25.1.14

SOFRIMENTO, MORTE, SOBREVIVÊNCIA E CORAGEM

Kübler-Ross e uma paciente


Acabo de ler, no meu Kindle, “A Roda da Vida”, de Elisabeth Kübler-Ross, uma autora suíça que ficou conhecida internacionalmente por seu livro “Sobre a morte e o morrer”. Fiquei profundamente tocado com a leitura.

O livro é uma autobiografia corajosa, na qual Elisabeth nos conta sua jornada em busca de si-mesma, do nascimento até o que poderia chamar decrepitude do corpo.  Considero a autora corajosa, porque ela não se preocupa muito com o que vão pensar dela. Ela relata suas vivências e experiências, suas escolhas, suas lutas, seus erros e equívocos e as crenças às quais se entrega, mesmo algumas que me soaram como ingênuas.

Esta franqueza clara de Elisabeth chocou o mundo em que viveu. Ela sempre viveu anos à frente de sua época, e apesar de sua péssima experiência com alguns cristãos, ela sempre viveu estritamente dentro da proposta do cristo.
Ela nos fala da frieza do coração dos homens, que ela enfrentou a vida toda, e começa com um pai controlador e rigorosíssimo, que ela aprendeu a compreender e amar, sem nunca deixar subjugar seus ideias superiores. Da Suíça, oásis de tranquilidade na Europa convulsionada pela segunda grande guerra, Elisabeth, ainda jovenzinha, vai se voluntariar para ajudar os poloneses e outros países destruídos pela insanidade dos governos europeus, sem ter nem um travesseiro onde recostar a cabeça.

Maydanek é um campo de extermínio, onde a Dra. Ross vai aprender sobre a sombra dos seres humanos com a judia Golda, que sobreviveu por um triz do holocausto. Golda ensina a ela que todos temos um lado negro, e que poderíamos estar no lugar dos que trabalharam sob ordens para a máquina da morte dos nazistas. A compreensão de Golda é uma grande lição para a humanidade, um foco de luz em um momento de profundas trevas.

Nas paredes das câmaras de gás, Elisabeth viu borboletas, imagem que  irá acompanhar o leitor ao longo de sua trajetória. Por que pessoas diante da morte resolvem desenhar borboletas nas paredes de seu local de execução?





Em alguns momentos, depois de enfrentar a intolerância de sua época, encontramos a Dra. Ross, que está à beira dos leitos dos moribundos, auxiliando-os a superar medos, ódios, problemas que os fazem sofrer. Dos leitos aos seminários, sempre mal vistos pelo tabu da morte, que apavora o imaginário dos médicos e hospitais, sempre preocupados em fazer viver o corpo, e muitas vezes negligentes com a alma-mente de seus pacientes, e com a deles própria.

Mais um pouco e vemos a Dra. Ross às voltas com pacientes que relatam experiências de quase morte, as que notabilizaram o Dr. Raymond Moody Jr. Mais um pouco e surgem as experiências mediúnicas e o projeto para lidar com a AIDS, no seu pior momento, em que ela foi percebida pelo povo americano como o “câncer gay”, e todos passaram a temer os aidéticos, da mesma forma que eram temidos os leprosos no tempo de Jesus (ou talvez pior).

O livro já está no mercado há muito tempo, e fiquei me perguntando por que ninguém fez uma resenha dele no Reformador, por exemplo. Pelo menos, não encontrei com os instrumentos de busca nada sobre a Dra. Ross.  Acho que os espíritas vão detestar (e com razão) a dependência dela com o cigarro, a mediunidade paga, as fraudes mediúnicas da qual é vítima, a crença em fadas, e muitas outras pequenas coisas que aparecem no livro. Contudo, acho que nenhum de nós deixará de admirar a posição dela contra a eutanásia, e a forma corajosa como ela ajuda as pessoas a entenderem o sofrimento como uma lição a ser aprendida, sua humildade, ao descobrir professores em todas as classes sociais, aprender com eles e ensinar suas lições, seu destemor ante o risco real da violência da Europa pós-guerra, das doenças e mesmo do sofrimento da morte. Admirei a forma com que ela lidou com a violência a que foi submetida sistematicamente, por pessoas que se auto-intitulavam cristãs, mas que se deixaram levar pelo medo e pelo preconceito. Ela é uma daquelas pessoas raras, que nos faz ter orgulho de sermos humanos. Adorei também a leitura que ela faz da supervalorização dada a conhecimentos científicos. Sem desmerecer a ciência (bem, sou ou fui cientista e gosto muito dela), ela nos mostra que há momentos em que as teorias e técnicas por si só não não têm respostas para os nossos problemas, como os cientistas podem ficar míopes, por apenas serem capazes de visualizar suas teorias e conhecimentos, frágeis ante novos desafios que surgem. Gostei também de sua indignação contra os burocratas, mesmo que seja exagerada em determinados momentos, o que é típico das pessoas obstinadas e cheias de energia como ela. Adorei também sua denúncia da cisão de comportamento de alguns religiosos, que, como dizia Jesus em seu tempo, dizem “Senhor, Senhor nas esquinas, mas devoram a casa das viúvas”.


Eu não quero contar mais sobre o enredo, porque ela escreveu um livro cheio de surpresas, similar a um romance de suspense, e quanto mais eu falar, mais atrapalho a experiência do leitor. Peço aos espíritas que se contenham para ler o livro, porque mesmo tendo coisas que vão de encontro aos nossos valores, e que não apoiamos, ele fala de uma grande e teimosa alma, digna da nossa admiração em um mundo contemporâneo cheio de relativismos vãos, consumismo e narcisismo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Jàder,
Acabo de ler o Livro A Roda da Vida, motivada pelo que li a respeito dele em seu blog. Também tenho um Kindle, o qual estou amando. Assim comprei o livro logo que li sua resenha.
Amei a leitura e em muitos momento me perguntei se esta mulher existe, ou existiu. Digo isso por causa de seu trabalho, com os doentes terminais, por causa de sua determinação e de sua coragem. Acho que eu recuaria diante do primeiro obstaculo que encontrasse pela frente. Meu Deus tenho muito que aprender!...
Teve momentos da leitura, especialmente no ponto em que ela se envolve com pesquisas sobre a vida além da morte, e se vê às voltas com as fraudes mediúnicas, que fiquei me perguntando porque razão não caiu nas mãos da Dra. Ross, por exemplo um livro dos Espíritos, ou um livro dos Médiuns de Allan Kardec. Fiquei me perguntando também como ela uma pessoa que viajava tanto e ia em busca daquilo que lhe interessava, fosse onde fosse, não descobriu um Chico Xavier em Uberaba MG, aliás um contemporâneo da Dra Ross. Que pena...
Muito bom o livro.
Obrigada pela existência de seu blog.
Abraços,
Lucia de Almeida Terra Limiro

Jáder Sampaio disse...

Lúcia, realmente a Dra. Kübler-Ross faz a gente se sentir muito pequeno. A capacidade de perdoar desta mulher parece infinita, não é mesmo? Infelizmente Kardec não é muito conhecido nos países cuja língua mãe é o inglês, apesar de haver traduções de suas obras desde o século XIX É um trabalho importante para o movimento espírita dar-lhe visibilidade nestes países.