13.4.08

Um Conto para Você Refletir


O Martírio de Antônio


Jáder Sampaio

(Publicado originalmente no jornal "Correio Fraterno")

Antônio chegou jovem à casa espírita. Chegou e ficou. Na verdade, encantou-se.
Gostava dos outros jovens que o tratavam com respeito e alegria, gostava das discussões nas reuniões de estudo, gostava do clima de fraternidade que imperava entre os membros mais antigos e gostava das tarefas e ocupações que eram mantidos em sua sociedade espírita.
Em meio a tanto encantamento, não havia quem o retirasse do Centro Espírita. Participava das reuniões públicas, das atividades assistenciais, do passe, das campanhas, sempre com aquele jeito jovial e cativante, ao mesmo tempo responsável, que tanto cativava a todos os membros da comunidade.
Antônio ia aos eventos e encontros, lia os romances, estudava os livros e não demorou a ser convidado para fazer palestras, o que o deixava com um enorme contentamento interno, uma sensação de que estava crescendo e desenvolvendo-se na comunidade que escolheu.
Com o destaque e a simpatia, começaram a vir os convites. Convite para evangelizar as crianças, convite para coordenar a campanha do quilo, convite para dirigir uma reunião, convite para participar da diretoria como secretário, convite para fazer palestras em outras casas espíritas...
Ainda jovem, Antônio perdeu-se no encantamento de ser querido, de ser demandado e só respondia sim, sim, às pessoas a quem admirava e a quem temia desapontar.
Mais algum tempo e cursos, e Antônio estava em uma reunião mediúnica, verificando, quem sabe, se teria alguma sensibilidade mediúnica, aplicando passes nos médiuns, acompanhando ainda entusiasmado os diálogos intimistas e lúcidos que os membros mais experientes estabeleciam com os espíritos nas mais diversas condições.
Tão boa era a comunidade espírita que Antônio não percebeu que mais e mais se dedicava às tarefas espíritas e mais ainda ficava ausente de suas obrigações em outros lugares.
- Ficou fanático! Dizia desconsolada a mãe de Antônio que sentia a sua falta em casa e nos eventos familiares. - Sai às vezes cedo e só volta tarde da noite! Parece até um hóspede na sua própria casa.
- Ficou irresponsável! Trovejava o pai. Já não é mais aquele aluno exemplar que sempre foi na escola. O que será dele no futuro?
- Está em lua de mel com o Espiritismo, dizia uma tia experiente que freqüentava o grupo. Passada esta fase vai cair em si e equilibrar-se.
- Parece cansado, diziam os professores, que percebiam a queda de rendimento do aluno. Quem sabe não está exagerando com as baladas, comentavam maldosamente.
Ouvindo as queixas, Antônio era só dedicação. Tentava convencer a mãe que estava cumprindo com as suas responsabilidades, aumentou o tempo e o esforço com os estudos para que o pai e os professores não se desapontassem com ele e, a todo custo, queria mostrar para a tia que sua dedicação ao centro não era apenas “fogo de palha”.
Vieram as primeiras decepções, alguns comentários em boca pequena no Centro Espírita sobre a vaidade, algumas desaprovações sobre um ou outro conteúdo de suas palestras, a insatisfação de alguém diante de uma decisão que ele havia tomado com relação à reunião que dirigia, a mediunidade tão desejada que não se manifestava entre suas faculdades...
- É preciso perdoar, repetia o jovem para si mesmo, numa tentativa superior às suas forças para não cair em prantos. É preciso continuar trabalhando, não importam os revezes.
Estudioso, mas auto-suficiente, Antônio nunca procurava a opinião dos mais experientes, por julgar tratar-se de uma fraqueza. “Deus dá a prova conforme a capacidade do discípulo”, repetia continuadamente.
Com o passar do tempo, começou a mudar o humor e já não apresentava o mesmo brilho nos olhos. As palestras e leituras pareciam ser repetições eternas de algo que ele já sabia, as atividades o massacravam pela rotina, o que antes era plena satisfação, tornou-se uma obrigação cada dia mais pesada, não via muito gosto nas conversas e debates sobre temas polêmicos da Doutrina que antes o mobilizavam tanto. As comunicações dos espíritos em sua reunião não lhe diziam respeito, eram sempre vistas como dirigidas para os outros.
- Talvez, se Antônio tivesse uma namorada! Pensava a mãe, inquieta com o estado de alma do filho. Pensando bem, será que ele não... e balançava a cabeça, tentando evitar a conclusão do raciocínio.
As tarefas da escola pareciam insuportáveis, ou melhor, irrealizáveis. As tarefas do centro eram cumpridas em empreitadas rápidas, para não dizer que eram mal feitas. Não havia tempo para preparar, para avaliar nem gosto em realizar.
Com três anos de doutrina, Antônio parecia desencantado, cansado. Talvez não tivesse mesmo capacidade para a missão que lhe fora confiada, pensava. Sentia-se facilmente irritadiço e fracassado, como se estivesse dando “murro em ponta de faca”. Os passes que recebia lhe proporcionavam algum alívio momentâneo, mas mal saía do Centro Espírita, vinham-lhe à mente as obrigações assumidas, os deveres familiares, as tarefas escolares e ele via se esvaírem as forças.
Sempre sorridente no Centro, não deixava que percebessem seu estado de ânimo. Alguns de seus amigos começaram a pensar que talvez estivesse obsediado, mas apenas comentavam entre si. Explosivo em casa, afastava-se cada vez mais dos pais e parentes. Irritado, acreditava que eles não o compreendiam e que estavam “pegando muito no pé”.
Sua dedicação tão cara, parecia não render resultados.
Um dia, em uma reunião mediúnica, encheu-se de coragem e resolveu perguntar a um espírito-dirigente o que estava acontecendo com ele. Estaria obsediado? Por que se esforçava tanto e realizava tão pouco?
Caridoso, o mentor lhe dirigiu palavras de confiança, assegurou que não havia a interferência de desafetos desencarnados e sugeriu que procurasse um médico.
- Médico? Pensou ele? Mas não tenho nenhuma doença!
Pelo sim, pelo não, Antônio procurou um clínico geral. Deu “sorte” e consultou com um dos que não trabalham com uma fila interminável de pacientes. Feitos os exames de rotina, não encontrando doença nenhuma, o jovem clínico começou a investigar-lhe os hábitos e humores, coisa incomum para os dias de hoje. Aos poucos, o diagnóstico foi se formando, uma síndrome cada dia mais comum em nossos dias: “Burnout”
[1]
Antônio foi convidado a repensar sua vida, realizar atividade física, valorizar o lazer e a conversar sobre o seu presente e o seu futuro com a ajuda de um psicólogo ou psicoterapeuta, antes que alguma doença psicossomática viesse a manifestar-se, comprometendo-lhe a saúde física em adição à saúde mental.

[1] Síndrome de Burnout ou Síndrome de Esgotamento Profissional, é uma doença geralmente relacionada ao trabalho, associada ao estresse crônico relacionado a relações interpessoais intensas e a grandes expectativas do paciente com relação ao seu trabalho, expectativas estas que não se concretizam em função de obstáculos diversos. Esta classificação surgiu nos Estados Unidos no início da década de 70 e compreende também o trabalho voluntário, exigindo atenção preventiva por parte das instituições e dos trabalhadores. Ao contrário do estresse, o esgotamento profissional se agrava com as férias, porque não se trata apenas de cansaço físico, mas de uma preocupação persistente com a incapacidade de realização de atribuições.

Um comentário:

Marcus Papa disse...

Fiquei pensando aqui: - será que o Chico alguma vez teve tempo para ter a tal Síndrome de Burnout? Tudo bem, tudo bem. Vão dizer pra mim: "Não dá pra comparar com o Chico"...

É verdade.

Mas, o remédio que o Chico usava contra as síndromes modernas, esse sim está ao nosso alcance. E foi receitado por Emmanuel lá em Pedro Leopoldo: "Disciplina. Disciplina e disciplina".

Aprendi duas coisa dentro da Casa Espírita:

1 - Sempre alguém vai criticar ou censurar nosso trabalho;
2 - Temos que ter disciplina até pra dizer "não".

Abraços.
Marcus Papa