3.4.10

SEXTA FEIRA DA PAIXÃO CONTEMPORÂNEA

Foto 1: Três artistas, um personagem


Na minha infância, sexta-feira da paixão era dia de assistir filmes antigos da paixão de Cristo na televisão. Um dos primeiros que me recordo era tão atávico que não mostrava em momento algum o rosto do artista que personalizava Jesus.


Ontem foi uma paixão diferente. Chegamos com uma hora de antecedência no cinema de Ipatinga para assistir a um filme. Fomos os primeiros, de entrada já comprada, mas a fila se estendia até perder de vista, contornando a área exterior do shopping.


Filme diferente. A sessão anterior acabou e saiu apenas um casal. As pessoas não saíam e alguém puxou uma salva de palmas. O horário da exibição já havia chegado e não começávamos a entrar porque a funcionária ainda limpava a sala.


Entramos, finalmente, e as pessoas tinham um comportamento estranho. Apesar da impaciência contida decorrente do atraso e da incômoda fila, a maioria delas era cortês, qualidades que se nota com atos de gentileza gratuita, como buscar um apoio de assento para alguém mal acomodado, cumprimentar, pedir licença, agradecer... Aos poucos a impaciência cedeu lugar à tranquilidade e curiosidade.


Jesus cedeu lugar a um mineirinho sofrido, igualmente gentil e paciente, que também sofreu, mas também viveu pelas pessoas. Ele também colocou prostitutas para pensar em Deus. Acolheu os aflitos, os doentes, os desconsolados. Ele abriu mão de sua vida pessoal em função de uma missão com a qual se comprometeu. Ele conversou com demônios e com anjos. Sofreu bastante.


Apesar deste lado angelical, era humano, demasiado humano. Sentiu medo da morte e depois transformou-o no riso. Comprou e usou uma peruca "de gosto duvidoso". Sofreu a incompreensão do pai, de familiares, da população onde vivia, do clero. Chorou a morte de pessoas queridas. Trabalhou com pessoas que não entendiam direito o que fazia e dizia, o que lhe exigia uma cota extra de paciência e disciplina. Apegou-se a animais de rua.


Não foi crucificado na morte, mas pode-se dizer que diluiu o sofrimento de Jesus ao longo de sua vida, extensa, caridosa e produtiva.


Eu pude ver sua face criança, sua face jovem e sua face idosa, fiquei face- a- face com o homem que escolheu seguir Jesus radicalmente, e não consegui não ver Jesus em suas ações e reações.


Gostei deste filme da história de Jesus. É uma história recontada, mas não é maliciosa como "A Última Tentação de Cristo", nem tão sensorial como "Jesus de Nazaré" de Zefirelli, nem tão sanguinolenta como "A Paixão de Cristo" de Mel Gibson.


Eu senti Jesus nas ruas do estado em que fui criado, na linguagem matuta, nas emoções e ações violentas dos personagens do entorno, senti o sofrimento que vejo todos os dias nas ruas mas não enxergo, acostumado que estou a ser cego, e vi que é possível ser vidente em uma terra de cegos.

8 comentários:

Magali disse...

Minha experiência ontem:
Expectativa.Fila.O inusitado:salas lotadas,conseguimos sentar somente na frente.estava sempre chegando alguém.Olhares atentos.um menino brasileiro.simplicidade.emoção. renúncia.dor.reflexão.exemplo. caridade.humildade.respeito. disciplina.justiçadivina.abnegação. autruísmo.desprendimento.fé.coragemperseverança.dedicação.amor ao próximo.amor.amor.amor.amor.amor…

choro.alegria.silêncio.letreiros até o final.aplausos.pessoas saindo emocionadas. filas e mais filas esperando a outra sessão. expectativa correspondida!

Obrigada à todos que colaboraram com o filme.pela oportunidade de rever, mesmo que em “pequenas partes”,a vida e a obra de um espírito da grandeza moral de Chico Xavier.
Nós Brasileiros, sentimos gratidão e orgulho de tê-lo entre nós, agora na vida espiritual, continuando sua tarefa de amor à serviço do Cristo.

No dia 11/04/2010 , os espíritas de São Paulo,farão uma singela homenagem das 9h as 12h no Parque da Independência no Museu do Ipiranga em SP e simultaneamente em outras cidades.Informações, http://www.feesp.org.br

Abraços
Magali

http://www.cuidedoseumundo.blogspot.com/

http://twitter.com/magalibischoff

SONIA MENEZES disse...

Jader, que emocionante comentário você postou. Assim como você, eu também qdo era criança assistia a filmes antigos da paixão de Cristo e, lembrando o que minha mãe dizia, a sexta-feira santa não era dia de jogar, gritar, ouvir música alta, nem brigar com os irmãos. Cresci com esses princípios. Estou ansiosa para assistir ao filme do Chico. Feliz Páscoa para você!

Janetinha disse...

Boas recordações que se traz da infância! Neste dia minha vó colhia marcelas ao lado da estrada e na adolescência também assistíamos filmes.
Lembrar de Jesus é sempre bom e com certeza, se olharmos em volta encontraremos Jesus na face sofrida de muitas pessoas.
Abraços.

Jáder Sampaio disse...

Amigas leitoras,

Fiquei emocionado com o filme do Chico Xavier. A vida dele toca a todos, não é mesmo? Belo trabalho o da equipe de filmagem.

Agora quero assistir ao Pinga Fogo completo, que o Oceano recuperou.

Um abraço

Jáder

Ricardo Alves da Silva disse...

Ainda não vi o filme. Tenho o hábito de fugir de estréias... Gosto de cinema vazio, poucas pessoas na sala.
Mas acho que vai ser difícil esperar isso acontecer com este filme.
Quem sabe amanhã (terça-feira) à noite, última sessão.
Aqui em Natal, numa parceria da Federação Espírita do RN (FERN) e a livraria Siciliano do Shopping Midway, teremos palestras sobre Chico Xavier e algumas de suas obras, com possibilidades de perguntas do público, dias 05 e 06 de abril. Palestrantes: Jomar Morais e Eden Lemos (05/abril: 19h e 20h); Fábio Fidelis e Sandra Borba (06/abril: 19h e 20h).
Um bom programa, não é? Boas palestras e um filme sobre uma pessoa maravilhosa...
E continuar se preparando para recebermos em nossas casas espíritas um público ávido de curiosidade a respeito do Chico e do Espiritismo (não necessariamente nessa ordem).

Jáder Sampaio disse...

Ricardo,

Parabéns ao RN pela justa homenagem ao mineirinho de Pedro Leopoldo, a São Paulo e a todos os estados que não deixaram passar em branco a data, mesmo sendo feriado.

Encontrei um dado na internet empolgante: estimaram um público de 235 mil pessoas só no lançamento. Acho que ainda comemoraremos uma superbilheteria no Brasil.

Magali disse...

Jader
A internet corre rápido.
O público chegou a 600 mil é a maior bilheteria de filme Nacional até aqui. É o primeiro da fila dos 10 mais assistidos!!

Alex Rusenhack disse...

Lindo o comentário, agora vocês esperar para ver "Nosso Lar" em setembro neh.. rsrs..

Um forte abraço!