6.10.12

EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS DA REENCARNAÇÃO

Capas de três edições diferentes do livro de Gabriel Delanne

Discípulo de Allan Kardec na França do século 19 e início do século 20, Gabriel Delanne acompanhou o desenvolvimento das ciências psíquicas dentro e fora do movimento espírita francês, sempre atualizado e contribuindo com as pesquisas sobre o fenômeno espiritual.

Um dos temas para os quais contribuiu, foi a difícil questão da reencarnação, considerada como um princípio do espiritismo sustentado pela lógica e pelo  pressuposto da justiça divina. Como todos os cientistas de sua época, ele se questionava se poderia haver evidências empíricas da reencarnação e compilou este livro onde se encontram estudos de caso publicados na imprensa espiritualista e nas instituições acadêmicas de pesquisas psíquicas que surgiram no final do século 19.

Delanne, entre outros temas, trata da memória integral, dissertando sobre ecmnésia, regressão de memória, recordações durante a anestesia e criptomnésia. Alguns desses temas mostram a influência do magnetismo animal e da metapsíquica em seus escritos. Ele fala da regressão de memória induzida pelo magnetismo, recordações em estado de transe, crianças prodígio, "dejá vu", paramnésia e falsas memórias. 

Selecionei para os leitores de Espiritismo Comentado um caso no qual uma inglesa narra diversos episódios envolvendo percepções de uma vida na corte francesa de Maria Antonieta, além de possíveis percepções mediúnicas. Foi comunicado pela Sra. Spapleton, de Londres, à Sociedade de Pesquisas Psíquicas (SPR), sobre narrativas feitas por uma escritora conhecida por ela. Essencialmente é um caso que sugere recordação de vidas passadas, embora alguns dos fenômenos apresentados isoladamente possam ser explicados por outras teorias.

Como as recordações eram motivo de galhofa, a escritora manteve-se no anonimato, o que depõe a favor de sua honestidade, posto que não há interesse financeiro ou de promoção pessoal nos seus relatos.

Desde os seis anos ela via a mãe com roupas à Luis XVI, embora não tenha tido acesso a gravuras sobre a época. Segundo Delanne-Spapleton, ela desenhava estas roupas sem modelo, e as características eram as da época e lugar citados.

Ao estudar a revolução francesa, emocionava-se com os relatos envolvendo Maria Antonieta. Passado algum tempo, via a figura de Maria Antonieta, contudo estava "desvairada, agonizante, de olhar glacial". 

Adulta, visitou o Museu Grévin, onde encontrou uma "exata reprodução da minha visão, em Margate, com suas minúcias", embora a imagem de Maria Antonieta fosse diferente. Os amigos riram e ela resolveu ficar mais reservada com suas percepções.


Museu Grévin (um museu de cera)

Na visita ao Palácio de Versalhes, identificou para a criada os apartamentos do rei e da rainha, sem que tivesse visto anteriormente. Em um determinado quarto foi "tomada da mesma forte emoção dos dias precedentes, foi direto a uma portinha que se achava em um caixilho da parede". 
"- Há aposentos mais adiante", disse. Os guias lhe perguntaram se desejava visitar os apartamentos de Maria Antonieta.

"Os locais eram justamente como eu os havia suposto intuitivamente."


Fachada do Petit Trianon

Em visita ao Petit Trianon, o imóvel nos jardins de Versalhes usado por Maria Antonieta, ela considerou idêntico ao seu sonho o aposento de música, "só as cadeiras tinham colocação diferente". Lá, a escritora viu pela primeira vez os monogramas de Maria Antonieta, que ela traçava sob os retratos da rainha quando pequena e que eram idênticos aos que via.


Corrimão com o monograma de Maria Antonieta no Petit Trianon


Detalhe do monograma de Maria Antonieta

Outros lugares foram reconhecidos, como o Castelo de Marly e a Praça da Concórdia (antiga Praça da Revolução) que lhe trazia lembranças da execução da rainha. Um detalhe, a escritora lembrava-se de ter sido do sexo masculino àquela época.

Delanne não considera este um caso que possa ser explicado exclusivamente pela reencarnação, mas o conjunto dos detalhes relatados, se verídicos, realmente faz pensar.

Nenhum comentário: