8.7.09

VIAGENS ESPÍRITAS

Foto 1: Foto de Formatura de José Mário

Desde quando me entendo por gente, José Mário Sampaio viajava a serviço do Espiritismo. São muitas as cidades do interior do estado mineiro onde esteve, algumas nos estados limítrofes.
Ao que me lembro, ele custeava suas próprias despesas. Uma vez ele recusou um convite para participar de um encontro sobre passes, em Goiânia, por não ter condições de arcar com as despesas da viagem. Esta foi, talvez, uma das poucas viagens cujas despesas com passagens aéreas foi custeada pelo organizador.
Ele tratava de mediunidade, passes, evangelho e temas doutrinários em seus estudos. Não fazia conferências, mas era capaz de falar por duas horas seguidas sem que as pessoas mostrassem cansaço ou tédio. A palavra fluía fácil e os exemplos eram muito próximos da realidade do público.
Era seguro em suas afirmações e evitava os conflitos e confrontos desnecessários com o público. Não rendia questões polêmicas, tão ao gosto de alguns companheiros de doutrina.
Nas viagens se via muita coisa. De um lado, esforços sublimes, pessoas de dedicação e decisão, instituições com pouquíssimos recursos e muita ação regional. Do outro se viam as bizarrices como “cadeiras de segurar espíritos” (tratava-se de uma cadeira para a contenção do médium) e as práticas sincréticas e supersticiosas, como o uso de pão e vinho nas sessões espíritas. Ele sempre pugnou por uma prática espírita fundamentada, racional e sem misticismo.
Não se envolvia em polêmicas extensas, das que as réplicas vão sucedendo-se infindáveis. Dava sua opinião e respeitava o interlocutor, ainda que discordando dele.
Um dos problemas com que tinha que lidar era a queixa sistemática de uma maior presença da União Espírita Mineira no interior. Muitas vezes ele era enviado em nome do órgão federativo mineiro. Desde a década de 40, criou-se o Conselho Federativo do Estado de Minas Gerais – COFEMG, que é um órgão representativo, responsável por traçar diretrizes para a ação do movimento espírita mineiro. Este órgão tem prestado muitos serviços para a causa espírita, mas, como qualquer órgão deste porte, costuma ser questionado por lideranças e trabalhadores locais. Apesar das reuniões sistemáticas e cada vez mais representativas, falta a este órgão um orçamento capaz de possibilitar ações coletivas mais substanciais. Na ausência de recursos, todo tipo de deliberação tem que contar com a adesão voluntária e a generosidade dos empreendedores que nem sempre se apresentam ou disponibilizam tempo suficiente para a consolidação das idéias. Cabe uma parcela significativa à União Espírita Mineira para o custeio dos encontros e projetos, e a União não recebe contribuição financeira dos centros espíritas que se afiliam, mantendo-se com base em um quadro de sócios, na venda de livros e em algum patrimônio que foi recebendo nestes quase cem anos de funcionamento, se não estiver enganado.
Como expositor enviado pela União, José Mário costumava ser questionado em público sobre uma participação mais efetiva da federativa na cidade que o recebia. Eu fui testemunha disto por diversas vezes. Algumas vezes os confrades cobravam de forma respeitosa, em particular, outras não.
Papai era um mineiro aos moldes da tradição. Ele costumava responder:
- “Não sou diretor da União, não sou membro do conselho, nem sócio sou. Sou apenas um tarefeiro que vem com boa vontade atender ao seu convite. Não há como responder em nome da União Espírita Mineira.” ... e encerrava o assunto.

2 comentários:

Mateus disse...

gostaria de solicitar que você anunciasse o seminario do meu centro.
segue o convite:
CENTRO ESPÍRITA APRENDIZES DO BEM
RUA JOÃO PINHEIRO, 574
PIEDADE - RJ
O QUE É SER ESPÍRITA????????
Você já se fez está pergunta?
Tem dúvidas?
Venha compartilhá-las conosco, no nosso seminário no próximo dia 26 de julho de 2009, das 15:00 hs às 17:00 hs

ALBERTO ERALDO disse...

Vc segue lhe os passos com carinhosa fidelidade, né? Muito bom, só q agora divulga virtualmente até no exterior, sem despesas de viagem. Vc é BOM, cara!