22.1.12

A LIHPE E A PLATAFORMA LATTES



Se você digitar www.cnpq.br e clicar na Plataforma Lattes, terá acesso livre aos currículos de todos os pesquisadores e acadêmicos do Brasil e de alguns países da América Latina.

Esta é uma iniciativa bem sucedida, que possibiita o acompanhamento da produção científica no Brasil e das trajetórias dos professores e pesquisadores.

Quando reorganizamos o Encontro Nacional da Liga de Pesquisadores do Espiritismo, uma das ações empreendidas foi a publicação impressa dos melhores trabalhos, a exigência da redação prévia destes trabalhos no ato da submissão e a formatação dos trabalhos segundo as normas da associação brasileira de normas técnicas, além da submissão e aprovação dos trabalhos por pares (membros de uma comissão, com formação compatível, que seria o mestrado ou doutorado em qualquer área do conhecimento).

Não foi uma ação fácil porque deu muito trabalho para a organização, perdemos trabalhos promissores, mas que fugiam ao tema ou à forma exigida e estou certo que muitos estudiosos do espiritismo, espíritas ou não, nem chegaram a submeter trabalhos pela dificuldade de disponibilizar tempo para a redação segundo as normas.

No começo, o Encontro Nacional da LIHPE ficou em uma espécie de limbo: nem é um evento tradicional espírita (de divulgação do espiritismo), nem é plenamente um evento acadêmico, dadas as suas características e as limitações da pesquisa sobre o espiritismo no Brasil.

Hoje temos três livros publicados a partir dos trabalhos apresentados e selecionados na LIHPE:


Estive verificando a menção aos trabalhos dos livros nos currículos Lattes dos autores e encontrei 19 referências, que entram como Produção Bibliográfica - Capítulos de Livros.

Vê-se que aos poucos o preconceito vai diminuindo, e o espiritismo passa a ser tematizado pela ciência brasileira, torna-se objeto de estudo e não causa temor que se comunique aos pares ter realizado um estudo ou publicado um trabalho sobre o tema.

Ainda há muito o que fazer, posto que Tiago Paz mapeou 172 teses e dissertações sobre o tema, e ainda não teve fôlego para mapear os artigos, ou seja, há muito mais trabalhos produzidos que os que conseguimos discutir.

2 comentários:

Anderson disse...

Belas informações Jáder.

Ano passado abordei o tema imortalidade da alma no Fédon de Platão na Faculdade Guararapes, instituição onde estudo e pretendo repetir a dose este ano.

Pretendo também em breve tentar publicar um artigo sobre o tema ainda este ano.

Bom, é por isto que fico feliz com estas informações, visto que terei bibliografia para utilizar na minha monografia.

Abraço fraterno,

Anderson Santiago
analisesespiritas.blogspot.com

Jáder Sampaio disse...

Anderson,

Pense em submeter um trabalho para o ENLIHPE. Você terá o pessoal da filosofia como interlocutor para o seu trabalho. Em breve vamos divulgar a data do evento.

Um abraço

Jáder