1.6.16

ESPÍRITA FRANCESA CONTA HISTÓRIA DE REENCARNAÇÃO A ROCHAS


Foto de Rufina Neuggerath


O Coronel Albert de Rochas publicou um livro sobre recordações de outras vidas obtidas pelo magnetismo, chamado As Vidas Sucessivas. É um livro importante para o espiritismo, porque ele obtém através de meios empíricos, fenômenos que sugerem a existência da reencarnação, ainda que inconclusivos.

Em uma parte de seu livro encontramos uma carta escrita a ele por Rufina Neuggerath, conhecida como boa mãe dos espíritas, que mantinha um grupo mediúnico na segunda metade do século XIX, na França.

Rufina teve contato com os estudos de Rochas, e resolveu enviar um caso que ela teve contato para avaliação do estudioso, que o publicou.

O príncipe Wisznieuwski viajava com o príncipe Galitzin e encontrou uma moça em condição de mendicância, que lhes chamou a atenção. Eles resolveram adormecê-la (hipnotizá-la ou magnetizá-la) e o fizeram em um hotel, após pagar-lhe o jantar.

Em estado sonambúlico ela afirmou que havia morado na Itália, que era a Condessa de Y., morava em um castelo e era cruel. Ela empurrou o marido de um rochedo, o que foi visto pela cidade como um acidente, e permaneceu impune até a desencarnação.

Os nobres resolveram investigar o relato e foram ao local. A maioria das pessoas de lá não haviam ouvido falar no incidente, até que um camponês se recordou do evento, que havia ouvido falar quando era criança. Dispôs-se a mostrar o rochedo e afirmou que muita gente desconfiava da condessa, mas ela não foi condenada.

O caso chama a atenção, porque ainda no século XIX encontramos uma tentativa de verificação das informações de um sonâmbulo que alega recordar-se de vida passada. Se o relato do camponês for confiável, àquela época, há evidência que não se trata de fabulação ou ecmnésia, hipóteses psiquiátricas para as recordações alegadas de vidas passadas.

Nenhum comentário: