6.3.17

O PAI NOSSO DE ANTONINA


Uma aula sobre oração? Ficou pensando Antonina com seus botões...

Ela se recordou de uma aula que assistiu quando tinha a idade de seus alunos. Engraçado como estas coisas vêm à cabeça, mesmo passados muitos anos.

Antonina tem poucos alunos, apenas cinco, mas o desafio de facilitar a aprendizagem não é menor. Conceitos abstratos, mesmo para crianças de 11 e 12 anos, que geralmente gostam de ser chamadas de pré-adolescentes, com uma experiência escolar limitada, aprovações forçadas e desempenho grupal baixo, são de difícil apreensão. Uma vez acreditando que não são capazes de aprender, desistem muito facilmente.

A ideia que ela teve foi associar Allan Kardec com Jesus Cristo... Kardec escreve em "O Livro dos Espíritos" que o objetivo da prece pode ser "louvar, pedir ou agradecer". Jesus ensinou aos apóstolos a oração dominical (do latim "dominus", significando senhor) como um exemplo de prece.

Ela imprimiu textos com a oração dominical, um para cada aluno. Imprimiu sete, por segurança. E montou um kit com três canetas marca-texto de cores diferentes. Amarelo para pedir, azul para agradecer e verde para louvar.

Chegado o grande momento, ela explicou a dinâmica da aula. Iriam estudar frase a frase a oração, e iriam identificar se a frase tinha o objetivo de louvar, pedir ou agradecer. Cada um iria marcar a frase com a cor respectiva, depois de conversarem em grupo.

As canetas fizeram um enorme sucesso. Os alunos nunca as tinham visto! Parecia mágica a história de colorir uma palavra para destacá-la...

As discussões foram longe. 

- Santificado seja o vosso nome! 

Depois de discutir, concluiu-se que se tratava de louvar a Deus.

- O pão nosso de cada dia nos dai hoje!

- Antonina! Ele está pedindo! Vamos marcar de amarelo?

Frase a frase foram analisando a oração. No final da tarefa alguém falou:

- Não tem nenhuma frase de azul... Falou Cícero.

- Ele não agradeceu nada? Perguntou Artur.

- Não é preciso usar as três classificações para se fazer uma prece. Como ela sai do coração, vai depender do que estamos sentindo e vivendo na hora. Explicou Antonina. E emendou:

- Vocês sabem de onde vem o Pai Nosso?

Ela mostrou um Novo Testamento.

- Uma Bíblia! Falaram os três meninos...

- Depois de Mateus, vem Marcos! Aqui passa de Mateus para Lucas. Esta Bíblia está errada? Perguntou Cícero.

- Não! Explicou Antonina. Você passou as páginas rápido demais. Explicou.

- Este livro não é a Bíblia inteira, é apenas o Novo Testamento...

Os meninos tinham um contato anterior com a Bíblia, talvez pela grande influência evangélica em sua comunidade.

Antes de terminar a aula, houve um apelo:

- Você vai trazer mais estas canetas?

E Antonina, tocada, deixou cada um ficar com um kit. 





Nenhum comentário: