20.4.08

Dor, Aperfeiçoamento e Resgate



É muito comum nos meios espíritas, ante a dor, as pessoas tentarem explicar a justiça divina através da reencarnação. Recentemente o episódio brutal do garoto que foi arrastado por criminosos no Rio de Janeiro gerou uma mensagem que rapidamente se espalhou pela internet, aludindo o seu sofrimento a uma suposta encarnação antiga no período do império romano.

O Centro Espírita onde esta mensagem teria sido psicografada veio a público admitindo a sua procura pelos pais, mas negando a autoria desta mensagem por seus médiuns.

Kardec, defensor do conceito de justiça divina, não reduziu os males do mundo à estreita equação, dor = expiação reencarnatória, pelo contrário, desenvolveu um pensamento bastante rico e matizado para que o homem tivesse uma nova consciência ante as dificuldades do mundo. Kardec é um autor humanista, razão pela qual entende a centralidade da liberdade de escolha do homem no drama cotidiano.

Isto não passou despercebido a Emmanuel, que no livro "Religião dos Espíritos", disserta abertamente sobre as causas atuais das aflições, o livre-arbítrio, o contexto das ações humanas e as consequências dolorosas de certas escolhas. Para que o texto não fique grande, escolhi alguns parágrafos do capítulo intitulado "Reencarnação", que recomendo a você que me acompanhou até este parágrafo.

"Reencarnação nem sempre é sucesso expiatório, como nem toda luta no campo físico expressa punição. (...)

À vista disso, não te habitues a medir as dores alheias pelo critério da expiação, porque quase sempre, almas heróicas que suportam o fogo constante das grandes dores morais, no sacrifício do lar ou nas lutas do povo, apenas obedecem aos impulsos do bem excelso, a fim de que a negação do homem seja bafejada pela esperança de Deus.

Recorda que, se fosses arrebatado ao Céu, não tolerarias o gozo estanque, sabendo que os teus filhos se agitam no torvelinho infernal. De imediato, solicitarias a descida aos tormentos da treva para ajudá-los na travessia da angústia..." (Emmanuel. Religião dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 1978. pág. 61-62.)

Para que não reste dúvida, deixo você com Allan Kardec:


"Não há crer, no entanto, que todo sofrimento suportado neste mundo denote a existência de uma determinada falta. Muitas vezes são simples provas buscadas pelo Espírito para concluir a sua depuração e ativar o seu progresso. Assim, a expiação serve sempre de prova, mas nem sempre a prova é uma expiação. (...)
Sem dúvida, o sofrimento que não provoca queixumes pode ser uma expiação; mas, é indício de que foi buscada voluntariamente, antes que imposta, e constitui prova de forte resolução, o que é sinal de progresso." (Allan Kardec. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 1978)

5 comentários:

Anônimo disse...

Caro Jader,

Esse comentario e' bastante oportuno, pois quase sempre se interpreta como expiacao alguns dos 'escandalos' que ocorrem na sociedade.

Assim como nem sempre a oportunidade da riqueza e beleza significam meritos de vidas passadas, algumas dificuldades da vida podem nao significar expiacoes.

Gosto muito de lembrar da sugestao de Gandhi aquele indu (ou muculmano) que num momento de insania assassinou uma crianca que pertencia a uma familia mulcumana (ou indu, caso eu tenha trocado). Gandhi diz que havia uma maneira de 'nao ir para o inferno'. Essa maneira era ele adotar uma crianca orfa muculmanda (ou indu) e cria-la na religia dela,
contraria a sua. Assim, ele estaria dando a oportunidade de uma crianca orfa ter uma vida normal compensando o prejuizo que causara `a outra crianca.

Gosto desse exemplo, pois ele mostra que nem sempre o caminho da dor e' o unico para resgatarmos nossas dividas. Muitas vezes podemos pagar com o bem o que fizemos de errado.

Abracos fraternais,
Alexandre
Dallas

Jáder Sampaio disse...

Alexandre,

Eu também gosto muitíssimo desta parte do filme Gandhi. Penso que o homem era hindu e ele havia perdido um menino que descreveu ao Mahatma. Ele o orientou a encontrar uma criança muçulmana, com as mesmas características do filho dele, que houvesse perdido os pais e criá-la como muçulmana, para que o ódio que ele tinha no coração se esvaísse...

Mocidade AECX disse...

Essa pra mim entrou no ranking das melhores matérias do blog EC. Daqui uns dias farei um estudo com o tema reencarnação e certamente aproveitarei o contexto deste artigo.

Parabéns!

Abraços.
Marcus Papa.

rosival paiva disse...

Amados, sou crente no Evangelho de Cristo e O tenho como ABSOLUTO para minha vida espiritual. Creio que do que eu precisava já encontrei nos méritos de Jesus Cristo em pagar pelos meus pecados na cruz. Ali Ele sofreu duramente o que eu teria de pagar, e foi tudo pela graça e misericórdia Dele. Creem alguns que Ele estava acima da dor física; mas, , na verdade, Ele sofreu e suportou dores atrozes na carne como preço pelos pecados dos que creem, apenas. Por ser um espírito de Luz, o que fez Ele para sofrer tanto por nós miseráveis pecadores, nos perdoando, como ao ladrão da direita que se arrependeu e creu? Fez Ele papel de besta, sofrendo e morrendo por nada? Kardec descobriu séculos mais tarde a razão de tudo aquilo? Duvido. Prá ele todos se salvarão pelos seus próprios méritos; ou seja, por reencarnações sucessiva até chegar à perfeição. Isso é o que ele acha(com muita inteligência e inspirado por anjos não de luz , para tirar das pessoas carentes de Deus, a fé que salva sem méritos próprios; mas, pelos do Cristo e grande maioria das pessoas creem nele e negam o Salvador que era Deus e veio para morrer por Seus filhos que Nele creem. Nada pessoal contra os amados irmãos(vos amo de coração); mas, pela VERDADE. "Deus amou o mundo(pessoas) de tal maneira que deu o Seu para que todo aquele que Nele crê não pereça(morte física e espiritual no inferno); mas tenha a Vida Eterna, diz o Evangelho. Explicações até certo ponto racionais vocês tem de sobra; mas, que conflitam com os Escritos Sagrados deixados pelo Senhor para os que creem. Mas, cada um é livre de escolher o que crer; mas, inevitavelmente dará contas um dia pelo seu livre-arbítrio usado em sua existência por fazer o mal e não se arrepender, crer e obedecer aos mandamentos do Senhor Jesus e os que O seguiram em Seus ensinos e fazendo a muitos errarem o Caminho estreito que leva à Vida Eterna. Perdoe-me por discordar de seus ensinos; mas, somente desejo que o Senhor vos ilumina.

Eredinea Cordeiro Costa disse...

Nos alegra, e muito, ver alguém que diz ser de outra religião, aplicando o seu tempo em ler e comentar um artigo espírita. Seja sempre a procura por paz o motivo de nossas vidas eque Deus nos oriente a TODOS COM SEU AMOR INCOMPARÁVEL.