17.9.08

Letargia e Catalepsia

Figura 1: Yvonne Pereira, médium brasileira, quase foi enterrada na tenra infância por ter sido considerada morta pelos médicos (letargia).


Allan Kardec utilizou alguns conceitos próprios de sua época para a exposição de teses espíritas. Alguns deixaram de ser usados pelas respectivas áreas da ciência, o que exige do leitor da codificação um resgate do sentido dos termos na época e do contexto teórico no qual eles foram utilizados para uma compreensão clara do raciocínio do codificador e dos espíritos que dialogaram com ele.

Letargia e Catalepsia são conceitos associados à tese da emancipação da alma e que com o passar do tempo foram ganhando novos sentidos até caírem em desuso na Medicina e na Psicologia.

É possível que o sentido utilizado por Kardec tenha sido obtido nas teorias do magnetismo animal desenvolvidas depois de Mesmer, especialmente na obtenção do sonambulismo provocado.

Letargia, em “O Livro dos Espíritos” significa em estado de “perda temporária da sensibilidade e do movimento”, em que o corpo parece morto, no qual os sinais vitais se tornam quase imperceptíveis, a respiração reduz-se bastante e a pessoa pode ser tomada como morta.

Catalepsia em Kardec é uma espécie de letargia parcial, que atinge apenas alguns órgãos do corpo e que pode não prejudicar a comunicação com o seu portador, que poderia ter este estado induzido pelo magnetismo animal (passes, como dizemos hoje).

Alguns fenômenos parapsicológicos (humanos, mas não estudados convenientemente pela Psicologia) podem ser encontrados concomitantemente a estes dois estados. Um deles é a hiperestesia, ou seja, uma ampliação paradoxal da capacidade dos sentidos. Há registros de casos de sonâmbulos que, em estado cataléptico, eram capazes de descrever o que acontecia a uma distância muito superior à capacidade de nossos órgãos, ou de descrever, por exemplo, percepções que eles alegavam ter de órgãos internos do organismo de pacientes que lhes eram trazidos.

Kardec analisou situações de quase-morte na Revista Espírita. Há diversos casos de letárgicos, pessoas que chegaram a ser consideradas mortas pela medicina da época como a Sra. Schwabenhaus (Revista Espírita, 1858) ou que passaram por situações de claro risco de morte, ou como o Dr. D. (Revista Espírita, 1867), que ficou mais de meia hora debaixo d’água e foi resgatado e retomou a consciência.

Outro caso apresentado por Kardec é o da jovem cataléptica de Souabe, que após um evento traumático (morte da irmã), entrou em um estado entre cataléptico e letárgico e passou a ser capaz de descrever pessoas enterradas, bastando ser levada próxima ao túmulo e a descrever a aparência de pessoas idosas que a visitavam quando eram jovens e sem modificações do tempo e das doenças.

Eles narram histórias envolvendo o contato com pessoas desencarnadas e descrições do plano espiritual. Por esta razão, Kardec teorizou que os sonâmbulos, letárgicos e catalépticos perceberiam o plano espiritual, ou dariam notícias de eventos à distância porque perceberiam com a alma, semi-liberta do corpo (emancipação) que transmitiria suas sensações espirituais ao cérebro.

Posteriormente, o hipnotismo e a neurologia dariam um outro sentido à letargia e à catalepsia, que hoje se encontram em desuso (muitos hipnotizadores ainda os utilizam), substituídas pelo conceito mais preciso de “coma”, mas os estranhos fenômenos descritos por Kardec continuam acontecendo, como se pode ler no livro “Vida além da Vida” do Dr. Raymond Mood Jr. e nos estudos de experiências de quase-morte, que se transformou em linha de pesquisa de médicos e parapsicólogos modernos.

24 comentários:

  1. ANTONIO INACIO29 abril, 2009

    MUITO BEM ESCRITO , O AUTOR DÁ SINAIS DE SER UM ESTUDIOSO SÉRIO.
    UMA LEITURA AGRADÁVEL

    ResponderExcluir
  2. Estava procurando algo sobre Letergia e Catalepsia para meus estudos e encontrei esse blog sugerido pela pesquisa Google, achei perfeito e tudo postado de forma clara para que não reste muitas dúvidas ao leitor.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  3. pessoal isso está ERRADO, passe não é um fluido animal como disse o texto. estão errados por tanto não tirem informações deste blog, pois assim como tem este erro terão muitos outros que na leitura rápida não os encontraremos. cuidado!!!

