a mania de escrever manuais para uniformizar tarefas, em um país tão continental quanto o nosso, tem diversos problemas. Penso ser mais útil que as sociedades espíritas mostrem o que fazem, como e porque construíram sua prática. Assim, há um real repasse de experiência entre diferentes sociedades espíritas.

Os relatos que encontrei são pessoais, mas refletem as lutas, as dificuldades e os resultados encontrados em diferentes frentes de trabalho. 

Senti-me dentro do Rio Negro, acompanhando a trabalhadora que acorda às quatro e trinta da manhã para tomar o barco, navegar por três horas, subir na carroceria de um caminhão com seus colegas de tarefa (adultos e crianças) e chegar em um sítio na estrada para fazer palestra, passe e diálogos.

Vi-me nas imediações do Palácio do Comércio, em busca das crianças que, dizem, "cheiram cola", e acompanhei a tarefa de encontrá-las, dar-lhes alimento, compartilhar do medo, travestido de hostilidade, com que a população e os comerciantes locais as tratam. 

Emocionei-me com o menino que contou ter esfaqueado o padrasto, que violentava sua irmã menor, e saiu correndo, fugido de casa, com o projeto de voltar para vingá-la quando tivesse dezoito anos.

Lembrei-me do Lar Espírita Esperança quando li que a população de rua era acolhida no centro para um café da manhã, com um kit de higiene pessoal, guardado cuidadosamente para cada pessoa.

Eu poderia ficar borboleteando história a história, mas o texto ficaria imenso, então vou deixar o link dos anais para quem se interessou e deseja ler: http://www.faknet.org.br/wp-content/uploads/2015/04/Anais-II-SImposio-FAK.pdf

Os outros dois anais estão no site http://www.faknet.org.br/, à direita.

Há uma coisa preciosa nestes relatos. Temos acesso à visão do trabalhador espírita, com suas realizações e frustrações, mas vemos também a visão dos excluídos com quem eles trabalham. É uma publicação que humaniza e emociona a quem lê. 

Lendo os relatos, identifiquei duas ou três mãos espirituais: Mário Barbosa e Raul Teixeira, cujas ideias e verbo parecem ter feito parte da construção das atividades na região (espero não estar equivocado). A terceira mão é de Leopoldo Machado, andando no lombo de burro, de jardineira, de avião, também, para levar o pacto áureo ao norte e ao nordeste, sempre preocupado com a infância.

6.1.13

RAUL TEIXEIRA E DIVALDO FRANCO NA MANSÃO DO CAMINHO


Divaldo Franco apresenta Raul Teixeira, que fala algumas palavras, no 31 de Dezembro de 2012. Raul Teixeira, expositor espírita, físico, sofreu um AVC e está em recuperação. Ele tem divulgado o espiritismo nos quatro cantos do mundo e faz parte do Remanso Fraterno e da Sociedade Espírita Fraternidade, em Niterói-RJ, que fundou há algumas décadas.

28.12.12

QUAL É O PAPEL DAS LIVRARIAS ESPÍRITAS NA DIVULGAÇÃO DOS LIVROS DE MÁ QUALIDADE?





Em uma publicação anterior http://espiritismocomentado.blogspot.com.br/2012/12/correio-fraterno-discute-as-mudancas-do.html, apresentamos a publicação feita pelo jornal Correio Fraterno sobre o mercado editorial espírita. http://www.correiofraterno.com.br/nossas-secoes/68/1110-edicao-448

Raul Teixeira, sempre contundente, fala com clareza neste vídeo sobre a publicação em massa de obras que se apresentam como espíritas.

20.12.12

RAUL TEIXEIRA RECEBE HOMENAGEM DA FEP


A Federação Espírita do Paraná prestou uma homenagem a Raul Teixeira no último dia 15 de novembro, na Sociedade Espírita Fraternidade, de Niterói - RJ. Recordou-se a colaboração de Raul na divulgação do Espiritismo nas terras paranaenses por décadas a fio.

Mais detalhes podem ser lidos em http://www.sef.org.br/

26.9.12

RAUL TEIXEIRA TRABALHANDO...

É com satisfação que publico as imagens da comemoração dos 32 anos da Sociedade Espírita Fraternidade, em Niterói-RJ, com a presença de Raul Teixeira. Recebi-as em agosto de 2012.


