18.12.07

Victor Hugo e os Espíritos

Recentemente um documentário sobre o livro "Os Miseráveis" chamou-me a atenção para o lado espírita de Victor Hugo. Nele, um dos estudiosos da obra de Hugo afirma que os espíritos o incentivaram a concluir e publicar o livro que se tornaria um marco na literatura mundial, por dar voz e luz a uma população geralmente esquecida, diminuída ou marginalizada pelos autores anteriores à sua época.



O escritor francês foi condecorado cavaleiro da Legião de Honra em 1825, membro da Academia Francesa e foi eleito deputado constituinte de Paris em 1848 e 1849. Foi eleito presidente do Congresso Internacional da Paz em 1849. Em 1852 um decreto do governo de Luis Napoleão o expulsa da França e ele vai para a ilha de Jersey, onde teve contato com a mediunidade e os espíritos. Hugo só voltaria à Paris após a proclamação da república, mesmo tendo sido anistiado.


O livro de Maria do Carmo Schneider, de leitura agradável, focaliza o lado espírita de Victor Hugo, conectando-o à sua obra. São impressionantes os poemas obtidos pela via mediúnica na ilha de Jersey e os espíritos com quem comunicava-se, que adotavam pseudônimos poéticos como "Sombra do Sepulcro", "Dama Branca", "Leão de Ândrocles" e "Pomba do Arco". Poetas famosos também assinavam as comunicações, como Molière, Ésquilo, Shakespeare, Dante e Camões.


A pena dos historiadores e biógrafos de Victor Hugo muitas vezes o considerou um "louco no exílio", assim como foi feito com outras personalidades notáveis que se tornaram espíritas ou espiritualistas como William Crookes e Robert Owen. Em sua "loucura genial" Victor Hugo ainda publicou mais de vinte grandes obras, como "O Homem Que Ri", "Os Miseráveis", "William Shakespeare", "Trabalhadores do Mar", "Torquemada" e outras obras memoráveis.



Além do trabalho de Maria do Carmo, quem desejar conhecer uma abordagem filosófica da obra de Victor Hugo, pode ler o livro "Victor Hugo, Espírita", escrito pelo espírita argentino Humberto Mariotti e publicado em português pela editora EME.

Como um presente ao leitor do blog, fica um dos poemas mediúnicos da Ilha de Jersey, ditado pela "Sombra do Sepulcro":


"Espírito que quer saber o segredo das trevas,
E que, segurando nas mãos a terrestre chama,
Vem, furtivo, apalpando nas nossas fúnebres sombras,
Espicaçar a imensa tumba,

Retorna ao teu silêncio e sopra tuas velas,
Retorna à noite de onde algumas vezes sais;
O olho dos vivos não lê coisas eternas
Por sobre os ombros dos que não vivem mais."

(Resposta a Hugo da Sombra do Sepulcro após duas perguntas dirigidas a Molière) Leia sua interpretação na página 52 do livro de Schneider.

5 comentários:

Alexandre disse...

Jáder,

poderia dar a referência do documentário que você mencionou? Não sabia da informação sobre Os miseráveis. Interessante notar que as investigações mediúnicas do Victor Hugo ocorreram antes da publicação de O Livro dos Espíritos. E os textos mediúnicos que ele apresenta parecem distintos dos de Kardec. Há um Jesus, por exemplo, meio zangado, bem diferente daquele apresentado no Evangelho segundo o espiritismo. É um bom material para ser estudado.

Jáder Sampaio disse...

Alexandre,

Eu o assisti em um dos canais da Discovery, mas não fui capaz de localizar o programa. Cheguei a pesquisar no site da NET e no caderno de programação, mas foi em vão.

Um abraço

Jáder Sampaio

Jáder Sampaio disse...

Alexandre,

Eu o assisti em um dos canais da Discovery, mas não fui capaz de localizar o programa. Cheguei a pesquisar no site da NET e no caderno de programação, mas foi em vão.

Um abraço

Jáder Sampaio

Anônimo disse...

Irmão,

permita-me fazer uma contribuição, como forma de extender o seu post sobre Victor Hugo... Neste artigo o autor fala um pouco sobre esta figura exponencional que foi Victor Hugo.

nacip Gomes disse...

Ótimo material para reflexão e pesquisa. lembrando apenas a importância deste magnífico espírito autor de obras literárias de grande valor.
Parabéns Jáder...