14.2.12

RECORDAÇÕES DE ZÉ ARIGÓ



O site Espiritismo BH entrevistou Leida Oliveira, pessoa que trabalhou desde a juventude com José Arigó, médium curador de família católica que foi estudado por José Herculano Pires no livro cuja capa se acha apresentada acima.

Ela fala da infância, surgimento da mediunidade, curas realizadas, perseguições por parte da igreja, a relação com médicos e o processo por curandeirismo e exercício ilegal da medicina.

O indulto da pena de prisão de José Nilo (pai de Leida) e Arigó por Juscelino Kubistcheck é um dos eventos narrados por sua biógrafa oral. Tendo sido novamente preso em Lafaiete, ele era procurado na cadeia pelas pessoas sem acesso ao tratamento médico e continuou suas atividades mediúnicas.

A recuperação da época por Leida lembra muito a relação da sociedade com Chico Xavier e com o espiritismo em geral, apesar de Arigó (que significa matuto, caipira) não ter estudado a doutrina como o médium de Pedro Leopoldo/Uberaba.

De um evento curioso do interior das Minas dos anos 50 ao impacto internacional de seus fenômenos, Leida faz uma narrativa deliciosa, que nos prende do início ao fim.


Outra dica: a Leida é autora de um livro sobre Arigó. Eu ainda não li, mas vamos conferir?


3 comentários:

Anderson disse...

Jáder,

belo trabalho esse de lembrar o trabalho efetuado por Arigó e o dos seus [pouquíssimos] biógrafos. Hoje, como ontem, quando vejo palestrantes [de renome até] simplesmente condenando o trabalho da cirurgia mediúnica, com ou sem cortes, sem, normalmente, ter-se dado ao trabalho de realizar um estudo minucioso sobre o fenômeno fico estarrecido. Compreendo também porque, em termos, filosóficos, científicos e acadêmicos o Espiritismo não conseguiu desenvolver-se no maior país espírita do mundo. Pouquíssimos foram os ESPÍRITAS, sejam médicos, psicólogos ou até parapsicólogos que formaram alguma comissão sequer para analisar, documentar e avaliar o fenômeno do ponto de vista científico, mediúnico e ESPÍRITA.
Ainda hoje temos médiuns na mesma condição do Arigó que são avaliados por médicos e comissões estrangeiras, mas, até hoje, ainda não encontrei uma referência a uma comissão de espíritas que tenham se valido do conhecimento doutrinário, acadêmico e científico para estudar o caso. Se existir ficarei imensamente agradecido em ser informado sobre a mesma.

Espero que este panorama mude. Um forte abraço e obrigado por nos trazer esta entrevista.

Anderson Santiago
analisesespiritas.blogspot.com

Jáder Sampaio disse...

Anderson,

Obrigado pelo incentivo. De fato, temos que estudar mais, e acho que os espíritas tínhamos que pesquisar o fenômeno espiritual, como o faziam nossos precursores europeus.

Sei que o Dr. Alexander pesquisou um médium que está na mídia atual, João de Abadiânia. Ele fazia parte de um grupo de pesquisas da USP, quando o fez.

Sei também que a Associação Médico-Espírita tem alguns trabalhos apresentados sobre fenômenos de cura, e eles alertaram a população para casos de cortes desnecessários.

Recordei-me de uma pesquisa feita pela equipe de Planeta com a mediunidade de Edson Queiroz. Eles fizeram o acompanhamento de uma noite de trabalhos e depois foram às casas dos pacientes, no intervalo de uma semana para ver o que havia acontecido.

Recordo-me de uma pesquisa feita envolvendo a mediunidade de Raul Teixeira, mas nunca tive acesso aos artigos. Foram pesquisadores estrangeiros.

Lembro dos livros publicados por Nazareno Tourinho.

Penso que se nos ativermos à questão, encontraremos muito material, mas ele está disperso, alguns livros esgotados. Mereceria um levantamento sistemático. Você se habilita?

Um abraço

Jáder

Mari disse...

Olá amigo, bem interessante esta matéria sobre Arigó. Concordo que nós espíritas devemos procurar saber mais sobre os precursores do espiritismo, e todos os seus vultos.
Tenha um maravilhoso feriado!!
Beijos no coração!♥
Mari