28.2.10

ANTROPOLOGIA DA IMAGINAÇÃO





Finalmente consegui adquirir a tradução em língua portuguesa do clássico da antropologia francesa sobre o Espiritismo: A Mesa, o Livro e os Espíritos: Gênese, Evolução e Atualidade do Movimento Social Espírita entre França e Brasil, escrito por Marion Aubrée e François Laplantine.

O projeto é imensamente ambicioso, porque, além do estudo de campo, há uma intenção de comparar a trajetória histórica dos movimentos francês e brasileiro.

Sempre achei interessante o conceito de etnocentrismo. O olhar e a escuta dos pesquisadores franceses privilegiam no Brasil os aspectos que eles consideram míticos do Espiritismo. Da mesma forma que dizem que construímos uma representação social dos franceses como pessoas sofisticadas, os pesquisadores não conseguem evitar aquela representação de “carnaval, futebol e pobreza”, que a mídia construiu no imaginário internacional. Como não há conexão entre Espiritismo e futebol, ficou o carnaval e a pobreza. Já me explico.

Minha experiência pessoal com professores franceses, é de uma relação vertical com os professores brasileiros. Talvez estejam acostumados a recebê-los como alunos do lado de lá do Atlântico e generalizem indevidamente... A exceção que posso registrar foi a professora Helena Hirata. Supervalorizam o olhar estrangeiro sobre o Brasil, e nunca tive notícias de comentários sobre um olhar brasileiro sobre a França

Para que esta matéria não fique grande, vou tratar diversos pontos curiosos do livro em outras matérias. Escolhi o Pacto Áureo como primeiro ponto. Eles articulam o pacto áureo à Umbanda. Ele seria uma espécie de recomposição do movimento espírita, frente à ameaça da Umbanda, uma prática mais nacionalista, porque incorporava elementos dos cultos afro e indígenas (não há menção ao sincretismo católico, tão exaustivamente descrito por Deolindo Amorim e outros autores).

De fato, existia uma preocupação à época com os sincretismos, o que envolve as doutrinas orientalistas e o próprio catolicismo. O livro O Espiritismo e as Doutrinas Espiritualistas é uma das respostas do movimento a esta tendência sincretizante, que deve ter se expandido após a ditadura Vargas, que proibiu e controlou não apenas as manifestações espíritas, mas todos os espaços de assembléias que pudessem significar alguma resistência ao regime.

Contudo, o Pacto Áureo nos soa como uma recomposição interna do movimento. Havia estados com duas ou mais organizações com papel de federativa, como era o caso de São Paulo e Rio de Janeiro, uma organização que congregava intelectuais do Rio de Janeiro, São Paulo e possivelmente outros estados, que era a Liga Espírita do Brasil.Estas instituições disputavam entre si, dividindo o movimento.

Foi em um evento da Liga Espírita do Brasil, por sinal um evento internacional, que se tentou acertar um acordo nos bastidores, aproveitando a presença de lideranças importantes do eixo sul-sudeste. Delineada em seus princípios, uma comissão foi formada e iniciou diálogo com a presidência da Federação Espírita Brasileira, preservando a FEB, mas criando um Conselho Federativo Nacional, representativo das federativas estaduais.

Decidiu-se um critério para evitar criar um órgão com mais de uma representação estadual, o que foi uma ação claramente contra a divisão que existia em um movimento que, longe de estar frágil como parece entender Aubrée e Laplantine, enfrentou uma ditadura e manteve-se com um número substantivo de sociedades e federativas espíritas.

A primeira ação do Pacto Áureo foi a Caravana da Fraternidade, que tendo por interlocutor Leopoldo Machado e por financiador Lins de Vasconcelos, um dos mais hábeis articuladores do pacto, viajou pelo norte-nordeste em busca de uma adesão nacional.

Não houve campanhas institucionais contra a Umbanda, especificamente. Desde a mais tenra idade, vejo um esforço contra o sincretismo em geral pelo movimento espírita.

Aubrée e Laplantine dizem que as federações “resolveram criar uma ‘Grande Conferência Espírita’ para criar o Conselho Federativo Nacional”. Dizem também que, ao término da conferência que reuniu “os presidentes de todas as federações de estado, que defendiam a orientação kardecista, foi assinado o ‘Pacto Áureo’ que consagrava a aliança indefectível de todas as instituições que o assinavam, fossem subordinadas à FEB ou fossem autônomas, como, entre outras a FEESP...” (p. 198-199)

Nada mais estranho aos trabalhos que li que esta análise. O CFN é um órgão sediado na FEB, autônomo e, apesar da falta de autonomia financeira, não é subordinado a ela. Não houve participação de todas as federativas “de orientação kardecista”, como mostrei acima, e não há tanta centralidade da ameaça umbandista por detrás do Pacto Áureo.

O mais curioso é que sobram documentos e livros sobre o mesmo. Escritos até por pessoas que votaram em suas federativas contra o pacto, como é o caso de Memórias e Reminiscências Espíritas, de Deolindo Amorim, e dos inúmeros livros escritos por Leopoldo Machado, documentando suas viagens em detalhes. Ney Lobo publicou um trabalho sobre Lins de Vasconcellos detalhado e com reprodução de inúmeros documentos.

Minha impressão pessoal é que Aubrée e Laplantine preencheram os espaços em branco abertos pela ambição do projeto e pela falta de tempo e acesso a informações importantes com hipóteses imaginativas. Esta impressão se repete ao longo da leitura da tese. Como lhes falta interlocução, as fragilidades permaneceram. Houve também um privilégio aos autores acadêmicos que produzem sobre o Espiritismo, o que é muito curioso, porque os autores estrangeiros fazem análises etnocêntricas e nem sempre bem justificadas. Mais recentemente antropólogos brasileiros têm desconstruído pontos mais polêmicos.

Nada disto foi visto pelos colegas franceses, que ficaram mais impressionados com as supostas comunicações de médiuns e com o que teria caráter mítico (o papel da espiritualidade na história, na obra de Chico Xavier, a psicopictografia de quadros de pintores impressionistas, por exemplo, que é vista como um realismo fantástico pelos autores europeus), como se viessem ao Brasil assistir a um desfile de carnaval...

Em um próximo trabalho tratarei da questão da pobreza para os franceses e da ação social espírita.
(Agradeço ao Prof. Alexandre Caroli as sugestões ao texto e a atenção com que o recebeu.)

Nenhum comentário: