18.4.12

O MINEIRO DIVALDO FRANCO



Notícia fresquinha e quentíssima. Divaldo Franco é mineiro! Mesmo não falando uai, nem sô, ele ganhou o coração dos habitantes das highlands brasileiras e tornou-se mineirim por decreto.

A Assembléia Legislativa, em um gesto de boa vontade com os espíritas que, influenciados por este homem e por outras estrelas brilhantes do espiritismo, dedicaram parte de suas vidas à construção de uma Minas Gerais melhor de se viver, mais admirável, mais respeitada pelos entes federativos, deu-lhe uma nova certidão de nascimento, agora, no ocaso da vida.

Divaldo pode ser encontrado em dezenas de cidades mineiras, ao mesmo tempo, em instituições que inseriram em seu frontispício o nome da Joanna de Ângelis, abriram suas cozinhas e suas salas de aula para a infância, a juventude, a idade adulta e a terceira idade. Ele pode ser visto furtivamente nas prateleiras de bibliotecas que acomodam parte dos milhões de livros publicados, dedicados ao bem e à prática da caridade benevolente.

Divaldo está nas ruas, nas rodas de conversas, nos grupinhos de jovens que saem das mocidades espíritas, nas sessões mediúnicas promovidas por pessoas sem idade delimitada. Ele está nos jardins da Sociedade Espírita Joanna de Ângelis, aberta em nome de sua mentora no bairro Primeiro de Maio, na esquina da rua Clara de Assis. Divaldo também pode ser encontrado nas residências, no momento íntimo do culto do evangelho no lar, nas telas de computadores que acessam tudo o que produziu.

Ele diz que nada fez, que apenas trouxe o que lhe foi concedido, mas bendito seja o mensageiro, o portador da missiva e da encomenda, que chega na hora aprazada para cumprir sua missão.

Nenhum comentário: