29.11.08

Como Evangelizar Crianças de Comunidades Carentes?


Figura 1: Crianças Árabes Brincando. De Etienne Dinet.

A semana de Célia Xavier de 2008 encerrou-se no dia 21 de novembro com a palestra da psicóloga Soraya Mendonça, coordenadora de evangelização infantil.

É possível evangelizar crianças que perderam a infância?

Esta foi a pergunta central que motivou Soraya a enriquecer o trabalho de evangelização no Grupo Espírita Irmão Frederico, situado próximo à Vila São José, vizinho a uma comunidade próxima ao anel rodoviário de Belo Horizonte.

Após 15 anos de trabalho com reuniões de pais, ela aceitou o encargo de trabalhar com as crianças, trabalho para o qual ela tinha formação porém sem experiência.

Muitas das crianças haviam perdido sua infância. “Adultos miniaturizados”, porque ainda na segunda infância tinham que traballhar em casa e cuidar de irmãos menores sem a presença física dos pais.

Soraya contou muitas histórias de violência de diversas ordens, o que predispôs ao desenvolvimento de crianças sem vivência de afetos, resistentes ao contato físico, agressivas e ameaçadoras. Elas chegavam à sala de evangelização sem conseguir prestar atenção nas aulas, com emoções em desalinho.

O trabalho foi mudado. Passes oferecidos após a chegada das crianças, uma atividade anterior à evangelização identificada como “integração”, as aulas de evangelização propriamente ditas e, para terminar, uma suculenta sopa distribuída a todos.

A estratégia mostrou-se cheia de resultados, mas, como é feita a integração?

Integração

Uma das finalidades da integração é reconstituir a experiência lúdica, perdida nas histórias dos pequenos adultos.

Soraya trabalha com músicas, entre músicas infantis espíritas, cantigas e músicas utilizadas nas escolas, que ela integra com gestos e pequenas coreografias. “Algumas crianças mal conseguem pegar o lápis, têm dificuldades com a motricidade fina”, explica. Além de permitir a expressão de sentimentos e criar um ambiente descontraído, a música incentiva os pequenos a fazer gestos e movimentos de liberdade e graça, em conjunto.

Depois das músicas, ainda em conjunto (o número de crianças evangelizadas não é tão grande, devendo chegar a cerca de quarenta), no salão, iniciam-se jogos realizados em conjunto. “Antes dessa atividade ser implantada, elas chegavam na sala cheias de energia, e chamavam-lhes a atenção o tempo todo, inutilmente”. Os jogos foram escolhidos em diversas fontes, inclusive uma apostila da Federação Espírita Brasileira.

Soraya projetou as imagens de alguns dos jogos. São jogos com um componente corporal (conter bolas de tênis em um círculo de crianças, andar vendado em um labirinto de pinos de boliche orientado por duas equipes concorrentes, andar em conjunto com um colega, amarrados pelos pés com barbantes, etc.) após os quais se faz uma reflexão. As crianças identificam valores antigos, como a colaboração, a amizade, a parceria, a liberdade de escolha entre o bem e o mal...

Fotografias Psicológicas

A coordenadora apresentou muitas fotografias de seu trabalho. Nelas se vê faces ora sofridas, ora cheias de graça. Algumas crianças continuam resistentes ao contato físico (um semi-abraço, um toque de mão nos ombros, etc.), outras já se permitem interagir com a psicóloga e com os colegas.

Outro detalhe salta aos olhos: com o passar do tempo as crianças passam a se arrumar para participar do grupo. Não é mais necessário ser maltrapilho e se deseja apresentar bem frente ao outro. As adolescentes passam batom, as crianças chegam com os cabelos cuidados, os meninos passam gel... O centro espírita não é mais o lugar de cuidar dos pobres, é um local de encontro de pessoas dignas.

Prontos para a aula

O espaço lúdico-pedagógico torna-se valioso para os evangelizandos. Talvez seja uma das poucas oportunidades de brincar que têm, em sua vida sofrida. Eles passam a exigir dos pais a presença na casa espírita.

Após o passe e as brincadeiras, em vez de ficar excitados, eles “esgotam suas energias”, sendo mais capazes de assistir aulas preparadas pelos evangelizadores do grupo. Tornaram-se crianças, e como tais não se transformam em argila dócil, mas confiam mais na equipe, aceitam mais o contato humano e estão mais dispostos a ouvir histórias, discutir seu mundo à luz do Espiritismo e fazer atividades mais tranqüilas, como desenhar.

Alguns resultados

Com nomes fantasia, que protegem a identidade, Soraya apresentou-nos alguns dos resultados, que vieram com o tempo. A menina que brincava e liderava meninos na rua, que a havia ameaçado com um pedaço tosco de pau na mão foi se tornando feminina, dócil e integrando-se ao grupo. Hoje ela ajuda a evangelizar crianças pequenas, é uma jovem que se tornou membro do grupo que antes parecia ameaçá-la.

O menino que verbalizava não gostar de ninguém, fechado, sofrido, após um tempo de trabalho, deixou um coração vermelho desenhado e cortado na cartolina, dizendo aos evangelizadores, “eu amo vocês”, para a emoção de todos.

Desenhos coloridos com cores escuras, expressando cenas de dor e violência, dão lugar a traçados coloridos, azuis, verdes, amarelos e vermelhos, que para nós, psicólogos, são um indício de manifestação de “bons” sentimentos, tão ausentes na vivência anterior dessas crianças.

Os casos se multiplicaram, mas o tempo da palestra e o espaço dessas linhas não os comportam a todos.

Saímos todos meditativos. Há muito que pensar, que fazer e que mudar.

8 comentários:

Anônimo disse...

Essas experiências tem de ser divulgadas e, se possível, reproduzidas. Quem sabe toque o coração daqueles que pensam que essas crianças são uma geração perdida.
Deus abençõe a companheira.
Abraços
José Luiz M Moreira

Anônimo disse...

Acreditar no ser humano... Enxergar o que de bom as pessoas possuem, mesmo que esteja muito bem escondido...
Isso pode não ser fácil, mas penso que seja o caminho.
Enxergar ESPERANÇA onde ninguém consegue ver pode representar um grande desafio, no entanto, é fundamental na construção de um mundo melhor. O adulto, em regra, mostra-se mais resitente à mudança... as crianças, entretanto, mesmo as que já enfrentaram grandes dissabores, são mais acessíveis, desde que tenhamos BOA-VONTADE de agir naquilo que estiver ao nosso alcance.
Creio que seja isso que Jesus espera de nós: fazermos o que já nos é possível... com dedicação, boa-vontade e muito amor...a final de contas, não é assim que os Benfeitores agem conosco o tempo todo?
Que o amor do Mestre ilumine a todos nós...
Fernanda

Anônimo disse...

Gostei muito do resumo da palestra. Trabalho como crianças carentes. A alguns anos a região que eu trabalho, vem trocando a carência material, que era muito característica no início, por extrema violência. As crinças são violentas, aparentemente, gratuitamente. Usamos o material da FEB para dar as aulas, mas ele não tem ajudado muito. Vocês teriam algum material para auxiliar o planejamento das aulas? Há como mandar algo para lubiam@gmail.com

Grata, Lúbia

Isabel Balbi disse...

Faço parte de um grupo que trabalha com famílias carentes, e notamos que os adolescentes na maioria são bastante resistentes em se abrir e mostrar-se participativos. Busco orientação no sentido de ter aulas que possam interessá-los e assim ajudá-los. Estava lendo a página inicial e me identifiquei bastante, tendo a certeza que encontrarei ajuda de vocês que são muito mais experientes.
MEU endereço: isabelbalbi@gmail.com

Anônimo disse...

Trabalho numa comunidade assim. No grupo de crianças um, "surdo mudo", agressivo e que sofre agressões dos colegas. Não temos entre os colaboradores ninguém que saiba a linguagem de libras. Mandá-lo embora do trabalho, nem pensar.
Alguém tem alguma experiência ou uma orientação que me possa ser útil?
Fraterno Abraço.

Neilo Marden Cabral.

Alfenas MG.

Jáder Sampaio disse...

Neilo,

Na seção de comentários não temos acesso a seu e-mail. Como este post é antigo, publiquei seu comentário no Espiritismo Comentado-Facebook e as pessoas estão fazendo sugestões. Vc tem facebook? Se quiser que eu envie os comentários para vc, mande seu e-mail no espiritismocometado@gmail.com

Anônimo disse...

bom dia, quando vi essa pagina me identifiquei muito pois sou evangelizadora numa casa espirita e as crianças que frequentam são acompanhadas com as mães para receberem auxilio de bens materiais (cesta básica, roupas) e percebo entre elas que são muito materialista, sempre perguntam quando vão ganhar presentes e faltam muito. estou procurando matérias que possam auxilia-los,ja utilizei a apostila da feb e motiviquei algumas aulas, pois eles frequentam outras religioes tambem, muitos evangelicos.

mariane dornelas

Neilo Marden Cabral disse...

Jader, Boa Noite.
Depois de tanto tempo consegui reencontrar esta página. Procurei muito. Vi com Alegria sua resposta. Eu tenho sim um facebook, é Neilo Marden Cabral. mas cuidado que eu tenho um filho com o meu nome e é bem mais divertido que o meu. Agradeço a todos que quiserem colaborar comigo .

Te Agradeço muito também, Jáder.

Paz nas Almas.
Marden.

eumarden@yahoo.com.br