12.7.09

UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA DIVULGA PALESTRAS COMEMORATIVAS DOS 100 ANOS EM SEU SITE


Figura 1: Mesa do Salão União Espirita Mineira
Perdoem os leitores se publico algo da minha experiência pessoal, mas falar na União Espírita Mineira tem sempre um significado diferente para mim. A atual sede, em alguns anos será substituída por uma outra, maior e mais adequada às necessidades de Minas Gerais. Se eu fosse ufanista, diria que o atual governador do estado imitou a idéia da diretoria da União ao criar um novo centro administrativo.

Ano passado tive o prazer de ser convidado a participar de um evento de comemorações dos Cem Anos da UEM.

Mesmo após as reformas empreendidas ao longo dos anos e com intensidade na gestão do Honório Abreu, o prédio continua com seus elementos identitários. A rua simples do centro velho de Belo Horizonte, próxima à rodoviária, a loja ao lado que vende artefatos de umbanda, para a ironia dos transeuntes, o burburinho diário do comércio que se transforma em um espaço quase furtivo à noite, apesar de não ficar nem um pouco deserto.

Na entrada principal, a livraria, hoje ampliada e com expositores que dão acesso ao público dos muitos livros espíritas que parecem pedir para serem retirados das estantes. O balcão aumentado dos livreiros que um dia me venderam fiado o livro “Há Dois Mil Anos”, porque com minha atenção adolescente não conseguia encontrar o dinheiro que levei para adquiri-lo.

Subindo a escadaria, encontramos o salão, que continua quase o mesmo. Conta-se que no seu antecessor da sede velha, Chico Xavier psicografou Humberto de Campos, no dia em que se chamou a Agrippino Grieco, em 1939 para verificar se seu amigo de academia retornava do além. Nele passaram grandes expoentes da Doutrina Espírita, como Jorge Andréa dos Santos, Suely Caldas Schubert, Hermínio Miranda, Martins Peralva... Nele o presidente da FEB viu o mestre de cerimônias convocar todos os representantes de cidades e instituições espíritas mineiras, que foram esvaziando as cadeiras e lotando o palco ao fundo, após anos de ausência representativa da grande entidade brasileira. Nele falava Rubens Romanelli, com seu português castiço e acotovelavam-se pessoas simples, em reuniões semanais quase anônimas, trazendo seus dramas pessoais e seu desejo de conhecer a palavra dos estudantes de Allan Kardec. Nele também um dia funcionou as reuniões da mocidade “O Precursor” que tantos trabalhadores formou para espalhar pelo Brasil e pelo exterior e um dia fiz uma palestra com a presença de um pastor evangélico, que por detrás de uma aparente fachada de respeito, vinha com a eterna intenção de converter e constranger.

Não me recordo ao certo se subi ao segundo andar. Se me conheço bem, mesmo tendo chegado na hora exata, não devo ter resistido. Lá fica a antiga sala 24 que abrigou os cursos de José Mário nas segundas feiras, de Manoel Alves nas terças e de Honório Abreu nas quartas, que também formaram trabalhadores que hoje integram o movimento mineiro e que sempre me reafirmam suas saudades quando associam o meu Sampaio ao de meu pai. Foi lá que recebi a notícia da desencarnação do dentista espírita, pequeno em estatura mas grande em dedicação e disciplina no trabalho.

Foi também na União que acompanhei, pequenino, às aulas de evangelização de Dona Maria Abreu, e que jovem vi as reuniões de representantes para decidir sobre a Evangelização Infantil no Estado. A União abrigou durante anos a sede da Aliança Municipal Espírita de Belo Horizonte, que tem crescido com o crescimento do Espiritismo na capital mineira.

Recordei-me das reuniões de organização das COMEBHs, Confraternizações de Mocidades Espíritas de Belo Horizonte, abrigadas inicialmente nas instalações da escola fronteiriça ao Caminhos para Jesus e hoje espalhadas pela capital mineira e arredores no período de carnaval, mas no coração de seus participantes de diversas gerações, já que se passou mais de um quarto de século quando Carlão e Telma Núbia coordenaram a primeira.

É um prédio tão vivo de recordações, que um inglês certamente o consideraria um casarão mal assombrado, para ser corrigido pelo discípulo francês de Kardec que diria, mal assombrado não, apenas assombrado.

Depois de tanta emoção, semi-oculta por um sorriso aberto, leopoldiano, fui recebido pelos amigos que dão continuidade aos trabalhos. O juiz Brás, de cabelos grisalhos, o Earle com a cabeça brilhante, a simpática Roberta, antiga professora de Tai Chi e hoje dirigente de trabalhos, o Álvaro e toda a sua família, até mesmo as mais recentes aquisições, os amigos de anos que, num ato de caridade iam apoiar o expositor e matar saudades com um abraço fraterno antes ou depois dos trabalhos da noite.

Fiquei imaginando se lá não estariam personagens que construíram a casa, ou que a mantiveram em momentos difíceis: Bady Elias Curi, Maria Philomena Aluotto Berutto, Honório Abreu, Martins Peralva, Cícero Pereira, Rubens Romanelli e outras pessoas trabalhadoras, dedicadas, nunca perfeitas, mas que fizeram ocupar com seu trabalho um espaço na memória coletiva dos espíritas belorizontinos.

Naquela noite, a música preencheria os espaços da alma e uma voz cristalina, acompanhada de um arranjo virtuoso prepararia o ambiente para um trabalho que seria a base do estudo realizado meses depois na paulicéia.

As câmeras registraram, impiedosas, o estudo e hoje a União celebra seus cem anos publicando na página principal a gravação transformada em filme da internet. Não falarei mais nada, apenas deixarei o link com o leitor curioso e persistente, capaz de acompanhar quase uma hora de palestras ou desejoso de conhecer a pouca habilidade com a palavra oral do escriba que se oculta por detrás do Espiritismo Comentado.


Um comentário:

ALBERTO ERALDO disse...

Obrigado ,Jader pela visita virtual cheia de lemgranças q vc guarda. Bom trabalho o seu no blog quanto na Liga d ehistriadores. Abração, Alberto