Raul e Divaldo Franco



Raul autografando livro com a mão esquerda.

Desejamos força e paciência para o médium fluminense na sua trajetória de recuperação.

14.6.12

NOTÍCIAS DE RAUL TEIXEIRA

Fonte: Site da AME-Lavras, retirado do site da SEF de Maio de 2012


Muitos leitores têm pedido notícias da recuperação de Raul Teixeira. Como não encontrei mais comunicados oficiais no site da Sociedade Espírita Fraternidade (casa espírita onde Raul mantém suas atividades), encontramos o site da Associação Municipal Espírita de Lavras-MG, que tem notícias mais recentes. Basta entrar no link http://amelavras.webnode.com.br/news/j-raul-teixeira-tem-quadro-estavel-apos-sofrer-um-avc/

24.11.11

MAIS RECORDAÇÕES SOBRE RAUL TEIXEIRA


Foto postada no twitter @mansaodocaminho em 22/11


Recebi da Débora esta foto que mostra a recuperação de Raul Teixeira nos Estados Unidos e fiquei pensando sobre a oportunidade de divulgar sua obra. Geralmente a desencarnação é usada para a recordação dos que se foram e do que fizeram, e às vezes os torna notáveis. Oxalá pudessem os homens fazer sua homenagem aos que merecem enquanto estão conosco.

1985. Uma das lideranças ativas da Aliança Municipal Espírita de Belo Horizonte era a amiga Telma Núbia, que, entre mil atividades, organizou um simpósio sobre mediunidade em nossa capital com Divaldo Franco e Raul Teixeira.

O evento ocorreu, salvo engano, no auditório do Colégio Tiradentes, em Santa Tereza, local capaz de abrigar mais de quinhentas pessoas àquela época.

Ambiente cheio, a AME havia elaborado dezenas de perguntas para os dois expositores espíritas tratarem ao longo do dia. Eles se intercalavam nas respostas, cada um respondia a uma pergunta.

Acostumados a vê-los em conferências públicas e a ver Raul em estudos com grupos menores, geralmente habituados a dissertações de 90 minutos ou mais, qual não foi a nossa surpresa quando os vimos respondendo sucintamente, em menos de cinco minutos, cada pergunta.

Os assuntos desenvolviam-se e iam desde o conceito de mediunidade, à prática e às questões associadas e à obsessão. Apesar da brevidade, as perguntas completavam-se, como em uma peça, e assistíamos todos atentos ao simpósio.

Ambiente harmonioso e tranquilo, encerrado o evento, voltamos para casa.

Passados alguns meses, encontrei a Telma sorridente. Eles haviam gravado as respostas e a AME-BH publicaria o seminário em forma de livreto.

Mais alguns anos, a editora Fráter solicitou o material, ampliou-o e lançou o livro Diretrizes de Segurança, que tem sido utilizado como um guia de estudos para a prática mediúnica.


Capa atual do Diretrizes de Segurança


Recomendamos este livro a todos os que procuram uma leitura sensata sobre o tema.


19.11.11

NOTÍCIAS E RECORDAÇÕES DE RAUL TEIXEIRA


Raul Teixeira

Conheci Raul Teixeira ainda na adolescência, em palestras e encontros que ele realizava junto à Mocidade da Associação Espírita Célia Xavier, em Belo Horizonte. Ele sempre dispensou atenção especial aos jovens, e com o apoio dos adultos, viajávamos pelo interior mineiro, acompanhando e aprendendo muito com seu conhecimento e experiências espíritas. Não faltou oportunidade de conhecer os espíritas e o movimento espírita de Niterói, e acompanhar o nascimento da Sociedade Espírita Fraternidade e a construção da sede de São Gonçalo.

Janeiro era o mês em que podíamos contar com sua presença, embora não raro ele viesse a Belo Horizonte ao longo do ano.

Foram muitos eventos, como os marcantes estudos das Cartas de Paulo, no auditório do Hospital Espírita André Luiz, em finais de semana que iniciar-se-iam com uma palestra pública na sexta-feira, atividades ao longo do sábado e do domingo.

