26.4.18

ENTRE A CRACOLÂNDIA E O UMBRAL



Estávamos em um táxi, na região da Luz, em São Paulo, com um motorista silencioso, quando passamos em uma localidade que, em princípio pareceu-se com uma concentração de moradores de rua. Aos poucos, o carro foi passando e a nossa impressão é que se tratava de muita gente para ser apenas moradores de rua. Quem sabe não seria uma manifestação?

A multidão continuava. Eram pessoas assentadas, outras deitadas, algumas desacordadas. Muita fumaça de cigarro, alguns enrolados em palha, como vi muitas vezes os moradores da roça fazerem e usarem na minha infância.

O ambiente era ruim, estranho, e a pergunta saiu de chofre:

- Esta é a cracolândia? Estamos na cracolândia?

O motorista quebrou seu silencio, e com uma expressão de desconforto respondeu, lacônico.

- É.

Começamos a observar as pessoas, e nosso condutor resolveu nos explicar.

- Ficam aí de dia e de noite. O prefeito tentou interná-los, mas houve reação dos “direitos humanos” e eles voltaram para a rua.

- É por isso que há policiais ao redor? Perguntou minha esposa.

- Sim, mas não adianta nada. De vez em quando eles saem em forma de multidão, saqueando. Estão vendo aquelas lojas? Já estão quase todas fechadas, após terem sido saqueadas diversas vezes. Quando isso acontece, a polícia não tem reação.

Ele nos mostrou as instalações construídas pelo prefeito de São Paulo para triagem, banho e acolhida. Uma enorme estrutura, com aspecto de abandono. Nosso condutor continuou sua explicação:

- Ficam algumas assistentes sociais em meio ao povo, oferecendo auxílio do Estado. De vez em quando uma pessoa aceita ajuda, mas a maioria é indiferente ao trabalho delas.

Mesmo morando na  capital mineira, nunca havíamos visto algo igual.  Eu já havia visto as imagens da cracolândia através da tela da televisão, mas a impressão de estar ao lado das pessoas, mesmo de dentro de um automóvel, é incomparável.

Ficamos lembrando das descrições que encontramos sobre o “umbral”, através da mão de Chico Xavier, guiada por André Luiz. Espíritos que compartilham o mesmo espaço, em sintonia uns com os outros, esquecidos da vida, ou pior, acreditando que a vida se resume a essa experiência que se encontram vivendo.
As assistentes sociais em meio ao magote de pessoas lembram os espíritos que ingressam em tarefa, tentando sensibilizar os “habitantes” do umbral a mudar seus pensamentos e a abrir espaço para outro tipo de vivência. Nem sempre são bem sucedidos, porque muitos sofrem, mas preferem continuar com seu estilo de vida.

Manoel Philomeno de Miranda e André Luiz descrevem espíritos que se agrupam e tentam algum tipo de violência coletiva, algo semelhante aos “cracklanders” que furtavam os vendedores da região.

Não é uma penitenciária, um lugar para se cumprir uma pena posta por autoridade da lei, mas uma escolha, aos nossos olhos, infeliz. Quanta gente jovem, que poderia escolher outra trajetória de vida largada no amontoado, no meio da rua. Que fazer para ajudar as pessoas a escolher melhor seu destino?

2 comentários:

Anônimo disse...

A comparação com o umbral foi perfeita! Aliás, trata-se de um trabalho árduo para os esclarecedores (assistentes sociais)... Tenho curiosidade de saber como é o planejamento reencarnatório para aqueles espíritos que nascem filhos de "cracudas". Leandro

Emerson Santos disse...

Respeitosamente a analogia me pareceu um juízo de valor e que poderia ter sido melhor refletida pelo autor do texto. Aquilo que nos parece não é necessariamente o que é, e em sendo assim, o que pareceu a André Luiz pode ser diferente do que pareça a alguns de nós. A reflexão deveria ser porque uma sociedade permite ainda que ocorram situações como estas? Onde estamos errando coletivamente? Responsabilizar única e exclusivamente o indivíduo que se mostra drogado é esquecer que em nossa sociedade limpinha há também viciados em drogas lícitas que não se unindo fisicamente, unem-se com certeza, mentalmente. Essa marginalização é recorrente na história, e os viciados em crack de hoje são os leprosos do tempo do Cristo. Luz & Paz!