31.12.11

IZABEL VITUSSO FALA SOBRE A LINGUAGEM NA IMPRENSA


A continuação da entrevista com Izabel Vitusso trata da linguagem jornalística e o estilo dos escritores.


EC - Os livros de Kardec foram traduzidos para um português do final do século XIX e início do século XX. Você acha que a leitura das obras de Allan Kardec influi no estilo dos escritores espíritas contemporâneos?
Izabel - Sem dúvida. Em questão de conteúdo, é sempre bom ver a influência de Kardec na literatura espírita. Acontece que muitos de nós reproduzimos em nossa fala e em nossa escrita expressões arcaicas, pouco usuais na atualidade. Isso não combina com Kardec, o educador. Ele era um estrategista em matéria de comunicação: Dizia: “É preciso satisfazer a curiosidade; unir o sério ao agradável: o sério para atrair os homens de Ciência, o agradável para deleitar o vulgo(...). É preciso evitar a monotonia por meio da variedade, congregar a instrução sólida”. – Obras Póstumas.

Não me parece que a erudição seria o estilo da preferência de Kardec se ele estivesse hoje entre nós. 

EC - Qual é a sua opinião sobre o uso de arcaísmos pelos expositores e escritores espíritas?

Izabel - Cada um tem o seu estilo, fruto das experiências que trazem e influências, principalmente os mais antigos, com a carga de formalidade da educação de décadas atrás.

São incontáveis os fatores que influenciam no sucesso ou não de uma comunicação, dentre os quais a empatia, o encadeamento das ideias, a clareza do que se quer transmitir. Levando-se em consideração as tendências da atualidade, que incluem a objetividade e a concisão, sou adepta ao estilo do quanto mais claro, melhor!

EC - O texto na segunda pessoa (tu e vós) pode ser considerado erudito no meio jornalístico?
Izabel - O uso da flexão na segunda pessoa não cabe hoje no meio jornalístico e nas mais diversas manifestações coloquiais, embora algumas expressões sejam de hábito em alguns estados brasileiros. Nossas manifestações culturais são intensamente influenciadas pelo nosso convívio em sociedade, as tendências da escrita jornalística também respondem a ele.  Casa-se melhor com a escassez do tempo  o estilo da comunicação mais direta, sucinta, sem repetições, sem delongas. É bom lembrar que aqui estamos falando especificamente de textos jornalísticos contemporâneos. Décadas atrás o estilo era bem diferente.
EC - A linguagem literária é diferente da linguagem jornalística?
Izabel - Ah! sim, sem dúvidas. Tanto que dentro de uma edição do jornal, os estilos se mesclam: num extremo, a reportagem, que exige linguagem simples, exata e concisa, com as informações essenciais que atendam a curiosidade do leitor; e do outro, por exemplo, a crônica, que permite a opinião de quem escreve e a possibilidade de um texto mais literário.O importante para quem escreve é ter em vista o que pretende com o seu texto e qual é o público a que se destina. Para espíritas, não-espíritas, jovens, ‘veteranos’, etc.

2 comentários:

Turner disse...

Uma questão que sempre vem a minha mente é o Publico alva das publicações espiritas, me parece que naturalmente, por uma escolha seletiva, direcionamos sempre à um público mais elitizado, ou de maior intelectualidade. Lembro-me sempre que Jesus contava "estorinhas" para que cada qual no seu nivel as degustassem e se tranformassem.
Esse fato é pensado de antemão, ao publicar-se um jornal espirita?

Denise disse...

Essa entrevista é muito interessante e esclarecedora. A definição do leitor q se quer atingir é fundamental para a definição da linguagem a ser usada. Muita paz!