9.2.08

A Desencarnação de Allan Kardec


Por mais estranho que possa parecer, a desencarnação de Kardec tem sido objeto de polêmicas.


Discutia-se a causa da morte, discute-se a data em que ocorreu, talvez no futuro se venha a discutir se ele existiu mesmo, como o fazem hoje com Jesus.


Este tipo de debate põe em questão a credibilidade que devemos ter com relação aos fatos da vida de Kardec. Quanto menos soubermos, mais se pode especular e fantasiar a seu respeito, criando-se versões diversas sobre quem foi, qual era seu caráter e qual é a validade de sua obra.


No princípio, não entendi direito por que o Jorge Damas e seu companheiro de estudos Stênio Monteiro de Barros haviam publicado um livro basicamente comentando as certidões de nascimento, óbito e casamento de Kardec. Depois, acompanhei o Dr. Paulo importando e expondo no Museu Espírita de São Paulo, situado à Rua Guaricanga, no tradicional bairro paulistano da Lapa, estes documentos.


Agora vejo que, se os documentos podem não expressar "a verdade", sua existência exige dos críticos mais do que idéias, citações de textos e hipóteses.


Quanto à desencarnação de Kardec, o documento obtido pelos autores da Lachâtre foi enviado por Marie-Andrée Corcuff, permitam-me traduzir suas credenciais: Diretor dos Arquivos de Paris - Conservador do Patrimônio.


Nele está escrito que Alexandre Dellane, François Ernest Labbé (adjunto do prefeito) e Armand Théodore Desliens (Continuador da Revista Espírita) declararam seu óbito às duas da tarde em seu domicílio em Paris à Rue Ste. Anne 59, no dia 31 de março de 1869. A certidão foi lavrada no dia seguinte.

Nenhum comentário: