6.7.08

O Espiritismo é uma Religião?



Figura 1: Imagem da capa antiga do livro Religião, de Carlos Imbassahy

Para o Lucas Sampaio, com respeito e fraternidade.


“O Espiritismo será para uns simples ciência,


para outros mera filosofia,


sem já falar naqueles para os quais


não será coisa alguma”. Carlos Imbassahy




O livro foi escrito por uma das penas espíritas brasileiras mais lúcidas do século XX, em resposta a um parecer do Dr. Almeida Júnior, que em 1938, em resposta a uma consulta de pais que lhe pediam o ensino religioso espírita a seus filhos.
Almeida Júnior, considerada a dificuldade de atendimento da petição e as implicações que ela geraria para a educação em São Paulo, se atendida, fez uma leitura de muitos autores espíritas e de cientistas que se debruçaram sobre a questão da religião e defendeu a idéia de que as religiões envolvem uma relação entre as pessoas e o sobrenatural, que elas são fruto de revelações, que são divulgadas pela persuasão e que são crenças, alicerçadas na fé. Ele cita trechos de Kardec, Flammarion, Denis e Melusson que defendem ser o Espiritismo uma nova ciência de observação, uma filosofia, um abandono da abordagem metafísica da alma que não é estudada como algo sobrenatural.
Sempre de forma respeitosa e impessoal, Imbassahy defende no livro a tese oposta, ciente que algumas das implicações do entendimento do Espiritismo como uma doutrina científica ou filosófica situariam o movimento espírita à larga dos direitos constituicionais reservados às religiões em sua época (liberdade de culto, de tribuna, de imprensa, a faculdade de ensino em escola, a independência, o direito à expansão e as imunidades). Logo, não é apenas um debate filosófico, mas um debate cercado de implicações legais e sociais, especialmente à época em que foi escrito, na qual ainda se discutia a lei que proibiu as práticas espíritas no nascimento da república.
Imbassahy, com calma e profundidade, aponta as fragilidades da tese de Almeida Júnior. No capítulo intitulado “Religiões Filosóficas”, ele analisa o Budismo e as doutrinas indianas, mostrando que são filosofias de caráter religioso. Destacando seu caráter moral, o autor baiano conclui que: “o mistério, o sobrenatural, o dogma não são característicos de uma religião, dela não fazem parte essencial, não entram no seu conceito: que há religiões, como tais consideradas, a que geralmente se dá o nome de filosóficas, tal como acontece com o Espiritismo (...) E se assim é, não sabemos porque negar ao Espiritismo, ou melhor, à sua parte teológica, o nome de religião, quando às demais doutrinas filosófico-morais não é ele negado, retidado ou vedado”.
No capítulo “O Cristianismo”, Imbassahy aponta a dupla origem do termo religião, relegere (tratar com cuidado), como utiliza Cícero e relicare, como empregam Lactâncio, S. Jerônimo e Santo Agostinho, com o sentido de religar, ligar, significando a relação do homem com Deus. O autor baiano desenvolve a tese de que o Espiritismo é uma religião cristã, porque admite os ensinos de Jesus, e os interpreta em coerência com a filosofia espírita. Carlos Imbassahy faz uma pesquisa detalhada na obra de Kardec mostrando a importância que o codificador destina ao desenvolvimento do “sentimento religioso”, aponta como seu verdadeiro caráter o amor entre os homens, propõe a união dos princípios fundamentais no “amor a Deus e na prática do bem”, e apresenta o conhecido trabalho de Kardec que qualifica o Espiritismo como sendo o Consolador prometido por Jesus, a continuação dos evangelhos.
“Pelas leis morais do Cristo, que segue; pela parte do Cristianismo, que representa; pela obrigação que se impôs de divulgar o Evangelho; pelo dever, que mantém de colocar as leis divinas acima de tudo, como a fonte do progresso humano, o Espiritismo reivindica a parte que lhe cabe no seio das religiões.” (páginas 96-97)
O próximo argumento discutido é a alegação de Almeida Júnior, que diversos espíritas consideram o Espiritismo uma ciência. O argumento de Imbassahy repousa no tríplice aspecto, ou seja, que o Espiritismo é composto de três partes, uma religiosa, uma filosófica e uma científica, concluindo ser natural “que seus adeptos o tratem por uma de suas partes”.
Ele mostra que Almeida Júnior selecionou as partes que interessavam à defesa de suas idéias e lançou fora as outras que se lhe opunham. Cita a profissão de fé espírita racional, publicada por Kardec em Obras Póstumas (páginas 100-101) e inúmeras passagens do livro “O Céu e o Inferno” nas quais Kardec destaca as conseqüências morais dos atos das pessoas na vida após a morte. Imbassahy argumenta que Kardec busca evitar o fanatismo ao destacar sua parte científica, mas que “não eliminou sua parte religiosa, a ela dedicou especial atenção e dela fez a cúpula para o seu majestoso edifício doutrinário.”
Outro argumento desenvolvido diz respeito à prece, que nunca teria sido considerada científica e que foi objeto de diversas publicações do codificador, incluso aí o capítulo extenso de “O Evangelho Segundo o Espiritismo” dedicado a este tema.
Neste capítulo há uma dissertação de Imbassahy sobre o sentido do que Kardec denominava “conseqüências morais” da Doutrina Espírita, e com base no diálogo com o sacerdote de “O Que é o Espiritismo” ele mostra que o codificador entendia que essas conseqüências “são a conformação e a prova dos grandes princípios da religião”, ou seja, são consistentes com uma dimensão religiosa da doutrina espírita. Carlos Imbassahy discute também o fato de Kardec evitar o emprego do termo religião para designar o Espiritismo.
Retomando as afirmações de Almeida Júnior, sobre o entendimento dos discípulos de Kardec quanto ao caráter científico do Espiritismo, Imbassahy vasculha a obra de Leon Denis e apresenta diversas passagens nas quais a negação do caráter religioso seria contraditório com a sua argumentação.
Um capítulo é dedicado às origens do Espiritismo. Imbassahy desenvolve seu raciocínio em três pilares: o de que é falacioso afirmar que as religiões originaram-se de uma revelação, posto que a construção da revelação lhes é sempre posterior à vivência do fato religioso, o de que o Espiritismo é considerado a terceira revelação e, por fim, que não é verdade que as religiões sempre se opõem à filosofia e à racionalidade, subordinando o raciocínio à fé.
Após um capítulo breve sobre o conhecimento, o autor desenvolve a questão do mistério, do sobrenatural, do sacerdócio, do dogma, dos ritos, do culto e do templo na caracterização de uma religião. O argumento central é que não há uma regra comum e rígida capaz de enquadrar todas as religiões, que têm muitas diferenças entre si. Em linguagem moderna, este conceito externalista de religião não é, senão, etnocêntrico e positivista. O autor faz uma revisão de conceitos em diversos filósofos que tentam circunscrever a essência da religião a partir do sentimento religioso, com suas diversas variações. “... das definições propostas por autores vários, inda os menos liberais, que o Espiritismo se sente à vontade dentro delas. Outras há que lhe cabem inteiramente.” (página 141).
Um argumento corajoso do autor baiano, com relação ao ritos, é que não se pode dizer que o Espiritismo não os tem, mas que há sempre uma razão para as cerimônias e ritos simples do Espiritismo. Nas instituições científicas há igualmente o que os cientistas sociais denominam como rituais ou ritos, nem sempre racionais, muitas vezes legitimados apenas pela tradição, cuja racionalidade se perdeu nos tempos, podemos adicionar aos argumentos do “Bozzano Brasileiro”. Não lhe passou despercebido também o caráter dogmático da existência de Deus no Espiritismo.
Um capítulo demorado sobre a concepção espírita dos Evangelhos, em oposição ao conceito que os materialistas fazem deles é seguido de uma breve defesa do Espiritismo como uma interpretação do Cristianismo e um dos “galhos” da árvore das religiões. Este pequeno capítulo é objeto de rápidas considerações sobre divulgadores de grandes religiões no mundo: Moisés, Brama, Zoroastro, Jeremias, Buda, Lao-Tsé, Confúcio, Sócrates e o Cristo. Carlos Imbassahy mostra elementos comuns entre o Espiritismo e as doutrinas destes homens.
O autor termina o livro com um capítulo sobre a oração, narrando, inclusive, vivências pessoais.
Passado meio século os tempos são outros, os interesses que movem o debate sobre o caráter religioso do Espiritismo também são outros, mas o livro de Carlos Imbassahy, claro, respeitoso, lógico, continua sendo importante para os que desejam discutir a questão, sob o risco de abordarem questões já desenvolvidas com competência como se nunca tivessem sido tratadas antes.

Livro: Religião
Autor: Carlos Imbassahy
Editor: Federação Espírita Brasileira – FEB
218 páginas
12,5 X 18,5
2a. Edição
1951 (?)

Resenha de Jáder Sampaio

3 comentários:

Anônimo disse...

A questão do caráter religioso do Espiritismo é um assunto recorrente, e que nos assola, a nós espíritas com freqüência. As duas alegações que escuto são de que a Igreja não o reconhece como tal. E a outra se refere a mediunidade. Segundo esta corrente, somente Deus pode se manifestar e todo o resto é obra do Demônio. Sendo assim, o Espiritismo não pode sre uma religião, devendo até ser combatido.
Às duas alegações, o raciocínio de Imbassahy de que o Espiritismo ´´por reconhecer as leis morais do Cristo como fonte do progresso humano`` e conseqüentemente um guia de conduta para o espírita, encerra a questão.
Penso que toda doutrina filosófica que busca tirar o homem de sua animalidade e leva-lo a ser Humano aproximando-o de Deus, é uma religião. Independente dos dogmas vigentes.

José Luiz Moreira

Anônimo disse...

O espiritísmo é uma religião antibíblica.

Jáder Sampaio disse...

Prezado amigo evangélico,

Respeito sua opinião sobre o Espiritismo, mas você já deve saber que não a compartilhamos.

Para uma suposta religião antibíblica, nós nos dedicamos muito estudando-a e analisando-a.

Fratenalmente,

Jáder Sampaio