4.9.08

Cuidado, Crianças!

O menino não aceitava receber passes.
A mãe o levava ao Centro Espírita e, das primeiras vezes, não havia quem o pusesse sentado na cadeira sem retirar a cabeça do alcance das mãos do passista, chutar as pernas do infeliz, rebelar-se em alto brado: Não quero receber passes.
Com algum tempo e muita paciência ele foi cansando de rebeldia, mas continuava sem aceitar os passes. Como ato extremo de protesto, ele encostou o topo da cabeça no espaldar da cadeira e disse, vitorioso: - "Pronto, agora não entra nada"....

Nenhum comentário: