19.11.13

CHICO SOB A ÓTICA DOS INTELECTUAIS DOS ANOS 30-40


Humberto de Campos com a farda da ABL

Com a desencarnação de Chico Xavier abriu-se um novo ciclo de exposição à mídia, e nos últimos anos muitos pesquisadores das universidades oriundos de diversos campos de conhecimento têm publicado sobre ele. 

Este "revival" vem acompanhado de velhas questões, algumas sobre a natureza de suas faculdades. Mesmo tendo sido discutidas no passado, a perda de contato com os debates antigos faz com que novos estudiosos voltem a fazer mais do mesmo, acreditando-se inéditos.

Alexandre Caroli Rocha, Doutor em Literatura Brasileira pela Universidade de Campinas, defendeu dissertação de mestrado e tese de doutorado analisando o Parnaso e a produção de Humberto de Campos antes e depois da morte. 

Ele acaba de publicar um artigo pela revista Ipotesi, da Universidade Federal de Juiz de Fora, intitulado "Complicações de uma estranha autoria (o que se comentou sobre textos que Chico Xavier atribuiu a Humberto de Campos". 

A revista é qualificada pela CAPES, como Qualis A1-Nacional, ou seja, é uma revista que se encontra no topo das categorias para o Brasil. 

O Dr. Alexandre apresenta em seu trabalho as mais diferentes opiniões de experts em literatura e outros intelectuais nos anos 30 e 40, quando o Chico ainda era um médium desconhecido para o grande público.

Caroli identificou dois níveis de análise da produção do médium mineiro. O nível 1 envolveria o próprio texto psicografado (se é semelhante ou diferente aos textos produzidos pelo "morto" em vida, por exemplo) e o nível 2 seriam considerações sobre "a gênese da criação literária de Chico Xavier" (se os textos seriam ditados pelo diabo, ou seriam fruto do inconsciente, por exemplo). Não vou tratar da análise de Alexandre Caroli, já que o leitor pode ele próprio ler e formar opinião ao acessar o texto completo no link: http://www.ufjf.br/revistaipotesi/files/2011/05/CAP02-25-36.pdf

Uma questão que incomoda a um psicólogo que estudou minimamente a psicanálise durante sua graduação, diz respeito ao uso inadequado do conceito de inconsciente como alternativa para explicar o fenômeno mediúnico. Esta discussão fica para outra publicação, por sua complexidade. Para que o leitor não fique no ar, este inconsciente como uma espécie de baú onde se acham guardadas informações esquecidas ou herdadas que são acessadas pelas pessoas, não é freudiano, nem junguiano.

Uma questão que é suscitada na leitura do trabalho que não deve passar despercebida é como os pastichadores precisam preparar-se para produzir suas imitações de estilo e conteúdo, e como é difícil a produção de conteúdo diverso e coerente, sem estudo profundo. Ao analisar-se o fenômeno Chico Xavier, o pastiche só se sustenta ante uma espécie de teoria da conspiração, aos moldes do que pesquisava Hodgson, quando colocava detetives atrás das médiuns que estudava, para saber se elas pesquisavam os assuntos sobre os quais produziriam.

Uma análise do conteúdo da obra do Chico assusta, porque ele faz metáforas com conceitos de física (Mecanismos da mediunidade), de biologia (Evolução em dois mundos), ele analisa casos psiquiátricos (No mundo maior), ele apresenta poetas de diferentes escolas e estilos (Parnaso de além túmulo), ele discute questões de diferentes áreas do conhecimento (O consolador), ele faz descrições meticulosas de fisiologia humana (Missionários da Luz) ele analisa o evangelho ("Caminho, verdade e vida" e outros livros). Chico não é um médium que apenas produziu conselhos morais e escreveu textos esparsos, como quis dizer um velho professor de psicopatologia que tive, mestre da oitiva e do esguelho, em matéria de espiritismo.

Acho que passeei. Leiam o trabalho do Dr. Alexandre e comentem!

2 comentários:

Dilmar Gomes disse...


Amigo Jader, já li em vários lugares,
pessoas afirmando com convicção absoluta, que chico foi pasticheiro, mas ainda não havia visto nada sobre essa pérola de que as mensagens mediúnicas transcritas pelo Chico eram transmitidas pelo diabo. Ora, ora...
Um abraço. Tenhas um dia iluminado.

Ricardo Alves da Silva disse...

É a mesma coisa da época de Kardec.
Diabo legal esse, que incentiva ao Bem!
Esse Diabo, que pobre coitado!
Sobre o artigo em si, muito bem construído. A clareza do trabalho permite uma comunicação muito boa, inclusive para quem não está habituado a ler trabalhos acadêmicos.
Parabéns ao Alexandre!