26.5.09

QUE SIGNIFICA O RAMO DE VIDEIRA QUE OS ESPÍRITOS PROPUSERAM A KARDEC?


Figura 1: Imagem reproduzida do "Primeiro Livro dos Espíritos", traduzido por Canuto Abreu.


Recebi uma pergunta da Ana sobre a qual nunca me havia detido sobre o símbolo que os espíritos sugeriram representar o trabalho de Deus.

“As dúvidas principais, ou melhor, o não consenso foi em relação ao licor e ao bago.
As interpretações:


O espírito é o licor: seria a seiva que corre dentro da cepa ou o suco que sai da uva? O bago: é a uva (com a sementinha e seu envoltório) ou a sementinha dentro da uva?

Primeiramente fui ao texto em francês, que domino pouco, e encontrei mudanças entre a primeira e a segunda edições, que passo a reproduzir abaixo:

“Tu mettras en tête du livre le cep de vigne que nous t'avons dessiné (¹), parce qu'il est l'emblème du travail du Créateur; tous les principes matériels qui peuvent le mieux représenter le corps et l'esprit s'y trouvent réunis: le corps, c'est le cep; l’ame c’est le grain; l’esprit c’est La liqueur; c’est. l'homme qui quintessencie l'esprit par le travail et tu sais que ce n'est que par le travail du corps que l'esprit acquiert des connaissances.” (Primeira edição – Canuto Abreu)


“Tu mettras en tête du livre le cep de vigne que nous t'avons dessiné (¹), parce qu'il est l'emblème du travail du Créateur; tous les principes matériels qui peuvent le mieux représenter le corps et l'esprit s'y trouvent réunis: le corps, c'est le cep; l'esprit, c'est la liqueur;l'âme ou l'esprit unis à la matière, c'est le grain. L'homme quintessencie l'esprit par le travail et tu sais que ce n'est que par le travail du corps que l'esprit acquiert des connaissances.” (Segunda Edição – Federação Espírita Belga

Marquei as diferenças de tradução em vermelho. Como se vê, foram apenas um esforço de Kardec em deixar mais claro o que ele queria dizer.

Tetê du livre

Canuto Abreu – frontal do livro
Evandro Bezerra – cabeçalho do livro
Guillon Ribeiro – cabeçalho do livro
Herculano Pires – cabeçalho do livro
Salvador Gentile – cabeça do livro

Cabeçalho –“título e primeiros dizeres de qualquer publicação”

Em suma, a idéia dos espíritos é colocar no começo do livro, no início do livro. Parabéns à FEB por finalmente colocar o desenho da vinha na capa de “O Livro dos Espíritos”.

Le cep du vigne

Canuto Abreu – a cepa de vinha
Evandro Bezerra – a cepa
Guillon Ribeiro – a cepa
Herculano Pires – o ramo de parreira
Salvador Gentile – a cepa de vinha

Cepa – “tronco da videira, donde brotam os sarmentos” (sarmento – vide: rebento da videira, braço ou vara da videira)

Le corp’s c’est le cep

Herculano: O corpo é o ramo
Todos os outros tradutores: o corpo é a cepa

l'esprit, c'est la liqueur

Canuto Abreu – o espírito, enfim, é o vinho
Evandro Bezerra – o espírito é a seiva
Guillon Ribeiro – o espírito é o licor
Herculano Pires – o espírito é a seiva
Salvador Gentile – o espírito é o licor

Liqueur vem do latim “liquefazer”. Há um sentido para a palavra que é o de substância fluida ou líquida. A palavra seiva, em francês é sève, que é o líquido que nutre os vegetais. Não encontrei nos dicionários que procurei uma sinonímia entre licor e seiva.

l'âme ou l'esprit unis à la matière, c'est le grain

Canuto Abreu – a alma é o bago (diferença da primeira edição)
Evandro Bezerra – a alma, ou espírito ligado à matéria, é o bago
Guillon Ribeiro – a alma, ou espírito ligado à matéria, é o bago
Herculano Pires – a alma, ou espírito ligado à matéria, é o bago
Salvador Gentile – a alma, ou espírito ligado à matéria, é o grão

Encontrei no dicionário de francês dois sentidos para grain que se aplicam ao texto: “semente de cereal” e “pequena fruta redonda.”
Bago, no dicionário de português, viria de baga e significa cada fruto do cacho de uvas.

Minha conclusão aqui é com a maioria dos tradutores (perdoe-me Gentile, mas sua tradução literal o traiu). Trata-se da uva.

L'homme quintessencie l'esprit par le travail

Canuto Abreu – O homem é quem, pelo trabalho destila o espírito (primeira edição)
Todos os outros autores – O homem quintessencia o espírito pelo trabalho

Quinta-essência: “substância etérea e sutil, extraída do corpo que a continha; extrato retificado, levado ao último apuramento”; “substância considerada pelos alquimistas como o quinto elemento, além da água, da terra, do fogo e do ar e obtida após cinco destilações sucessivas; o mais alto grau, o requinte, o auge; o que há de melhor”

Discussão:

Depois de todo este esforço de Hermenêutica, matéria sobre a qual Canuto Abreu tinha notório saber, o que posso concluir é o seguinte:o corpo é a rama da videira, a alma ou espírito unido à matéria é a uva e o espírito é o líquido dentro da uva, seu suco. Através do trabalho, o ser humano transforma o suco em vinho, ou seja, a destila, retira sua quintessência, transforma o espírito em um espírito do mais alto grau, superior, evoluído.

13 comentários:

Ana disse...

O estudo em grupo é realmente muito interessante. A possibilidade de compartilhar idéias, os resultados das pesquisas, tudo vem para o nosso enriquecimento. O tema aqui apresentado e que está em Prolegômenos de O Livro dos Espíritos proporciona discussão e estudos interessantes e o embasamento como foi apresentado, buscando a tradução de cada autor, traz bastante clareza na interpretação do significado do ramo da videira. Como interessada no assunto só tenho a agradecer por tão completa resposta.

Marlene disse...

Oi,Jader! Muito esclarecedora a sua resposta.
Eu tb tinha dúvidas .
Valeu ... e muito !

Rosana disse...

Achei muito interessante e esclarecedora a sua pesquisa, no entanto ainda tenho uma grande dúvida sobre esse parágrafo. Quando eles dizem: " O espírito é a alma ou espírito unido à matéria é a uva e o espírito é o líquido dentro da uva" , alma e espíritos são coisas distintas? Se puder me ajudar, eu agradeço.
Rosana

Jáder Sampaio disse...

Rosana,

Na introdução de "O Livro dos Espíritos", item II, Kardec revê os conceitos mais comuns de sua época para a palavra alma. Ele adota inicialmente o conceito espiritualista que seria "a alma é um ser moral, distinto, independente da matéria e que conserva sua individualidade após a morte."

Posteriormente, ao longo da obra ele irá definir Espíritos como "...seres inteligentes da Criação. Povoam o Universo, fora do mundo material" (questão 76). A partir deste momento, ele distingue Espíritos do conceito anterior de Espírito (princípio inteligente) e vai reservar a palavra alma para os Espíritos encarnados (questões 134, 134a e 134b).
Trata-se apenas de uma distinção didática, posto que a essência de alma e Espírito é a mesma.

Espero ter esclarecido.

Um abraço

Jáder Sampaio

Cheila Lessa disse...

Adorei este blog. A resposta para Ana sobre o significado do ramo de parreira denota o Espírito de pesquisa e reflexão que devem nortear todos os que estudam e divulgam a Doutrina Espírita. Graças a Deus alguém com prudência e cuidado está também na Internet facilitando os estudos necessários à nossa cultura de aprendizes. Abraços a todos. Cheila

Ruth eleuterio disse...

Muito esclarecedora a explicação. Realmente, não havia entendido bem lendo o livro dos espíritos!
Obrigada por este presente!

Mauperes disse...

Aproveitando o ensejo, PROLEGÔMENOS, Jáder vc poderia me explicar o que realmente afirma os Espíritos superiores no 6º parágrafo quando diz "Este livro é a compilação dos seus ensinamentos. Foi escrito por ordem e sob o ditado dos Espíritos superiores para estabelecer os fundamentos de uma filosofia racional, livre dos preconceitos do espírito de sistema. Nada contém que não seja a expressão do seu pensamento e que não tenha se submetido ao seu controle. Somente a ordem e a distribuição metódica das matérias, assim como as notas e a forma de algumas partes da redação são obras daquele que recebeu a missão de o publicar." essa tradução e do Sr. Gentile. De quem é autoria das perguntas que constam nos L.E., Sr.Kardec ou Espíritos Superiores.. exemplo, quem criou está pergunta? 1- Que é DEUS? Eu, alexandre, não consigo considerar Kardec, com o autor das perguntas do Livro dos Espíritos, e que somente as respostas ficaram para os Espírtos! Essa teoria me intriga! Seria um atavismo?
Um grande abraço e obrigado pela oportunidade!

Jota Pedroso EVP disse...

Ótimo.

Anônimo disse...

EXCELENTE!!!!!!! ALIÁS SEU BLOG É MUITO BOM! FICO FELIZ DE SABER QUE NO MOVIMENTO ESPÍRITA EXISTEM PESSOAS COMO VC! ABRAÇOS. DAVID VELOSO FURTADO-RIO POMBA.

Carpes Midoes disse...

Dos 4 reinos, o de quintessencia seria o possivel quinto "reino" reencarnatorio?

Jáder Sampaio disse...

Carpes, desculpe a demora em responder sua questão. Coloquei no texto todos os sentidos possíveis da palavra quintessência, incluindo o sentido alquímico, que não me parece ser o utilizado no texto. Foi usada a palavra quintessência com o sentido de transformar o suco em vinho, sendo o vinho considerado um produto mais nobre que o suco. Como metáfora, os espíritos desejam dizer que se deve fazer um grande esforço para transformar o espírito em um espírito superior, melhor, da mesma forma que se transformou o suco em vinho.

Jáder Sampaio disse...

1 Rubrica: filosofia.
em Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.), o elemento etéreo que compõe as esferas celestes, distinto em sua quase imaterialidade das quatro propriedades naturais (terra, água, fogo e ar) que constituem os corpos densos no mundo sublunar; éter
2 Derivação: por extensão de sentido. Rubrica: ocultismo.
na alquimia renascentista, esp. em Paracelso (1493-1541), elemento de caráter puro, dominante e essencial, extraível das substâncias que compõem os seres vivos ou minerais, e buscado em função de seus poderes curativos e miraculosos
3 Derivação: por extensão de sentido.
o essencial, o mais puro, o melhor ou o principal de alguma coisa
Ex.: a santidade é a q. do espírito religioso
4 Derivação: por extensão de sentido.
o que há de mais refinado, de mais precioso
Ex.: este vinho é a q.

Fonte: Dicionário Houaiss

Simone disse...

Bastante esclarecedor! Muito grata