16.8.09

MUITO SERÁ PEDIDO

Figura 1: Culpa
O comentário de Allan Kardec em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, tornou conhecida no meio espírita a afirmação de Jesus: “Àquele a quem muito se deu , muito será pedido” (Lc 12:48).

O que se conhece pouco é o contexto no qual foi dita a frase magistral, que encerra uma história de Jesus para os apóstolos.

Jesus utiliza a imagem do senhor e dos servos. Na sociedade judaica, a servidão era uma forma de quitação de dívidas.

O Rabi conta a história de um senhor que saiu para uma festa de núpcias. À época, este tipo de festa poderia durar muitas horas e até dias. Como tivesse muitos servos ele escolheu um deles e repassou a responsabilidade sobre a casa. Neste caso, os demais servos deverão obedecê-lo e ele pode, segundo os costumes da época, puni-los com chibatadas se necessário for.

Diante do pequeno poder que lhe é confiado este servo pode fazer duas coisas. A primeira é ser zeloso com seus deveres, manter-se acordado (vigilante), pronto para atender a porta quando seu senhor chegar, com as lâmpadas de azeite acesas, mantendo a ordem na casa e tratando com humanidade os demais servos. A segunda é imaginar que o seu senhor demora a chegar, tornar-se arbitrário, espancar seus desafetos que se encontram sob sua autoridade, “comer, beber e embriagar-se”, esquecendo-se dos seus deveres e do seu lugar.

Jesus recomenda que o servo, temporariamente com as atribuições de administrador, mantenha os rins cingidos (esteja vestido adequadamente) e as lâmpadas acesas (Lc 12:35). Ele deve fazê-lo mesmo que o seu senhor chegue na segunda ou terceira vigílias (a noite era dividida pelos judeus em três vigílias), ou seja, tarde da noite.

Pedro parece perceber que Jesus está fazendo uma recomendação aos apóstolos e faz uma pergunta confirmatória (Lc 12:41), a qual é respondida afirmativamente, mas de forma igualmente metafórica.

O Mestre conclui sua parábola com uma explicação estranha, se tomada em separado, mas muito lógica. Se os servos exorbitarem na ausência do senhor, serão chicoteados (ou punidos, conforme a tradução), mas aquele que conhecia a vontade do seu senhor, será ainda mais punido.

Jesus ilustra o papel da vigilância na vida dos que desejam ser seus seguidores. Em linguagem espírita, é uma das passagens que mostra o papel da consciência do mal nas relações de causa e efeito.

Uma leitura psicológica possibilita a seguinte análise: além do sofrimento próprio da conseqüência dos atos equivocados, aquele que se reconhece negligente sofre duas vezes, porque lhe advém à mente que poderia ter agido de forma diferente para evitar as conseqüências indesejáveis.

No contexto contemporâneo, a história não se aplicaria apenas aos apóstolos, como na origem, mas a todas as pessoas. A vigilância não significaria apenas a fiel observância dos valores cristãos, mas a vida responsável pelas ações realizadas e a certeza de que nossas negligências ou cuidados desencadearão consequências futuras.

Nenhum comentário: