10.5.08

Um Passe de Divaldo Franco

Foto 1: Divaldo Franco

Década de 80. Divaldo Franco estava em Belo Horizonte, hospedado na residência de Marlene Assis. Ele fazia palestras na capital e em cidades do interior mineiro.
Em uma noite de quarta feira, Marlene convidou os jovens da mocidade para visitarem sua casa. Ela nos chamou a atenção para um evento mediúnico em particular. Virgílio Almeida, hoje genro de Marlene, estava adoentado e o médium baiano aplicou-lhe um passe. Sentiu-se a presença do espírito Scheilla, que fluidificou a água. Esta água apresentava perfume de rosas.
Não vi o passe, mas Marlene mostrou-me a água fluidificada. Sua aparência era normal, mas já há alguns dias ela reabastecia o recipiente com água filtrada, e o forte cheiro de rosas continuava ativo.
Não sei por quantos dias a água continuou perfumada, mas esta não foi a única vez em que presenciei modificações das propriedades da água em eventos envolvendo médiuns.

Nenhum comentário: