18.7.08

O Espiritismo é eclético?


Figura 1: O Espiritismo e as Doutrinas Espiritualistas

Deolindo Amorim foi convidado pelo presidente da Federação Espírita do Estado do Paraná (João Ghignone) e pelo Diretor do Jornal Mundo Espírita (Francisco Raitani) a escrever um livro, baseado nos artigos e entrevistas de rádio que fez, que distinguisse o Espiritismo das diversas manifestações doutrinárias do Espiritualismo, em 1957.
À época os cientistas sociais aproximavam o Espiritismo dos Cultos Afro-brasileiros, tomando por foco as práticas mediúnicas e membros do movimento espírita desenvolveram práticas sincréticas entre o Espiritismo e algumas doutrinas espiritualistas, tomando a reencarnação como ponto comum.
Deolindo, um autor com bagagem de conhecimentos acadêmicos, fundador do atual Instituto de Cultura Espírita do Brasil, escreveu um texto simples e claro, mostrando, na primeira parte, semelhanças e diferenças entre o Espiritismo e outros corpos doutrinários espiritualistas como: o Espiritualismo Moderno, a Fraternidade Rosa-cruz, a Cabala e a Teosofia.
Ele se posiciona abertamente contra o ecletismo (“escolha do que parece melhor entre várias doutrinas, métodos e estilos”). “É melhor discernir do que confundir, pois é discernindo que se põe ordem nas idéias para procurar a verdade”, afirma ele.
Na segunda parte ele discute a interpretação espírita do Evangelho. Ele combate duas abordagens que denomina de intelectualismo inócuo (a mera discussão histórica dos evangelhos, voltada apenas à demonstração de erudição) e o evangelismo improdutivo (a consideração do Evangelho como um “princípio de fé” a ser interpretado literalmente). Amorim destaca uma frase de efeito para mostrar como seria a exegese espírita dos evangelhos: “É o Espiritismo que interpreta o Evangelho, não é o Evangelho que interpreta o Espiritismo.” Deolindo valoriza, como Kardec, a ética cristã, como proposta mais importante para a modificação do homem. Ele desenvolve uma tese que defende a adaptação entre a moral cristã e a ética espírita.
A terceira parte é dedicada ao debate sobre os cultos materiais. Deolindo inicia discutindo as semelhanças e diferenças entre Espiritismo e Positivismo Comtiano, especialmente na fase da Religião da Humanidade, movimento este menos influente na sociedade brasileira contemporânea que no início do século XX. Ele mostra que apesar de ter alguns pontos de contato, o Espiritismo difere bastante do Catolicismo e passa a dissertar sobre os pontos comuns e diferentes entre Espiritismo e Umbanda. Amorim evidencia a ausência de culto, ritual, sacerdotes e símbolos no Espiritismo, todos presentes na Umbanda, a diferença de nomenclatura e a existência de um corpo de doutrina espírita, em comparação à tradição oral da Umbanda.
A quarta e última parte discute uma questão polêmica. Quem se pode chamar de espírita? Deolindo, coerente com a argumentação até então desenvolvida, considera espírita “quem aceita a doutrina integralmente, quem concorda com os seus princípios, quem se submete às normas morais que decorrem desses princípios”. Ele entende que a mera participação nas atividades de um centro espírita, como em reuniões mediúnicas, sem o conhecimento da doutrina espírita não é suficiente para se considerar a pessoa como espírita. Amorim fez uma revisão ampla da obra de Kardec para sustentar sua afirmação. Mostrou a conduta esperada pela diretoria da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas de seus associados e os critérios que utilizava para distinguir os simpatizantes dos membros. Debateu as teses de leitores da obra espírita que entendiam que se devia considerar espírita todo aquele que acreditava nas manifestações dos espíritos, e mostrou com fundamentação que estes apenas apontaram partes de Kardec que, lidas separadamente do conjunto da obra, lhes subsidiavam as conclusões apressadas.
Passados cinqüenta anos da publicação desta obra, o tema continua contemporâneo, embora algumas das polêmicas tenham tomado outro rumo. Hoje muitos antropólogos defendem a existência de sincretismos entre o Espiritismo Brasileiro e o Catolicismo, abandonando a linha de estudos que aproximou o Espiritismo dos cultos afro-brasileiros. Com a aceitação social e a ampla divulgação na mídia, os espíritas se tornaram socialmente aceitos pela população brasileira, e uma nova onda de sincretismos e de ecletismos têm sido objeto de debates nas Sociedades Espíritas. Neste novo cenário, recordar a argumentação de um trabalho tão lúcido sobre a identidade do Espiritismo é fundamental para as decisões que se impõem sobre a nova geração de espíritas brasileiros.
Jáder Sampaio

Livro: O Espiritismo e as Doutrinas Espiritualistas
Autor: Deolindo Amorim
Editor: Federação Espírita do Paraná (1a. Edição) e Centro Espírita Leon Denis (Série Deolindo Amorim).
127 páginas
13,5 X 18,5

2 comentários:

Bruno Rodrigues disse...

(...)À época os cientistas sociais aproximavam o Espiritismo dos Cultos Afro-brasileiros(...)

Tenho percebido que isso ocorre até os dias hodiernos. Lendo alguns artigos científicos e mesmo dissertações e teses, em vários aparece o espiritismo englobando os cultos africanistas.

É uma pena, e essa idéia tem se enraizado no meio acadêmico. Se continuar assim, irá se criar essa concepção (que por sua vez ganha cada vez mais força).

Nós espíritas sabemos separar muito bem, mas... o que podemos fazer para resolver essa questão de uma vez por todas?

Não tenho a resposta.

Bruno Rodrigues disse...

Lendo a edição número 58 da Revista Universo Espírita, deparei-me com a seção Espiritismo Comentado e este interessante texto "O Espiritismo é eclético?". Gostaria de parabenizar o Jader pela iniciativa.

O artigo me deixou muito interessado em conhecer a obra de Deolindo Amorim. Já encomendei 3 livros e logo começarei a estudá-los.

Obrigado.