8.3.14

ORÍGENES, REENCARNACIONISTA CRISTÃO?






Continuo publicando textos derivados da leitura que estou fazendo sobre os cristãos primitivos, e hoje comento a vida e duas propostas de Orígenes, similares à proposta espírita. Roque Frangiotti fez uma busca nas fontes disponíveis sobre a vida de Orígenes e se tornou nossa principal fonte nesta pequena biografia, assim como o texto filosófico de Giovanni Reale.

Vida de Orígenes

Cristão de Alexandria, de 185 d. C., Orígenes nasceu em família cristã e viu seu pai ser martirizado em 202, por ordem de Lúcio Sétimo Severo (imperador romano). Este evento tornou o jovem Orígenes, com 18 anos, responsável por mãe e irmãos, sem os bens da família, que foram confiscados pelo império. Ele passou a sustentá-los com aulas de gramática, que havia aprendido com o pai e desenvolvido com esforço próprio.

Com a perseguição romana, os catequistas haviam fugido de Alexandria, e Orígenes aceitou o convite do bispo Demétrio para realizar este trabalho, dirigindo a escola de catequese de Alexandria, quando passou também a acompanhar e exortar os mártires.

Nesta época, o cristianismo era alvo de críticas de cunho filosófico e de disputas internas entre doutrinas que se desenvolveram a partir de pontos conflituosos da fé cristã. Giovanni Reale (p.45) afirma que Orígenes combateu gnósticos, adocionistas e modalistas.

Este trabalho só foi possível porque Orígenes criou o Didaskaleion, um “centro de ensino superior”, considerado “o primeiro esboço daquilo que será a universidade na Idade Média” (Frangiotti, p. 11). Era um lugar que ensinava não apenas a doutrina cristã e as escrituras, mas também as diversas áreas da cultura chamada profana. Esta iniciativa possibilitou ao alexandrino o estudo da filosofia.

A Héxapla

Orígenes fez viagens de estudos, em busca das diferentes versões da Bíblia, para poder fazer estudos comparativos. Um de seus trabalhos é a Héxapla e que é uma Bíblia em seis colunas, a saber:
  1. O texto hebraico com caracteres hebraicos
  2. O texto hebraico com caracteres gregos
  3. A versão bíblica de Áquila
  4. A versão bíblica de Símaco
  5. A versão bíblica de Teodicião
  6. A versão bíblica da Septuaginta (os setenta)
Seu sucesso e reconhecimento por cristãos e autoridades cristãs de diversas partes do mundo parece ter despertado a inveja de Demétrio, que o destituiu do magistério e do presbiterato, além de excomungá-lo.

Orígenes foi para Cesaréia da Palestina, onde passou seus últimos vinte anos. Lá ele continuou a ensinar e organizou um centro de estudos, além de uma biblioteca que se tornou célebre e na qual trabalharam no futuro “Pânfilo, Eusébio e São Jerônimo” (Frangiotti, p. 15) Ele também passou a pregar e comentar diariamente a escritura para os cristãos.

No governo do imperador Décio iniciou-se uma nova perseguição aos cristãos, quando Orígenes foi preso e torturado, desencarnando anos depois.

Eusébio de Cesaréia afirma que Orígenes escreveu cerca de 2.000 livros, e Jerônimo fez um levantamento de 800 títulos. Muito se perdeu do que Orígenes escreveu porque algumas de suas doutrinas e ideias foram condenadas pelo II Concílio de Constantinopla, em 553, o que “provocou o desaparecimento sistemático de sua imensa obra”. (Frangiotti, p. 17)

A Hierarquia Deus – Jesus e o Espírito Santo

Seria muito difícil comentar a obra de Orígenes como um todo, então deter-me-ei em dois pontos que interessam a nós, espíritas.

Ao estudar o espírito santo, Orígenes faz uma hierarquia entre Deus, Jesus e o espírito santo. Ele defende a homoousia (Jesus foi emanado de Deus, e tem a mesma natureza do Pai), que nos é estranha, porque entendemos Jesus como espírito superior e distinguimos a natureza de Jesus da de Deus, em função das características divinas discutidas por Kardec. Contudo ele admite alguma subordinação do filho ao Pai (Reale, p. 45) Já o espírito santo teria um papel santificante.

Até o momento, em boa linguagem espírita, entendo que Jesus, após a desencarnação continua acompanhando o movimento cristão através da mediunidade dos profetas cristãos e de outros médiuns das comunidades. Entendo também que outros espíritos superiores, missionários de Jesus, tinham o seu papel junto a estas comunidades, sendo identificados como o Espírito, como diz Denis, ou o Espírito Santo, como afirma a tradição católica. Reale afirma que Orígenes via no Espírito Santo uma “função específica na ação santificante”.

Preexistência e Reencarnação

O segundo ponto que nos interessa é a defesa da preexistência do espírito antes da concepção. Orígenes entende que os espíritos preexistem e quando cometem pecado, nascem, ou seja, encarnam.  É uma leitura muito próxima da de Kardec que entende que o ciclo das encarnações é necessário ao desenvolvimento dos espíritos e que possibilita a reparação das faltas cometidas.

Outra similitude, que encontrei em Reale (p. 46) diz respeito à reencarnação. Para que o leitor não pense que estou inventando ou lendo mal, passo a citar textualmente:

“É doutrina típica de Orígenes (derivada dos gregos, embora  com notáveis correções) a que segundo a qual o “mundo” deve ser entendido como série de mundos, não contemporâneos, mas subsequentes um ao outro. Tal visão relaciona-se estreitamente com a concepção origeniana segundo a qual, no fim, todos os espíritos se purificarão, resgatando suas culpas, mas, para se purificarem inteiramente, é necessário que sofram longa, gradual e progressiva expiação e correção, passando, portanto, por muitas reencarnações em mundos sucessivos.” (Reale, p. 46)

Vê-se, portanto, que Léon Denis leu acertadamente quando escreveu em seu “Cristianismo e Espiritismo”

“De todos os padres da Igreja, foi Orígenes quem afirmou do modo mais positivo, em numerosas passagens dos seus princípios (Livro 1º.), a reencarnação ou renascimento das almas. É essa a sua tese: “A justiça do Criador deve patentear-se em todas as coisas”.

Referências Bibliográfica

Denis, Léon. Cristianismo e espiritismo. 7 ed. Rio de Janeiro, FEB, 1978.
Frangiotti, Roque. In: Orígenes. Contra Celso. São Paulo, Paulus, 2004.
Reale, Giovanni, Antiseri, Dario. História da filosofia. Patrística e Escolástica. 4 ed. São Paulo, Paulus, 2011. Vol. 2.



5 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Muito bom Jáder. Se algum católico ler o post dirá, ah, esses espíritas estão lendo o livro santo de forma errada, por que eles e os pentecostais nos chamam de herejes.
Um abraço. Tenhas um bom fim de semqana.

Cristina Helena Rocha disse...

Jáder
Você já leu "Esquina de Pedra"? A historia se passa na primeira metade do do seculo II, sem Sebastes. A transformação do cristianismo em catolicismo é narrada do ponto de vista das pessoas comuns. É a história de um grupo que ficou conhecido como os 40 mártires de sebastes. É interessante como as mudanças vão repercutindo no dia a dia das pessoas.

Jáder Sampaio disse...

Dilmar, você deve conhecer o livro do Hermínio que se chama: Os cátaros e a heresia católica.

Cristina, li sim, e é um de meus preferidos. Eu tenho alguma dificuldade em distinguir o que é histórico do que é ficção neste livro, mas gostei também da estrutura do livro, quando ele interrompe a narrativa para contar a conversão de cada um dos 40 jovens. Filoctemo e Gala são dois personagens tão fortes que ressoam dentro da alma do leitor. Fiz uma lista de quando Wallace tratava de assuntos da mudança da Igreja, página por página. Não sei se a paginação das novas edições mudou, quem sabe não publico no EC?

SUELY DOS ANJOS disse...

Queridos irmãos,
Fiquei emocionada com seu site, além
de muito esclarecedor, possui mensagens de alto valor espiritual.
Ficaria muito feliz se partilhassem
suas mensagens em meus Jornais espíritas..Paper.li - AMIGOS DO BEM
http://paper.li/f-1392596860
PALESTRAS ESPÍRITAS -
http://paper.li/f-1392250826

DOUTRINA ESPÍRITA - http://paper.li/f-1392242236

CEIL - IRMÃ LÚCIA - ESPÍRITA
http://paper.li/f-1392251153

REDE AMIGO ESPÍRITA -http://paper.li/f-1392241288

FORUM ESPÍRITA - http://paper.li/f-1392242441

PORTAL DO ESPÍRITO - http://paper.li/f-1392253630

MUITA PAZ, MEUS IRMÃOS !
MAIS UMA VEZ, PARABÉNS PELO BELO
TRABALHO.

Jáder Sampaio disse...

Suely,

Não há nenhum problema em compartilhar as publicações do Espiritismo Comentado. Só peço que inclua a autoria e a fonte do artigo, para evitar que com o tempo eles se tornem anônimos. Todas as publicações não assinadas são de autoria de Jáder Sampaio.

Um abraço

Jáder