27.6.11

AUSCHWITZ, 60 ANOS DEPOIS


Figura 1: Espíritas acompanham Divaldo Franco à visita a Auschwitz. Na faixa de metal a frase sinistra de duplo sentido: o trabalho liberta.

O Nacional-Socialismo ascendeu na Alemanha patrocinado pelas cláusulas leoninas do Tratado de Versalhes, que impôs a pobreza e uma dívida de guerra muito superior à capacidade financeira dos aliados do império Austro-húngaro.

A sobrevivência tornou-se companheira da humilhação. Esta irmã do orgulho logo aceitou com facilidade as teses que culpabilizariam injustamente os descendentes do povo judeu radicado nas terras germânicas pelo armistício e pelo sofrimento imposto aos seus coirmãos.

O Dr. Carl Jung, anos depois da segunda guerra, receberia um prêmio por seu trabalho sobre o mito de Wotan, que versa sobre a psicologia do povo alemão após a derrota diplomática da primeira guerra.



Figura 2: As belas construções, não fossem as cercas, aparentariam belos casarões que acolheriam alguma indústria. Hoje foram transformados em museu.

Uma inflação jamais vista,  a perda do poder de compra do marco alemão e o empobrecimento das massas, trouxeram um ódio silencioso, a necessidade de culpabilização de um terceiro e um desejo de reparação, a esperança de um herói messiânico, que como Wotan acordaria de seu sono e congregaria forças ao redor de si para uma nova marcha vitoriosa sobre as forças opressoras.

O desenvolvimento tecnológico e o novo crescimento econômico trouxeram em seu bojo as promessas rancorosas do partido Nacional Socialista, que acusava, culpabilizava e prometia punição indistinta ao povo judeu, assim como uma perseguição contra as minorias que teriam enfraquecido as fortes raízes germânicas.



Figura 3: Divaldo diante dos fornos crematórios

O discurso emocional tomou conta do povo alemão que conduziu ao poder não apenas um homem, mas uma ideia totalizadora que trazia em seu bojo as tristes propostas da eugenia e o nefasto conluio genocida.

O genocídio é o assassinato frio e premeditado de um povo, uma comunidade, uma etnia. A acusação gratuita e infundada da conspiração para a derrota diplomática alemã tornou-se juiz e julgado, pena de morte para todo e qualquer descendente hebreu ao alcance das garras de aço ensanguentadas do poder eleito e centralizador.

Figura 4: Uma das tristes lembranças da ideologia genocida


A guerra fortaleceu ainda mais o poder central, e das mesas da burocracia alemã surgiram os papéis secretos que foram dando forma ao que se intitulou "solução final". Tamanho o opróbio da proposta, que nem mesmo o sofrido povo alemão a aceitaria se tivesse consciência plena dos projetos autorizados por seu Füher. Sob a lógica da exceção que o conflito armado institui, judeus, homossexuais, socialistas e outras minorias indesejáveis seriam segregadas e enviadas a guetos e campos de concentração, ou apenas simulacros destes.

Ações isoladas, mas engendradas, deram início ao objetivo vergonhoso: o extermínio. Pelotões de fuzilamento em florestas e  furgões com a caçamba lacrada onde se respirava o monóxido de carbono dos escapamentos foram alguns dos precursores da câmaras de gás e dos grupos de trabalho que expoliavam dos corpos a sua última diginidade humana, arrancando dentes de metal, despindo-os e usurpando da morte covarde o último direito, o da sepultura digna. Amontoados de corpos eram queimados ou acumulados em covas coletivas cujo destino final seria o manto de terra e o reflorestamento, que ocultaria para sempre da memória da humanidade os atos ali cometidos.

Figura 5: Palestra de Divaldo Franco no Centro de Cultura - Polônia

Quis Deus e a coragem dos homens que esta história não morresse com o sufocar da garganta das vítimas. Estima-se que seis milhões pereceram, mas os sobreviventes não se calaram. Ainda choram pelos seus mortos e contam ao mundo as histórias de horror que um dia saíram do mais negro imaginário humano para habitar na orgulhosa civilização européia.

As paredes do campo de extermínio de Auschwitz estão vivas. Elas ainda guardam a dor de pais que perderam seus filhos, maridos que viram, impotentes, suas esposas serem devoradas pelos anjos da morte, seus pais, alguns já anciâos, padecerem a vergonha da nudez e a dor da separação imposta pelo espírito da morte. Tudo muito limpo e organizado, como convém ao espírito germânico, enlouquecido pelo ódio ou silenciado pelo medo.


Figura 6: Divaldo autografando

Passadas quase seis décadas, ergamos nós, espíritas, uma prece pelos algozes e por aqueles que se endureceram após a morte no desejo igualmente louco de vingança, aqueles que se ataram aos perseguidores, na sanha insana de obter alívio repetindo os gestos e atos dos atormentados. Não permitamos que o mundo esqueça do que é capaz o homem e não esqueçamos nós o que trazemos no fundo de nossa alma, para que o passado não retorne ao presente e Wotan continue adormecido com seus guerreiros e seu fogo destruidor.

Figura 7: A Diretora do Centro de Cultura oferece flores a Divaldo Franco

Texto: Jáder Sampaio
Fonte: Délcio Carvalho
Fotografias: Autor Desconhecido
Agradecimentos: Ubirajara Costa

2 comentários:

Kelly Moraes disse...

Muito triste saber que isso aconteceu na nossa história. Parabéns pelo texto, Jader. Façamos mesmo uma prece pelos espíritos endurecidos.

P.S. Seria bom se você colocasse no blog um item de compartilhamento das suas postagens nas redes sociais como twitter e facebook.

Ricardo disse...

Que os responsáveis por esse genocídio,possam,com a ajuda de Deus e o amparo de Jesus,reparar todo o mal que fizeram,e permutar o ódio pelo amor universal.Muito bom o texto,Jáder!Paz e luz!