    ResponderExcluir
  4. Amigo, eu não afirmei que o passe é um fluido animal. Magnetismo animal é uma teoria que remonta a Mesmer e que faz parte da formação de Kardec e do vocabulário que ele usa.

    No capítulo XIV de A Gênese, Kardec classifica os fluidos em humanos e espirituais e trata da sua interação (parágrafo 33), ou seja, amplia a teoria mesmeriana do magnetismo animal.

    Você pode ler sobre o magnetismo animal na Revista Espírita, organizada por Allan Kardec (outubro de 1858, maio de 1859, outubro de 1859, janeiro de 1860, etc.)

    Recomendo também a leitura do livro "Mesmer, a ciência negada e os textos escondidos" publicado pela Lachâtre e o livro "Magnetismo Espiritual", publicado pela FEB.

    Quanto a pessoas usarem meus textos como sendo a verdade, junto minha voz a sua. Não o façam. Estudem antes, pergutem o que não entenderem, avaliem com a obra espírita.

    Lamento muito que você tenha tomado uma posição tão extremada e supostamente paladina, sem antes dialogarmos.

    ResponderExcluir
  5. Não nenhuma dúvida quanto ao embasamento doutrinário contido nas colocações do autor. São bastante esclarecedoras e simples de serem compreendidas. É claro que o que aqui está postado não constitui um tratado sobre letargia e catalepsia, mas, de qualquer forma é bastante esclarecedor. Parabéns Jader.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado pelo incentivo, amigo. Você tem razão, não tenho pretensão, nem conhecimento suficiente para fazer um tratado, mas aquilo que publico normalmente é objeto de estudo e consulta.

    ResponderExcluir
  7. Sonambulo cataleptico e letargico nao sao sinonimos. Sao coisas completamente distintas. Alguem pode apresentar um sem necessariamente apresentar outro. O trato desses assuntos exije maturidade a fim de nao incorrer em generalizacoes pueris.

    ResponderExcluir
  8. Explique-nos, então, por gentileza.

    ResponderExcluir
  9. Quem entra anonimamente, nao merece atençao, provavelmente algum discrente.

    ResponderExcluir
  10. Eu não consegui entender a catalepsia... Poderia citar um exemplo por favor

    ResponderExcluir
  11. Herika, a catalepsia é uma letargia parcial, ou seja, a perda da sensibilidade da mão ou da perna, por exemplo, ou da capacidade de movimentação de um membro, sem que haja qualquer problema no sistema nervoso. Os praticantes de hipnose falavam em fases do transe, que iriam da consciência plena à letargia (transe profundo). Eles testavam a catalepsia perfurando o membro com uma agulha, e o sujeito nada sentia, porque estava anestesiado. Isso fez com que alguns médicos e dentistas tentassem usar a hipnose como método de anestesia, mas foi abandonado, porque nem todas as pessoas conseguiam atingir este estado e às vezes eram necessárias muitas sessões até que se constatasse a catalepsia.

    Tínhamos em nossa reunião mediúnica médiuns de desdobramento (sonambulismo mediúnico, segundo Kardec), que ao voltarem do transe perdiam a sensibilidade dos braços.

    ResponderExcluir
  12. Boa Noite Jader!
    Gostei muito de suas explicações. Estamos trabalhando o Tomo III e o tema é: Sonambulismo, Letargia . Catalepsia. Estava procurando exemplos de Catalepsia e os encontrei, aqui no seu Blog. Valeu!
    Continue postando. pois dá para perceber que você se baseia nas Obras Espíritas. Muito Obrigada!
    Iara.

    ResponderExcluir
  13. Obrigado pelo incentivo, Iara. Aos pouquinhos vamos escrevendo e publicando...

    ResponderExcluir
  14. Prezado Jáder, parabéns pelo seu blog, muito instrutivo. Se possível, gostaria de saber o seguinte: o fenômeno conhecido hoje como "Paralisia do Sono" é algum tipo de catalepsia?

    ResponderExcluir
  15. Prezado Leitor,

    Confesso que não conhecia a "paralisia do sono". Pelo que li, é uma síndrome, na qual a pessoa acorda, mas não consegue mover-se. Do pouco que li, o cérebro estaria em estado REM (movimento rápido de olhos, quando são comuns os sonhos) e a pessoa acorda. Esta condição está associada a baixos níveis de melanina e triptofano (wikipédia).

    Como não havia estudos mais profundos de neurofisiologia na época em que se usavam os termos catalepsia e letargia, estes conceitos estavam associados à perda de mobilidade e sensibilidade do corpo (parcial ou total) sem que haja lesão do sistema nervoso, como apresentamos no texto. Pouco, não é?

    Portanto, penso que se pode dizer que na paralisia do sono o paciente apresenta um estado de quase-letargia, explicado, até o momento, por razões neurofisiológicas.

    Contudo, achei muito interessante as descrições de associações deste estado com "demônios", "fantasmas" e "seres sobrenaturais". O autor do artigo interpreta estas percepções como alucinações, e podem ser, mas me pergunto se, além da explicação neurológica, apenas como hipótese, o estado não poderia ser induzido hipnoticamente por espíritos em médiuns.

    ResponderExcluir
  16. Se me permite, caro Jáder, indico para nosso enriquecimento o post abaixo do blog Era do Espírito, de Ademir Xavier:
    http://eradoespirito.blogspot.com.br/2015/10/esboco-de-explicacao-espirita-para.html
    Acredito que os espíritas podem avançar em estudos sobre a tal e tão comentada paralisia do sono.

    ResponderExcluir
  17. Prezado Leitor,

    O Ademir é um estudioso dedicado do espiritismo e dos autores clássicos, com boa formação em física e filosofia. Seu blog é muito sério e seus trabalhos sempre profundos. Você está bem acompanhado.

    Jáder

    ResponderExcluir
  18. Lília Abreu27 setembro, 2017

    Muito bom esses esclarecimentos, até os comentários anônimos são úteis prq acabam "forçando" uma resposta mais esclarecedora ainda.

    ResponderExcluir
  19. Parabéns Jader,teve paciência inclusive para responder para um anônimo!
    Demonstrando competência e humildade ao mesmo tempo! Tudo que um verdadeiro espírita prega e pratica!

    ResponderExcluir
  20. Jader, parabéns pelo texto. vai em ajudar na elaboracao de um estudo! fiquei contente em ler esta sua resposta: "Quanto a pessoas usarem meus textos como sendo a verdade, junto minha voz a sua. Não o façam. Estudem antes, pergutem o que não entenderem, avaliem com a obra espírita." eu faco a mesma recomendacao quando facilito algum estudo no grupo espírita.

    ResponderExcluir
  21. Bom dia, querido irmão Jáder obrigada pela materia, e pbrigada pelo aprendizado, me ensinou em poucas linhas uma sabedoria de Um verdadeiro espirita para lidar com pessoas....

    ResponderExcluir
  22. Quanto a ser sinônimo ou não, refere-se Allan Kardec, no livro do Espíritos que ambos, letargia e catalepsia derivam do mesmo princípio que é a perda temporária da sensibilidade e do movimento por uma causa biológica ainda inexplicada, portanto não são sinônimos no sentido literal, porém requer uma análise e estudo do ponto de vista da espécie que os diferencia.
    Ao meu ver a doutrina não é excludente como exige o dicionário português, então, o preciosismo é da língua e não da interpretação do contexto. O estudioso transcreve o seu sentimento, como um todo e no caso do capítulo VIII do LE ele abrange "da emancipação da alma" e com isso ele busca comprovar que o Espírito tem atividade ininterrupta e que o seu conhecimento jamais se perde, mesmo quando não se recorda,que são os casos do estudo do referido capítulo.
    Parabéns pela abordagem, para quem estuda não há nenhuma distorção e sim complementação do conhecimento realizado e construído por cada um.

    ResponderExcluir