1.11.10

A CONDESSA PAULA, ALLAN KARDEC E A LUTA DE CLASSES

Capa do livro: A Condessa Paula - CELD, 1991

Um dos livros pouco estudados de Allan Kardec é "O Céu e o Inferno ou A Justiça Divina Segundo o Espiritismo". A segunda parte do livro é uma coletânea de diálogos com espíritos em diferentes condições espirituais.
Lido com olhos contemporâneos, é uma parte instigante. Allan Kardec inicia com relatos de espíritos felizes, que viveram e desencarnaram em boas condições. Muitos de seus contemporâneos são evocados e dão notícias de seu estado espiritual.
Chamou-me a atenção o relato de um espírito que se identificou como sendo a Condessa Paula. Um de seus parentes a evocou e conversaram sobre sua condição espiritual.

Paula desencarnara ainda jovem, com 36 anos de idade e os relatos sobre sua vida mostram uma nobre que cumpriu com seus deveres de posição, praticou a caridade moral e material e soube tratar seus concidadãos, empregados e prestadores de serviço com justiça, cordialidade e respeito.

Kardec faz anotações sobre seus valores morais e a compara com a dama caridosa descrita em "O Evangelho Segundo o Espiritismo".

Aparentemente simples, é curioso que Allan Kardec não a houvesse condenado por ter sido nobre. O espírito de época na França, especialmente nos meios intelectuais, era herdeiro das ideias iluministas, defensoras de uma revolução que viesse a mudar a sociedade francesa com o fim da nobreza e do clero.

"A sua beneficência era inesgotável, mas não essa beneficência ostentosa à luz meridiana; e assim exercia a caridade de coração, que não por amor de vanglórias. Só Deus sabe se as lágrimas que ela enxugou, os desesperos que acalmou, pois tais virtudes só tinham por testemunho os infelizes que assistia." (O Céu e o Inferno, parte 2a., cap. 2, p. 221)

Vê-se que a proposta espírita e o pensamento kardequiano não é simpático à luta de classes, mas à sua colaboração. Um dos pontos da doutrina social espírita é a reforma da sociedade a partir da reforma do homem, e não o contrário; uma ideia amadurecida em uma sociedade que, em nome da revolução, viveu os horrrores da dissolução do tecido social e o renascimento do despotismo após o enforcamento dos reis, em meio ao grupo que chegou ao poder e tornou-se dominante.

Quem desejar ler mais sobre o assunto veja:

1. A Condessa Paula. In: KARDEC, Allan. O Céu e o Inferno. Rio de Janeiro, FEB.

2. A Condessa Paula (livro ilustrado). Texto de Allan Kardec. Ilustrações de Jefferson Alves de Souza. Publicação do Centro Espírita Léon Denis, 1991 (1a. Edição)

2 comentários:

Benedicto disse...

Argumento justíssimo. Também sei que a consciencia critica, qualquer que seja sua atuaçao, é tarefa delicada (criticar espiritas que nao conseguem abondonar as praticas católicas ou criticar as caridades vazias dos sopões é sempre delicado).
Você deve acrescentar apenas que nenhum espirita deve se furtar ao enfrentameno da consciencia critica ( a principio dentro de si mesmo e depois diante da comunidade).
Mas eu concordo com vc que só podemos enfrentar o mal na sociedade quando o enfrentamos em nós.

Jáder Sampaio disse...

Benedicto,

De pleno acordo.

Um abraço e obrigado pelo comentário.

Jáder