10.12.17

COM O CHICO NO CINEMA



Passei o final de semana com Chico Xavier. Não o Chico, espírito desencarnado, mas o Chico da mente de um autor espírita e mineiro.

Fiquei encarregado de falar sobre a vida de Chico Xavier no sábado, na reunião de encontro das mediúnicas, e me incumbi de concluir a leitura dos dois livros escritos por John Harley, espírita de Pedro Leopoldo que teve convivência direta e familiar com o médium.

“O voo da garça” e “Nas trilhas da garça”, publicados há pouco, são dois livros muito diferentes dos que já li sobre o Chico, porque John optou por uma narrativa culta, com palavras de fácil entendimento, que entremeiam a vivência dele, com a vivência de outros “amigos de Chico” e com a literatura disponível sobre a vida do orientando de Emmanuel. John nos deixa saber que ele tem uma trajetória pela psicologia, o que nos faz compreender por que ele busca o mesmo que nós: desconstruir a imagem de santo popular e entender a humanidade do Chico, coisa que o médium sempre prezou, até mesmo na escolha do seu pseudônimo.

As perguntas que ele se faz sobre o médium nunca têm respostas simples ou monocausais. Perguntas como: por que ele se mudou para Uberaba? São respondidas à luz de diversos eventos e opiniões de outros autores, que culminam em uma resposta sempre elaborada e complexa.

John não consegue ocultar a admiração que tem do médium, e nem precisa, já que sabemos bem “de onde vem” o texto, e para quem foi escrito. Admiração que não se confunde com ilusão porque ele percebe e deixa perceber o sofrimento do Chico com a sua idealização pelo público, o preço da fama (no caso, o sacrifício da intimidade), a invasão não desejada pelos seus admiradores, a luta com (ou contra) seus impulsos, as difíceis escolhas que ele fez pelo compromisso com a doutrina. Creio que ninguém vai querer ser Chico Xavier após ler os livros de Harley.



Hoje fui ao cinema com a minha filha que está de gesso no pé, mas se recuperando bem. Conseguimos uma cadeira de rodas no shopping, para que ela não tivesse que se deslocar de muletas e fomos assistir um cinema em família. A jovem na cadeira de rodas chamava a atenção das pessoas, que a olhavam com diversos estados de espírito, entre a dúvida e a piedade. As crianças não escondiam algum comentário com as mães, sempre generosos ou engraçados.

Ao fim do filme, uma das funcionárias do cinema nos atendeu com muita gentileza, facilitando a saída, informando sobre os espaços para cadeira de rodas e consolando minha filha, dizendo-lhe que em breve estaria andando novamente. Acolhemos com simpatia a generosidade dessa funcionária, que se sentiu respeitada e segura conosco. A conversa com minha filha foi até o ponto em que ela recomendou que aproveitasse o convívio com a mãe, que compunha o nosso trio, quando ela se emocionou. Ela nos disse que sua mãe havia ido há três meses, e que ela sentia muita saudade. Sabia que a mãe estava bem , mas nunca mais receberia um abraço dela.

Eu reagi como de costume, disse-lhe que ainda iria rever a mãe, mas ela não escutou.

Imediatamente, recordei a narrativa do John. Ele dizia que muitas pessoas levavam sua dor para o Chico e que uma vez ele ouviu uma mãe narrar a dor de perder a filha. O ímpeto dele foi de falar alguma coisa que normalmente dizemos, como “o tempo vai diminuir a sua dor”, ou “não fique triste”, ou ainda alguma frase daquelas que visam diminuir a manifestação de sofrimento, mas que expressam apenas a nossa incapacidade de entendê-lo ou nosso desejo oculto de afastá-lo de nós.

O Chico apenas abraçou e chorou. Chorou com a mãe. E o ato de perfeito entendimento, de empatia na dor, parece que tinha seu efeito mágico. O choro aliviava. Ela não estava mais sozinha em sua dor.

Quando me lembrei, quis abraçar também a funcionária, mas não seria conveniente. Entendi que o Chico não apenas fazia a coisa certa, mas criou o lugar certo e um momento socialmente aceito para que as dores pudessem ser repartidas. Eu entendi como era singelo e, ao mesmo tempo, grandioso, o trabalho que esse homem fez. Alguém com óculos diferentes dos meus, geralmente critica o que o Chico fazia, como assistencialismo ou sensacionalismo baratos. Geralmente são pessoas que enxergam o homem apenas com suas necessidades fisiológicas, de segurança e de conhecimento, visto como arte e cultura. Eles não estão errados, apenas são incapazes de compreender o que fazia o médium das Minas Gerais.

Agradeço ao John Harley ter compartilhado seu mundo íntimo. Nos dias de hoje, foi um ato de coragem.

Nenhum comentário: