4.12.10

AS ARTES MEDIÚNICAS DE FERNANDO


Foto de Fernando de Lacerda na Revista Illustração Portugueza no. 133 - Setembro 1908



A editora da Federação Espírita Brasileira mantém em catálogo obras antigas, pouco comerciais, mas muito importantes para o estudo do Espiritismo.

Quando estudava o livro "Sessões Práticas e Doutrinárias do Espiritismo", de Aurélio Valente, tive a oportunidade de ler passagens da obra psicografada por Fernando de Lacerda, que de princípio impressionou-me.

Adquiri recentemente os quatro livros da coleção "Do País da Luz", no qual se encontram textos atribuídos a Eça de Queiroz, Camillo Castelo Branco, Júlio Dinis, Alexandre Herculano, Padre Antônio Vieira e outros escritores conhecidos da literatura portuguesa e francesa, entremeados por espíritos desconhecidos.

Capa do primeiro livro publicado pela FEB

Fernando foi estudado por espíritas portugueses, como o Dr. Souza Couto, que apresenta no prólogo do primeiro livro suas pesquisas e conclusões favoráveis à tese da mediunidade. Ele dá mostras de conhecimento da literatura científica da época e dos autores europeus que pesquisaram os fenômenos espirituais.

Médium psicógrafo, Fernando esteve sempre a duvidar e buscar evidências de sua própria faculdade, mas não temeu tornar públicos seus trabalhos de origem mediúnica.

Perseguido em Portugal após a implantação da república em 1910 e tendo perdido seu cargo de sub-inspetor de polícia administrativa, acusado de ser identificado com a monarquia (ele defendia publicamente a ideia de Deus e era espírita-cristão), Fernando vem ao Brasil em 1911, onde se integraria aos trabalhos da Federação Espírita Brasileira.

Para que não fique muito extenso, deixo ao leitor um poema do volume 1, atribuído a João de Deus (poeta português da segunda metade do século XIX). Ele foi psicografado simultaneamente com outra poesia, tendo a um lado da mesa o Dr. X. S. e ao outro Fernando de Lacerda. Eles psicografavam simultaneamente sextilhas. Ao final do trabalho, descobriu-se que um houvera psicografado as sextilhas pares dos dois poemas e o outro as ímpares. Os poemas se chamam À Mocidade e A Mocidade. Deixo transcrito apenas o segundo.

João de Deus

A Mocidade

Ó mocidade,

Riso e saudade,

Do meu amor!

Hora tão linda

Que breve finda

Imersa em dor!

Aragem breve

Que bem de leve

Cicia e passa,

Sonho infantil,

Curto, sutil,

Cheio de graça!

Manhã rosada,

Branca alvorada,

Dia outonal!

Cativa flor,

Essência olor,

Dum roseiral!

Aura fagueira,

Que vem ligeira

Sorrir ao velho,

E o faz chorar

Ao remirar

Aquele espelho.

Ai quem lhe dera,

Por vã quimera,

Ser sempre assim!

E rindo, louco

Ir pouco a pouco,

Chegando ao fim!...

Um comentário:

Jaqueline disse...

Olá,

Sou Jaqueline, espírita e também tenho um blog e um twitter onde divulgo a doutrina e mostro o quanto sou apaixonada pelo espiritismo.
Não conhecia Fernando de Lacerda e ainda não conheço suas obras. Até agora só li 12 livros, ainda falta aprender muitoooo.
Conheça o meu blog. Lá tem lindos textos sobre o espiritismo.

Bjs