10.11.18

A CIÊNCIA COMO EMPREENDIMENTO COLETIVO





Uma das propostas que vou tentar realizar no Espiritismo Comentado é a discussão da dimensão científica do espiritismo. Antes disso, temos que entrar em um entendimento comum sobre: "o que é ciência?"

Um dos primeiros temas a se discutir é que a ciência é um empreendimento coletivo, articulado e falível. Penso são adjetivos de ampla aceitação pela comunidade científica, e que nos possibilita discutir algumas concepções muito equivocadas que as pessoas em geral têm do conceito de ciência. Vou falar um pouco das chamadas ciências naturais.

Ao contrário do que se imagina, quando se vê um grande cientista como Einstein ou Pasteur, a ciência não é fruto de uma grande inteligência individual que teve uma espécie de “iluminação” que revoluciona o que se sabia antes. Thomas Edison dizia que “a genialidade é 99% de transpiração”, ou seja, muito trabalho duro, muita leitura e estudo, para, ao final, conseguir um momento de inspiração.

O cientista, portanto, lê o que outros cientistas publicam. Ele passa muitas horas estudando um tema antes de poder escrever sobre ele. É o que se chama de “estado da arte”, “revisão bibliográfica”, “revisão sistemática”, com pequenas diferenças entre essas expressões.

Quando se vai escrever um artigo, para comunicar alguma coisa, normalmente se lê o que foi escrito nos últimos cinco anos sobre o tema (esse tempo é variável), sem contar os anos de estudo de um especialista sobre os conhecimentos da sua área para ser considerado como tal.

Hoje isso é bem mais complicado, porque há milhares de cientistas trabalhando ao redor do mundo, e cada vez surgem mais revistas especializadas. As publicações têm sido feitas em inglês, principalmente, que acabou sendo considerado o idioma mais dominado pelos cientistas, pelo menos ocidentais.

Suponha que o tema em estudo seja a “reencarnação”, como o fizemos há alguns anos no Encontro Nacional da LIHPE. O que se escreveu sobre reencarnação em revistas científicas analisadas por pares? Por incrível que pareça, ao contrário do que se pensa, há muita coisa sendo escrita e produzida sobre esse tema, com métodos aceitos pelos cientistas, e publicado. A velha afirmação que os cientistas não estudam reencarnação e não aceitam que se estude o tema não se sustenta, embora seja válida para muitos que consideram o tema metafísico.

Essa revisão não visa apenas ao conhecimento dos fatos registrados, por exemplo, crianças que se lembram de ter vivido anteriormente, mas também de todas as explicações possíveis para esse fato, após constatado, que é o que se chama de teoria científica. A análise das teorias, o jogo de aceitação e refutação das explicações existentes e a formulação final, após todos esses estudos, é o que se chama de conhecimento científico.

Obviamente, após anos de trabalho e publicação, alguns cientistas se tornam notáveis por todas as contribuições que deram às suas áreas. Alguns são até considerados gênios, porque conseguiram uma nova e melhor forma de explicar um conjunto de fatos que não era percebido por seus pares. Obviamente, são inteligentes, mas não chegaram lá apenas por serem inteligentes, mas por terem feito seus 99% de esforço, lendo, observando, experimentando, escrevendo, reescrevendo, criticando o que existe e não está bem elaborado, identificando falhas nos estudos já realizados, entre outras atividades.

Mas a ciência é falível? Não é a verdade? Isso fica para outro post.

8.11.18

ESPIRITISMO: CIÊNCIA NATURAL OU FILOSOFIA?




Em uma das palestras que fiz recentemente, surgiu uma questão interessante sobre o status epistemológico do espiritismo. Não dava para desenvolver a questão nas condições em que nos encontrávamos, então deixei para tratar aqui, no Espiritismo Comentado.

Meu interlocutor via, de um lado as ciências (entendidas como as ciências naturais) e de outro a filosofia (com suas subáreas tradicionais, menos a psicologia). Ele argumentava que o espiritismo devia tender, portanto, para a filosofia, que possivelmente teria um poder explicativo melhor. 