Raul sempre repetia o conselho do apóstolo dos gentios a Timóteo: "Foge das paixões da mocidade. Segue a justiça, a fé, a caridade, a paz com aqueles que, de coração puro, invocam o nome do Senhor." (2 TIM 2:22)

O tempo passou, e embora nossos encontros tivessem datas cada vez mais dilatadas, o apreço, carinho e consideração sempre permearam nossas relações.

Esta semana todos recebemos a notícia de um acidente vascular cerebral que o  expositor espírita de Niterói - RJ sofreu em viagem para os Estados Unidos. 

A Sociedade Espírita Fraternidade tem publicado relatórios frequentes sobre seu estado de saúde. Remetemos, portanto, o leitor que deseja acompanhar o que esperamos ser a recuperação da saúde física do Raul para esse blog e desejamos força a ele e aos seus irmãos de trabalho e convivência mais próximos.

11.3.11

RAUL TEIXEIRA FALA SOBRE FÍSICA E ESPIRITISMO


Foto: Prof. Raul Teixeira
O Dr. Raul Teixeira é professor-aposentado do Instituto de Física, na Universidade Federal Fluminense. Físico, com pós-graduação em Metodologia do Ensino de Física, foi entrevistado por "Lavras 24 Horas".
O texto parece ser uma transcrição direta de uma entrevista oral, sem adaptações. Espiritismo Comentado selecionou as perguntas sobre Física para seus leitores, mas a entrevista completa pode ser lida em http://www.lavras24horas.com.br/portal/raul-teixeira-medium-e-conferen

Além da crítica ao uso inadequado de conceitos oriundos de outras áreas de conhecimento, sem a devida formação, Raul discute um tema interessante que é o valor dado à ciência, na sua concepção empírico-formal (Ladrière).

"Lavras 24 Horas: A Física Quântica realmente explica o Espiritismo?

Raul Teixeira: Tudo isso é uma fanfarronice. Não acho. É, assim. Não se esqueça que eu sou físico. E sou espírita. Então eu não acho. Estou dizendo o que é. O que acontece é que os religiosos de maneira geral se apropriam de tudo que acham simpático na Ciência, mesmo que eles não entendam. Então eles acharam que Física Quântica prova o Espírito (a existência do). Enquanto os físicos quânticos estão discutindo ainda os rumos da Física Quântica, os espíritas já se apoderaram, são donos dessa verdade. Então vemos que alguma coisa está errada. Não pode ser com os físicos, porque essa é uma área da Física. É com os espíritas. Então quanto menos a pessoa sabe das coisas mais ela fala a respeito. Quando a gente vai sabendo mais a gente passa a ter cuidados ao falar. Veja como todo mundo receita remédio. Porque não é médico, não entende de Medicina. Os médicos tem cuidado. Eles não receitam remédio sem examinar, sem saber o por quê. Quanto mais se sabe mais cuidado tem. Quanto menos se sabe mais a vontade as coisas ficam. Então não existe nenhuma relação de Física Quântica com o Espiritismo. A relação que existe entre Física Quântica e Espiritismo é a mesma que existe entre todos os fenômenos da Natureza e o Espírito.

Lavras 24 Horas: Allan Kardec afirma que a energia espiritual é uma energia quinta-ssenciada, menos densa. Seria então ligada a Física…


Raul Teixeira: Sempre que estamos falando em energia estamos falando em Física. Este é um termo da Física que a religião se apoderou: energia.

Lavras 24 Horas: Esse hábito de apoderar de conceitos vem da necessidade de comprovar?

Raul Teixeira: É a necessidade de dar valor. Como as pessoas entendem pouco a questão espiritual elas acham que pondo elementos cientificos formais elas vão dar um “plus”. Que não é verdade. Aquilo que tem valor, tem valor. Senão a poesia não teria valor porque ela não pode ser explicada cientificamente. O amor não teria valor. Então nós temos este hábito, embora seja importante que todos os religiosos aprendam Ciência para pensar melhor as coisas da Vida. Mas, eu não posso ficar querendo que a Ciência prove o Espírito. No campo cientifico a Ciência formal não admite a existência da alma. Como é que pode provar alguma coisa relativamente a Alma e a Espiritismo? Como pode provar o Espiritismo? Então são os espíritas que se utilizam daquela área, que tiram para si o que lhes interessa, do jeito como entenderam. Que não tem nada a ver tem com a realidade. A gente faz leitura do que lê. A gente interpreta o que lê. E a gente interpreta querendo tirar o que nos convenha. Então é muito delicado nós percebemos isso. Há coisas muito bonitas na Ciência, são da Ciência. Eu posso dizer assim: a Ciência diz tal coisa, como o Espiritismo diz isso, existe uma familiaridade entre as duas afirmativas. Aí é nobre, é respeitoso. Isso que a Ciência fala nos dá apoio a nossa tese. De fato! Mas, a Ciência provou o Espiritismo, provou a reencarnação! Como ela prova uma coisa que ela nem admite que existe? Então muitas vezes a “espiritada” é muito afoita. A pessoa não sabe juntar a, com b, com c, mas quer entender Física Quântica, que nem os físicos quânticos dominam. Então essa é uma coisa muito delicada."

2.11.08

Raul Teixeira Visita Minas Gerais


Foto 1: Raul Teixeira no Lar Espírita Esperança

Nas comemorações de seus 40 anos, com o apoio da Aliança Municipal Espírita de Belo Horizonte, a mocidade da Associação Espírita Célia Xavier promoveu palestra do expositor fluminense Raul Teixeira.

Encontro de Gerações

O evento possibilitou o reencontro e a confraternização de diversas gerações da mocidade. Desde fundadores a atuais membros dos quatro ciclos, alguns ainda na casa de Célia, outros na Sociedade Espírita Joanna de Ângelis e até mesmo “jovens” que se afastaram do movimento espírita estiveram presentes e “mataram a saudade”.

Apresentação de Luiz Fernando e Virgílio Almeida

Luiz Fernando recordou alguns dos pioneiros da casa de Célia Xavier ligados à criação da Mocidade: Virgílio Pedro de Almeida e “Seu” Aphrodísio. Em sua fala de abertura, outros espíritas já desencarnados da casa foram lembrados.

Virgílio Almeida do SEJA abriu o evento, recordando as experiências que compartilhou com os amigos na década de 80. Ele reafirmou as diretrizes da mocidade AECX que se baseiam no tripé amizade, estudo e trabalho.

Mais Recordações

Raul, emocionado, recordou-se de sua primeira palestra na Mocidade da AECX, a convite de Wanderley Coutinho, há 36 anos. Referiu-se a pessoas e acontecimentos que marcaram sua trajetória durante todo este tempo, como a visita à casa da “Vovó Adelaide”, a desencarnação de Evaristo e outras histórias, algumas hilárias, outras tocantes.

Um Personagem do Evangelho

Ele tornou contemporânea a história evangélica do “mancebo rico”, dando um novo sentido à distribuição das riquezas. “A capacidade de ler é uma riqueza ante a pessoa analfabeta. Ensiná-la a ler é distribuir riquezas”.

Religião e Religiosidade.

O conferencista reafirmou que a ação do homem no mundo pode ser uma forma de atender ao chamado do Cristo. Não se deveria cindir a vivência da mensagem cristã, enclausurando-a no Centro Espírita e nas práticas dos grupos espíritas. O expositor referiu-se ao trabalho e às conquistas que o homem realiza em outras instâncias sociais, mostrando verdadeiros testemunhos no trabalho cotidiano dos enfermeiros, dos médicos, dos professores, dos lixeiros e de todas as profissões que possibilitam um serviço à pessoa humana e uma vivência cotidiana dos preceitos cristãos.

As Trajetórias

Raul se referiu às muitas trajetórias dos jovens da mocidade que conheceu há muitos anos. Suas conquistas e dissabores, suas esperanças e frustrações, sua condição, enfim, de homens encarnados no mundo, às vezes equivocados, às vezes enfrentando as agruras próprias do homem no mundo, como as dores, as doenças, os conflitos.

Um comentário psicológico

O autor fluminense inseriu em sua fala um convite ao autoconhecimento, com um toque psicanalítico. Ele mostrou cenas do cotidiano espírita em que a exterioridade do compromisso com valores entendidos como cristãos e espíritas predispõem ao desenvolvimento de reações e comportamentos neuróticos. A pessoa que não trabalhou sua sexualidade pode passar a ver nos demais intenções sexuais em gestos de cordialidade, que não existem, exemplificou. Ele distinguiu este tipo de personalidade do que dirigiu sua carga erótica em função de um projeto humano e cultural.

