16.12.08

A Sociedade dos Amigos e o Espiritualismo Moderno

Estava lendo as Cartas Inglesas de Voltaire e surpreendi-me com as quatro cartas que ele escreveu sobre os Quakers (que é um nome pejorativo dado pelos ingleses aos membros da Sociedade Religiosa dos Amigos).


Foto 1: Voltaire, autor de Cartas Inglesas

Voltaire narra uma visita (real ou imaginária?) que ele faz a um Quaker inglês. O religioso recusa-se a fazer as mesuras de cumprimento, mantém seu chapéu de abas largas na cabeça, mas trata-o com brandura e fraternidade. Veste-se simplesmente, sem apresentar qualquer sinal ou signo de distinção, trata as autoridades por você ou tu, o que as aborrece em sua época.

Os Amigos não se batizavam nem se submetiam a qualquer dos sacramentos da igreja, embora se considerassem cristãos. O interlocutor de Voltaire argumenta que Jesus se deixou batizar, mas não batizava e que afirmava que um dia se batizaria com o "fogo do espírito".

Eles defendiam a emancipação da mulher, que tomava parte ativa em seus cultos. Nas formas originais, não havia sacerdotes ou bispos, os cultos eram realizados pelos membros indistintamente, podendo haver uma manifestação de quem se sentisse influenciado pelo Espírito Santo, o que se fazia com tremores e agitações, segundo Voltaire. (Desta prática veio o nome quaker, que significa, aquele que treme, que se agita, mas há outra versão que atribui a um juiz dizer que "eles tremiam ante o poder de Deus")
Perseguidos e espancados pela intolerância religiosa, na Inglaterra e nos Estados Unidos, fundaram o estado da Pensilvânia (nome dado por William Penn, que ganhou as terras da coroa inglesa como forma de quitar uma dívida que o rei tinha com seu pai).

As relações do Quakers com os índios eram diferentes das dos demais colonizadores, por respeitarem-nos segundo escrevem os autores simpáticos ao movimento religioso.


Figura 2: Tratado de William Penn com os Índios Norte-Americanos



Quakers e os Espiritualistas Modernos

Foi um Quaker (Isaac Post) o defensor da família Fox ante a fúria de seus conterrâneos, que acreditavam que elas cometiam fraudes ou realizavam artes demoníacas. Ele posteriormente se tornaria um médium, além de abolicionista e defensor de igualdade de direitos. Sua esposa (Amy Post) auxiliaria os escravos libertos na Guerra Civil americana, recolhendo roupas, remédios e alimentos para doar-lhes, além de abolicionista ativa, ela se tornaria sufragista.



Figura 3: Isaac Post


No livro História do Espiritismo (Arthur Conan Doyle), eles compunham um segmento expressivo do movimento que o criador de Sherlock Holmes descreveu como os "shakers", que dançavam e tremiam até dar comunicações de peles vermelhas.

Nota-se uma semelhança entre a ética e leitura do cristianismo feita pelos Quakers ou Amigos e pelos espíritas.

Deve haver alguma raiz comum no passado, além dos espiritualistas norte-americanos e que daria uma boa pesquisa a ser feita pelos interessados.

Um comentário:

Lourenço disse...

Muito interessante!
Lembrei-me da citação de John Donne: "“Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do género humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.
Somos, em termos de humanidade, muito mais próximos do que pode parecer...

- Lourenço