13.3.11

O MOVIMENTO ESPÍRITA EM BOSTON

Foto: Boston - MA

Nahur Fonseca, do movimento espírita de Boston, escreveu um texto instigante, a pedido do EC, onde mostra sua visão do movimento espírita de Boston e norte-americano em geral.

Um Movimento Imigrante

Uma das perguntas que nós mais ouvimos quando encontramos confrades espíritas brasileiros é esta: como é o movimento espírita nos EUA?

Nós reconhecemos nossa posição privilegiada, de quem há participado do movimento espírita de uma das suas localidades mais ativas no país há quase dez anos.

A maioria dos centros espíritas nos EUA foram fundados por trabalhadores espíritas vindos do Brasil para atender o público de imigrantes brasileiros. Neste contexto, a casa espírita se transforma numa extensão do movimento espírita brasileiro.

A palestra pública, o atendimento fraterno, o estudo sistematizado do Espiritismo, a evangelização espírita infanto-juvenil, a reunião mediúnica, a biblioteca e a livraria espíritas são tarefas comuns a todos os centros, com as naturais exceções.

Essas tarefas são realizadas em sua maioria, em português, e periodicamente contam com a particiação de palestrantes espíritas que viajam do Brasil para visitar vários estados dos EUA. A contribuição desses palestrantes é muito importante para essa vertente do movimento espírita nos EUA.

Costumamos ouvir dizer que conhecem-se mais expositores espíritas brasileiros morando-se em Boston do que se conheceria no Brasil. Eles ajudam a manter o vínculo com o movimento espírita brasileiro, dão orientações para centros espíritas durante seus primeiros anos de existência e são a atração de eventos para cuja organização unem-se os centros espíritas de uma região.
Um Movimento que Fala Inglês
A outra face do movimento espírita nos EUA, ou o movimento espírita americano propriamente dito, é aquele promovido para o público americano na língua inglesa. Apesar de esta vertente ter nascido com a primeira viagem de Chico Xavier àquele país, foi nos últimos cinco ou seis anos que vimos esse movimento adquirir mais características próprias, um envolvimento mais expressivo das casas espíritas, e o surgimento de lideranças mais ativas.

Dizemos isso sem nenhuma censura aos predecessores do movimento espírita americano. Somos gratos pelos trabalhos que lhes couberam de semeadura, de criação das instituições e das organizações unificadoras do movimento.
O Conselho Espírita dos Estados Unidos

Dentre as organizações do movimento espírita dos EUA, destacamos o United States Spiritist Council (www.spiritist.us), ou Conselho Espírita dos Estados Unidos, o qual exerce um papel de unificação das casas espíritas através de comunicações periódicas, bem como de unificação do movimento espírita através de publicações, como uma série de estudos sistematizados do Espiritismo, recursos pedagógicos para a evangelização infanto-juvenil, web sites, tudo na língua inglesa.
O Conselho Espírita Internacional

Outra organização que exerce um papel importante no movimento espírita dos EUA é o Conselho Espírita Internacional (www.intercei.com). A esta instituição cabe o papel de publicar a Revista Espírita na língua inglesa, em colaboração com a FEB, Federação Espírita Brasileira, e uma equipe de editores e revisores do movimento espírita americano.

O CEI também promove periodicamente um encontro com as lideranças espíritas de todo o mundo, trabalhando a unificação do movimento espírita como um todo.
Outro trabalho importante realizado pela FEB em parceria com o CEI é a tradução das obras espíritas "clássicas" para o inglês entre outras línguas.
A Sociedade Espírita de Baltimore

Uma das lideranças dessa nova fase do movimento espírita dos EUA é a Spiritist Society of Baltimore (www.ssbaltimore.org), ou Sociedade Espírita de Baltimore.
A SSB tornou-se um foco de recursos para o movimento espírita na língua inglesa -- como a retomada da edição da Revista Espírita, a criação de um programa de estudo sistematizado da Doutrina Espírita, e etc. -- bem como de inovações para adaptar o movimento espírita ao público americano -- desde pequenas coisas como a observação dos horários de trabalho e de refeições que são parte da cultura americana, até a criação de um evento espírita ao molde dos simpósios acadêmicos bastante comuns nesse país.
O Simpósio Espírita dos Estados Unidos e outros eventos

Além do United States Spiritist Simposium (www.spiritistsymposium.org), ou Simpósio Espirita dos Estados Unidos, que já está em sua quinta edição a ser realizada em São Francisco no dia sete de maio, outros eventos regionais e locais constam na agenda dos espíritas de Boston. O encontro espírita da família (www.familyspiritistretreat.org) da região nordeste dos EUA, a jornada espírita de Peabody (www.cantinhodeluz.net/jorespe), o encontro espírita Auta de Souza de Malborough (www.getuh.org/encotrofraternoautadesouza.html), o encontro bienal de espiritismo de Massachusetts e o seminário anual de Divaldo Franco em Boston nos dias 25 e 26 de março deste ano (www.akssma.com). Com exceção do simpósio espírita, os demais eventos são realizados em duas línguas com atividades paralelas ou interpretação simultânea.


Foto: Quarto Encontro Espírita da Família


A maior omissão do movimento espírita nos EUA, aos olhos de um espírita do Brasil, na minha opinião, são as atividades de assistência social em seu entendimento mais amplo.

Não julgamos que essa ausência seja resultado de uma falha de caráter do movimento espírita americano, nem da inexistência de carências humanas no país, mas sim de uma confluência de fatores, tais sejam a pouca idade das casas espíritas, a rotatividade de trabalhadores que chegam com uma meta a cumprir e que têm data para voltar, entre outras barreiras legais e culturais.

No nosso modo de ver, os fatores que dificultam a expansão do movimento espírita dos EUA, serão solucionados à medida que novos trabalhadores espíritas americanos ou que pretendam residir permanentemente no país sejam agregados ao movimento.

O Potencial do Movimento Espírita nos Estados Unidos


Em suma o movimento espírita nos EUA é relativamente novo, e possui um grande potencial. A cultura americana tem-se aberto cada vez mais à espiritualidade. Basta ver a evolução das produções cinematográficas espiritualistas, a penetração das idéias de entidades como Deepak Chopra, ou o Dalai Lama; as entrevistas em programas populares de terapeutas de vidas passadas; os seriados de TV sobre médiuns e sobre manifestações espirituais físicas e intelectuais; e etc.


Quando esses segmentos da sociedade (re) descobrirem o Espiritismo, especialmente quando bem compreenderem e bem sentirem as conseqüências dos princípios iluminativos da Doutrina Espírita, então sim poderemos dizer que teremos não apenas um movimento espírita nos EUA, mas dos EUA dirigido pelos e para os habitantes daquele país.

3 comentários:

Leandro Cosme disse...

Olá.

Gostei do formato dessa iniciativa de relato sobre o Movimento Espírita em países que não o Brasil.

Gostaria de fazer a indicação de um texto com forma e intenção semellhantes que foco a Alemanha.

Ele foi publicado no blog da Mocidade Espírita da Associação Espírita Célia Xavier, em Belo Horizonte, MG/Brasil.

Segue o link:

http://aecx.blogspot.com/2011/02/fala-rapeizi-ed-21.html

Quem sabe, com a ajuda da internet, surgi uma sequência de relatos desse tipo.

Grande abraço a todos.

Heloise disse...

Achei o blog muito bom, cheio de inforações legal, trazendo matérias interessante.

Vlw pelo ótimo trabalho, que a Luz esteja sempre presente com vc!

Estou ajudando e divulgando o blog Lar Cósmico

http://larcosmico.blogspot.com/

Se puder dê uma olhada fazendo uma visita.

Obrigada

Namastê

Heloise disse...

Achei o blog muito bom, cheio de inforações legal, trazendo matérias interessante.

Vlw pelo ótimo trabalho, que a Luz esteja sempre presente com vc!

Estou ajudando e divulgando o blog Lar Cósmico

http://larcosmico.blogspot.com/

Se puder dê uma olhada fazendo uma visita.

Obrigada

Namastê