A reafirmação de valores cristãos

Recordando “O Livro dos Espíritos”, Raul Teixeira conduziu o público a uma reflexão sobre o conhecimento que antecede a reforma moral. Ilustrou com inúmeras histórias de confrades que, conscientes das implicações de seus atos, passam a não adotar práticas sociais, consideradas lícitas no mundo, mas inconvenientes às pessoas, diante de uma visão ampliada da vida, das relações entre os homens e da conservação do corpo humano.

Pains

No dia 01 de novembro o expositor visitou Pains, levado pela família de Walter e Marlene Assis. O Centro Espírita Messe de Luz tornou-se pequeno e a palestra foi levada a um auditório ao lado da Prefeitura Municipal.

Foto 2: Público de Pains
Espíritas de toda a região prestigiaram o orador.

Ghandi, Lincoln, Luther King e Madre Teresa

Raul traçou a trajetória de quatro ícones da humanidade: Ghandi, Lincoln, Martin Luther King e Madre Teresa de Calcutá. Ghandi obteve a liberdade da Índia a partir da sua política de não violência e de ações coordenadas de boicote aos produtos ingleses.

A abordagem de Lincoln focalizou-se na participação da médium Nettie Colburn Maynard (Sessões Espíritas na Casa Branca - Editora O Clarim) e dos espíritos que apoiaram o presidente na luta pela abolição da escravatura e, depois, na guerra de secessão.

Ghandi e Lincoln foram assassinados por seus ideais, assim como Luther King, com sua famosa frase "I have a dream" (eu tenho um sonho) e sua luta pacífica pela igualdade de direitos entre negros e brancos nos Estados Unidos, que antecederam o "civil acts" (a lei de direitos civis).

Foto 3: Mesa formada em Pains - Da esquerda para a direita Marlene Assis, Raul Teixeira, Ângela e seu "braço direito"
Madre Teresa foi focalizada em seu desprendimento em favor dos menos favorecidos na Índia. Homens e mulheres colocados no lixo para morrerem, crianças nas ruas, sem acesso a educação, e a religiosa abandonou o conforto do ensino das classes superiores na Índia para atender as dores da periferia de Calcutá. Na falta de todos os recursos, ela alfabetizou crianças com gravetos e areia, tratou os indigentes em um galpão, conseguido com dificuldades.

Dois políticos e dois religiosos a serviço dos homens, três deles cristãos, um deles hindu.
SEJA
O professor ainda fará um seminário na Sociedade Espírita Joanna de Ângelis, em Belo Horizonte, hoje dia 02 de novembro.

9.9.08

Semana de Espiritismo e Psiquiatria em Belo Horizonte


O Hospital Espírita André Luiz está realizando sua vigésima sexta semana entre os dias 27 e 30 de outubro, em Belo Horizonte-MG. As conferências serão realizadas por médicos e psicólogos convidados no auditório do hospital; a semana será encerrada pelo orador fluminense Raul Teixeira.

26.4.08

Fogo de Palha

Foto 1: Raul Teixeira, autografando em 2005
Na adolescência tive a oportunidade de conhecer pessoalmente muitos dos expositores espíritas que hoje ampliaram seu trabalho para além das fronteiras do nosso país.

O Prof. Raul Teixeira sempre foi um dos mais disponíveis aos jovens. Suas vindas anuais ou semestrais a Belo Horizonte eram organizadas por Marlene Assis, que preparava um calendário no interior de Minas Gerais.

Via de regra a mocidade se organizava para assistir as diversas palestras em caravana. Desta forma, a admiração que tínhamos pelo trabalho do médium fluminense foi se transformando em uma grande rede de amizades no meio espírita. Fomos muitas vezes ao oeste de Minas Gerais, participar das CEOMGs (Confraternizações Espíritas do Oeste de Minas Gerais) e o encontramos também no norte-nordeste de Minas e na Zona da Mata.

Raul e Marlene promoveram mais de uma vez o encontro entre mocidades e jovens espíritas fluminenses e mineiros. Muitas vezes fui acolhido com hospitalidade e alegria por jovens de Niterói, alguns já desencarnados, cujas lembranças teimam em alegrar a alma.

