24.7.09

CRÔNICA: SEXTÃO EM NOVA LUZ

Sete e meia da manhã e a turma de evangelização infantil, com alguns agregados acima e abaixo da idade já se reuniam para um programa diferente. Os pré-adolescentes iriam ajudar a festa junina preparada para as crianças da evangelização do núcleo que funciona em uma das regiões mais carentes da Grande BH.

Autorizações escritas dos pais em mãos, aguardamos que uma mãe esquecida chegasse esbaforida de carro, trazendo o papel que esquecera para que a filha pudesse seguir com o grupo.



Figura 1: Sextão com as prendas preparadas para distribuir em Nova Luz


O bairro Rosaneves fica em Ribeirão das Neves, considerada cidade dormitório por alguns analistas econômicos e região de criminalidade violenta pela Polícia Militar. Seguimos a BR040 até a entrada para Esmeraldas e entramos à direita. O comboio de carros de passeio seguia em fila indiana, e dentro dos veículos a conversa era animada.

Ao chegar ao bairro, a paisagem modifica. Casas simples em uma arquitetura horizontal, um comércio ativo porque era manhã de sábado e uma comunidade evangélica em cada quarteirão. Muitas destas comunidades eram simples como o povo, mas a igreja da Universal se destacava com sua altura acima da linha dos telhados e as grandes janelas azuis, penso que indicando prosperidade em meio à simplicidade.


Figura 2: Vista da região ao fundo de Nova Luz
Apesar de já estarmos auxiliando nossos irmãos de Nova Luz há alguns anos, eu nunca havia estado pessoalmente. Vi através de fotos a construção pequenina no imenso terreno doado pela generosidade de um amigo do Sr. Arnaldo, ex-diretor de nossa casa. Com o passar dos anos, o Célia Xavier foi apoiando a construção de novos espaços para atividades.

Chegamos cedo, mas já havia crianças e mães à porta, esperando, álacres.

A coordenadora da evangelização e o diretor do núcleo nos receberam, com entusiasmo e afeto, apresentaram os trabalhadores voluntários da região e os que vêm de Belo Horizonte todas as semanas para auxiliar na cozinha e nas aulas. A maioria é de jovens, trabalhando lado a lado com adultos, como é o caso do Dr. Felipe, médico que ajuda na preparação do lanche e põe a mão na massa na hora da limpeza.


Figura 3: Voluntários da cozinha preparando o lanche do dia

As paredes são simples e o salãozinho estava decorado com frases da mediunidade de Chico Xavier e da codificação em banners feitos com dedicação e pequenos problemas de ortografia.

As salas de aula foram transformadas em barraquinhas de jogos: boca do palhaço, latas empilhadas, arremesso de argolas e outros, tão característicos das festividades juninas.

Aos poucos as crianças foram entrando e eu saí para a rua para conversar com os membros da população que foram atraídos pela curiosidade. Uma criança, que não publicarei o nome nem a foto, olhava por detrás do gradil procurando pelos colegas que já haviam entrado. Eu perguntei se ele conseguia ver alguma coisa, e nós dois ficamos meio decepcionados, porque as janelas abertas e as filas não permitiam ver os jogos. Eu perguntei porque ele não entraria e ele me respondeu chateado que não podia porque ali era um Centro Espírita e os pais evangélicos jamais o inscreveriam na evangelização espírita. Solidário, perguntei se ele não ia no culto ou na escola infantil da igreja evangélica que os pais freqüentavam, e ele apenas me disse que não gostava de lá.


Figura 4: Sextanistas em uma janela traseira de Nova Luz

As crianças entravam e recebiam cartões que indicavam o número de vezes que poderiam jogar (e ganhar alguma coisa, uma pipoca doce, uma prenda...) Os impressos eram do DCE da UFMG, iam ser jogados fora após seu uso em alguma comemoração, e a coordenadora resolveu dar uma nova utilidade antes de reciclá-los. Até o papel impresso enchia os olhos das crianças.

Os motoristas fomos visitar o terreno e ouvir os planos que os olhos brilhantes do Carlos tinham para aquela luz acesa na comunidade. Uma fábrica de vassouras, tendo em vista a auto-sustentação, uma plantação de flores, um novo espaço para as atividades que vão surgindo com a adesão dos moradores da região ao grupo e ao Espiritismo.

Fiquei de enviar a ele possibilidades de captação de recursos para a efetivação de seus projetos.



Figura 5: Crianças em fila com os cartões para o acesso aos jogos

Veio a quadrilha em um pátio pequenino, mas animado. Evangelizadores e evangelizandos dançavam juntos a tradição e as evoluções universais desta manifestação cultural brasileira.

Figura 6: Saindo...

Foi chegando a hora de arrumar tudo, e a turminha do sextão estava cansada. Sempre foram participantes, mas naquele dia eram trabalhadores. As crianças menores que vieram conosco aproveitaram para brincar nas salas vazias e alguns dos meninos da região aceitaram brincar sem ganhar prêmio, e foi minha vez de organizar a diversão.


Figura 7: Biblioteca de livros espíritas

Terminada a evangelização ainda encontramos membros da comunidade na biblioteca, trazendo e levando livros espíritas para casa. Outros estavam prontos para as aulas de informática, em um pequeno laboratório com máquinas já antigas, mas úteis para a inserção digital dos interessados.

Figura 8: O instrutor no laboratório de informática (à direita)

Tudo organizado, voltamos cansados e felizes para os carros e voltamos conversando durante os quarenta e cinco minutos de estrada. O Henrique, de sete anos estava satisfeito. Perguntei a ele se gostava mais da atividade ou das aulas de evangelização, que ele me respondeu com a honestidade franca infantil: - Você está brincando? É claro que a excursão é melhor!

Um comentário:

Gabrielle disse...

É isso ai Jader...
Foi muito bom estar la, valeu a pena acordar tao cedo para ajudar na festa junina!
O mais interessante é que quem jogava ficava super feliz com as prendas, as vezes, uma picoca ou chup-chup com balas!
Adorei a experiência!!!
Abraços,
Gabrielle