Contudo, na universidade contemporânea, entre a filosofia e as ciências naturais encontram-se as ciências humanas e sociais. São áreas de conhecimento desenvolvidas geralmente a partir do século XIX, que estudam o homem, sua cultura, suas organizações e sociedade. 

No princípio, as ciências humanas tentaram empregar métodos das ciências naturais para esses estudos, como se pode ver em Durkheim (ciências sociais), os autores estruturalistas e funcionalistas (psicologia), entre outros. Como os avanços fossem modestos e contraditórios, diferentemente da física, por exemplo, logo se viu que o objeto de estudo desses cientistas era capaz de se modificar, o que ele fazia através da linguagem.

Por esse motivo, as ciências humanas avançaram (para alguns cientistas não), e englobaram métodos de estudo de base hermenêutica e fenomenológica, que consideram a apreensão do significado da linguagem humana e suas consequências, entre outras contribuições que hoje se costuma chamar de métodos qualitativos, e que vão além da observação. Autores com De Bruyne, denominam essa abordagem como abordagem da compreensão (que envolve uma busca rigorosa do significado do que fala o sujeito e suas implicações), em oposição à abordagem da explicação, das ciências naturais (que envolvem, leis, descritas matematicamente, de forma exata ou probabilística, explicando eventos que seguem a regularidade matemática encontrada). 

Allan Kardec desde o princípio de seus estudos, percebeu que o método das ciências naturais era insuficiente para obter respostas para as questões investigativas que tinha a propor para as “inteligências desencarnadas”. Ele manteve o indutivismo das ciências naturais, mas percebeu que como os espíritos tinham diferentes capacidades de descrever o mundo em que viviam, era necessário classificá-los, o que fez com a escala espírita, para estudar apenas os relatos dos espíritos superiores.

Outra coisa que ele fez, muito semelhante à pesquisa fenomenológica, que só foi estabelecida anos depois, foi buscar na narrativa dos espíritos superiores, aquilo que lhes era comum. Ele denominou seu método, na introdução de O Evangelho Segundo o Espiritismo, de “controle universal do ensino dos espíritos”. Com isso, ele buscava conteúdos semelhantes através de médiuns diferentes, de preferência os que desconheciam as contribuições dadas pelos demais, como forma de controle da interferência do médium na comunicação. Em fenomenologia, isso se chama “redução fenomenológica”. Outro ponto do método de Kardec era evitar ideias pré-concebidas e ater-se aos conteúdos colhidos. Em fenomenologia isso se chama “suspensão de juízo”.

O mestre francês sempre analisava o conteúdo do que lhe era dito de forma compreensiva (o que significa o que o espírito disse? Está de acordo com os demais espíritos superiores? Faz sentido?) e utilizava a razão como forma de análise e comparação.

Em um artigo já publicado, desenvolvemos mais esse ponto de vista. Está no livro “O espiritismo, as ciências e a filosofia”, publicado pela parceria CCDPE-ECM e LIHPE, e é intitulado “Espiritismo e métodos de pesquisa em ciências hermenêuticas e fenomenológicas”.



Se aceita essa argumentação, entendemos que do ponto de vista metodológico e epistemológico, há conhecimentos no corpo da doutrina espírita que se desenvolveram com base na observação e experimentação (ciências naturais), há outros conhecimentos que são fruto da argumentação racional (filosofia), mas boas parte do corpo doutrinário repousa em uma análise fenomenológica daquilo que os espíritos disseram aos estudiosos do século XIX e que foi analisado por Allan Kardec (métodos qualitativos de ciências humanas). Boa parte da ética espírita tem uma dupla origem como conhecimento: os relatos da vida após a morte e das consequências das ações em vida (análise fenomenológica de Kardec), e a análise da ética cristã como referência ética para a humanidade (o que constitui parte do aspecto religioso do espiritismo, considerando-se, contudo, que Kardec busca uma fé raciocinada, ou seja, com contribuições dos métodos filosóficos, e não apenas uma “fé cega”)