Um dos trabalhos incansáveis de Raul era responder às cartas que lhe escrevíamos. Ele sempre separava algum tempo para escrever um cartão, enviar uma mensagem de incentivo, deixar um parágrafo de orientação ou apenas mandar notícias de onde esteve e o que fazia pelo Espiritismo.

Em uma das primeiras cartinhas que ele me escreveu, após ter-me conhecido nas atividades da Associação Espírita Célia Xavier, ele utilizou uma expressão curiosa. Experiente, vendo o entusiasmo com que tratávamos do Espiritismo, ele recomendava que o que sentíamos e fazíamos não se transformasse em "fogo de palha". Ele tinha razão. O entusiasmo nos leva a assumir inúmeros compromissos após o quê não se consegue dar continuidade.

Passaram-se os anos, o conselho permaneceu na memória, além de estar escrito em algum papel, perdido na minha pequena biblioteca, mas é bom o suficiente para ser repassado para as novas gerações de espíritas.


2.3.08

Ivan de Albuquerque e o Jovem

Figura 1: Ivan de Albuquerque
Ivan de Albuquerque tornou-se espírita na infância, influência de sua família, especialmente sua mãe. Passando por dificuldades financeiras, optou por trabalhar após a conclusão do equivalente ao nosso ensino fundamental para custear os estudos do irmão. Trabalhou como enfermeiro e tornou-se jovem expositor espírita, após estudar as obras a sua disposição, especialmente Allan Kardec e Léon Denis. Jovem, idealista e cristão, fez amizades no círculo dos trabalhadores espíritas das cidades do interior de São Paulo e dedicou sua juventude aos hansenianos, aos pobres, velhos e presidiários. Intimorato, visitava os hansenianos, abraçando-os e bebendo do mesmo copo. Certo dia solicitado a socorrer uma gestante em contrações de parto, atravessou a nado o rio Piracicaba para atender ao pedido da família. Foi detido e internado no Juqueri por autoridades policiais por panfletar o Espiritismo no Congresso Eucarístico (Araçatuba). Abatido, mas cheio de fé, continuou falando para os enfermos e para a equipe até que foi descoberto o paradeiro pela família e retirado do injusto internamento. Fundou uma cooperativa agrícola em Itaberá. Desencarnou jovem, aos 28 anos, em um acidente acontecido em um trem, rumo a Marília, onde faria uma palestra.


Figura 2: Cântico da Juventude

Após sua desencarnação já deu comunicações através de médiuns reconhecidos, mas trouxe aos jovens espíritas um "livro de cabeceira", para ler e meditar, sobre temas atuais de interesse à juventude, publicado pela Editora Fráter. Meu livro já se encontra desgastado pelo uso, mas o considero ainda contemporâneo e importante para as novas gerações, que devem discuti-lo em conjunto, nas reuniões de mocidades, aos poucos, para apreender o universo deste jovem espírito antigo que como Francisco de Assis, não resistiu à loucura da vivência do cristianismo em uma sociedade mercantil.

13.11.07

Raul Teixeira nos Estados Unidos

Foto 1: Prédio da Saúde do Remanso Fraterno, que atende a 300 famílias em Niterói


Raul Teixeira, físico, professor e médium de Niterói-RJ fará uma extensa viagem visando a divulgação e diálogo sobre a organização das atividades espíritas nos Estados Unidos. Veja abaixo um recorte da sua agenda de novembro de 2007.

13 Palestra em Dallas-Texas-EUA, às 20h
14 Palestra em Dallas-Texas-EUA, às 20h
15 Palestra em Houston-Texas-EUA, às 20h
16 Atividades em Washington-DC-EUA (Conselho Espírita dos Estados Unidos)
17 e 18 Atividades em Washington-DC-EUA (CEEU)
19 Seminário em Baltimore-Maryland-EUA, das 19 às 22h
20 Palestra em Deerfield Beach-Flórida-EUA, às 20h
21 Palestra em Fort Myers-Flórida-EUA, às 20h
23 Palestra em Tampa-Flórida-EUA, às 20h
24 Palestra em Orlando-Flórida-EUA, às 20h
25 Palestra em Miami-Flórida-EUA, às 10h
25 Palestra em Pompano Beach-Flórida-EUA, às 18h
26 Palestra em Miami Beach-Flórida-EUA, às 20h