Mostrando postagens com marcador Canuto Abreu. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Canuto Abreu. Mostrar todas as postagens

28.11.18

O EVANGELHO POR FORA?




Estive lendo o livro Hermenêutica Avançada, escrito por Henry Virkler e publicado pela editora Vida Acadêmica. O autor propõe diversos cuidados para a interpretação do texto bíblico em geral, desenvolvendo uma espécie de pequeno curso de interpretação das escrituras.

Durante o texto o autor debate a diferença entre a exegese e a eisegese. Ele afirma que o prefixo “ex” significando “fora de”, “para fora” ou “de”, significa que “o intérprete está tentando derivar seu entendimento do texto, em vez de ter seu significado no (“para dentro”) texto (eisegese)” (Virkler, 2001, p. 11)

A partir dessa leitura penso que dá para supor por que Canuto Abreu deu o nome de “O Evangelho por Fora” para seu livro, e mais especificamente para a primeira parte do seu livro. É um dos poucos livros, que trata de hermenêutica e exegese bíblicas no meio espírita. 

Wilson Garcia apresenta em seu blog um livro de mesmo título escrito por Júlio Abreu Filho, mas explica que ele sucedeu a Canuto no curso de aprendizes do evangelho da FEESP. (http://www.expedienteonline.com.br/entre-tracas-poeira-e-paginas-rotas)

Kardec emprega técnicas de hermenêutica e exegese para a interpretação dos textos do antigo e novo testamentos que encontramos em “O evangelho segundo o espiritismo”, mas não se aprofunda na técnica, e, sim, na harmonização entre o pensamento cristão e os princípios espíritas, o que pode ser chamado de exegese espírita, como bem o diz Canuto Abreu.

Quando o autor destaca que o livro aborda o evangelho por fora, estaria ensinando ao leitor os caminhos para se entender o evangelho a partir do seu próprio texto, da intenção dos autores e não para obter um apoio forçado para suas ideias pessoais (que seria, então, o evangelho por dentro).
Abreu trata de três dos sentidos empregados para interpretação, a hermenêutica e suas regras, as críticas (histórica, dogmática, racionalista, evangélica e bíblica), dos evangelhos canônicos, além de questões linguísticas e da tradição verbal. Um exemplo curioso em que emprega seus conhecimentos está na análise da palavra Evangelho e seus significados, literal, espiritual e anagógico.

Não é um livro de fácil leitura, já que foi escrito por um erudito para mostrar alguns de seus caminhos no entendimento do evangelho, mas é uma leitura importante para quem se propõe ao estudo bíblico no meio espírita. 

1.3.08

Bezerra de Menezes escreve no Reformador em 1895


Canuto Abreu transcreveu e comentou o editorial do Reformador escrito por Bezerra em 1895, período em que os espíritas se dividiam por questões de interpretação do caráter do Espiritismo. O tema dá o que pensar nos dias de hoje, por esta razão, passo a transcrever o editorial do então Presidente da FEB.

"É para lastimar que, tendo-se difundido admiravelmente no Brasil as idéias espíritas de modo a não haver ninguém que não as aceite, seja a sua propaganda feita sem ordem nem sistema.

Nos Estados há grupos dispersos... Na Capital as associações estão desligadas... Empregam-se, nos Estados principalmente, métodos inconvenientes, tudo à falta de unidade de vistas... Cada grupo tem sua orientação...

Tudo progride e parece-nos que já é tempo de entrar o Espiritismo, entre nós, em nova fase analítica de que deverá subir à sintética, que unificará o Espiritismo no Brasil com o de todo o mundo.

Para passarmos do estado de confusão, em que nos achamos, ao de ordem bem regulada, para chegarmos ao de sistema que será o último trabalho humano, faz-se mister uma séria e bem compreendida organização.

Sem harmonia de ação, sem o concurso harmônico dos grupos entre si, o Espiritismo não fará mais progresso no Brasil, não passará de uma crença sem base, variante de indivíduo a indivíduo.

A união faz a força. Organização e organização, é a palavra que parte de todos os lábios, é a idéia que paira em todos os pensamentos, porque é chegada a hora de passarmos da fase sincrética à fase analítica, como acima indicamos.

Aceitamos, pois, de boa vontade, como nos cumpre, as inspirações que nos dão os prepostos do Senhor, incumbidos de desenvolver o Espiritismo no Brasil. Organizemos.

Para organizarmos é preciso, primo, ligar em uma grande falange os trabalhadores: segundo, regularizar metodicamente o seu trabalho. No próximo número daremos o plano de organização."

(Extraído do livro Bezerra de Menezes: Subsídios para a História do Espiritismo no Brasil até o ano de 1895. Escrito por Silvino Canuto Abreu. Edições FEESP)