16.5.09

ENTREVISTA COM ASTRID SAYEGH 3

Figura 1: Turma no IEEF - 2008
(Continuação das entrevistas dos dias 02 e 09 de Maio)


EC - Qual é a influência de Descartes na codificação?

ASTRID (IEEF) - Essa questão é bastante extensa, mas poderíamos dizer que Descartes inaugurou a fase do Racionalismo e do Idealismo, abrindo as portas para o Espiritualismo. Podemos perceber ainda sua influência na Filosofia Espírita, particularmente por afirmar a trindade das substâncias, assim como seus atributos.

EC - A visão de Deus em Kardec, excetuando-se o mito da trindade, assemelha-se à de São Tomás de Aquino?

ASTRID (IEEF) - Tomás de Aquino buscou conciliar os ensinamentos cristãos com a Filosofia de Aristóteles, e foi assim um dos primeiros filósofos a buscar conciliar a fé com a razão. Nesse sentido ele, já à época, nos traz provas racionais sobre a existência de Deus, algumas das quais parecem identificar-se com o conceito espírita, particularmente no que tange a um Ser Inteligente.

EC - Qual é a diferença entre a concepção de Deus dos iluministas (especificamente o deísmo de Voltaire) e a dos espíritos da codificação?

ASTRID (IEEF) - Segundo Voltaire Deus existe porque existe a ordem do mundo, ou seja, o relógio é a prova de que existe o relojoeiro. Também a Filosofia Espírita, em O Livro dos Espíritos, afirma que a harmonia do universo pressupõe uma causa inteligente. Argumenta ainda Voltaire que no universo há seres inteligentes e que, portanto supõe-se uma causa inteligente que anima o universo. Por outro lado, Voltaire é deista no sentido de que a existência de Deus não é um artigo de fé, mas sim resultado da razão. Embora a Filosofia dos Espíritos exalte a provas racionais da existência e dos atributos de Deus, ela não nega a importância da fé.

Nenhum comentário: