16.2.08

Leopoldo Machado e Marília Barbosa


Procurei o livro "Graças sobre Graças" de Leopoldo Machado para extrair alguma das situações que ele viveu em visita a Belo Horizonte.

De Chico Xavier a Martins Peralva, passando por inúmeros espíritas que antecederam a nossa geração, a crônica do arauto de Nova Iguaçu recupera usos e costumes do movimento espírita da época.

Contudo, detive-me na segunda parte do livro, que trata da desencarnação de Marília Barbosa, esposa de Leopoldo. Ele nos abre algumas de suas vivências, de forma transparente e corajosa.

Encurtando a história, Dona Marília desencarnou de câncer, em uma época na qual a medicina tinha parcos recursos. Durante sua doença, manteve-se viva e ativa quanto pode. Operou-se na Casa de Saúde Santo Agostinho, mantida pela Associação Espírita Obreiros do Bem. "Anestesiada a gases aspirados" viu uma estrada muito ampla, com a figura luminosa do Cristo que a chamava com o braço direito, dizendo: - Vem! Após despertar, ela disse: "Preferi viver mais, para fazer muito bem a muita gente!"

Ainda hospitalizada, recebeu a visita de Lins de Vasconcellos e Campos Vergal. Os dois e Leopoldo combinaram os planos para a realização do Primeiro Congresso de Mocidades Espíritas do Brasil.

Leopoldo narrou diversos eventos dos quais ela participou até a desencarnação.

Emocionou-nos o episódio que passo a transcrever:

"Uma tarde, abrindo os olhos de um ligeiro sono narcótico, deu conosco ao lado do seu leito, com os olhos em lágrimas.

- Você chorando? Você não é homem para choro!

- Quem pode vê-la assim, que lhe queira bem, e não chore! Perdoe, sim!

- Não pensei que você fosse tão meu amigo!"

Marília desencarnou em 1949 pedindo a Leopoldo: ..."não me deixem canonizar!"

O leitor minimamente informado vai se recordar do Lar de Jesus em Nova Iguaçu, de sua participação operosa e respeitada nesta comunidade e de sua presença silenciosa no movimento espírita.

Minha alma se cala, em sinal de respeito.

2 comentários:

GABRIELA disse...

A vida de Leopoldo Machado é deveras interessante e especialmente os jovens espíritas deveriam conhecê-la, pela importância dessa figura no movimento espírita jovem brasileiro inicial. Que lembranças como essas do Jader possam incentivar o conhecimento sobre a vida de Leopoldo e sua luta pela unificação. Abraços, Gabi

Flávio Mussa Tavares disse...

Caro Jáder, será que fala no livro sobre a "MOcidade Espírita de Campos", fundada por meu Pai, foi a primeira no Brasil, em 1940.
Abraço.
PS- Estou no aguardo...