9.3.12

DEUS PUNE?




A concepção espírita de Deus difere da de outras doutrinas cristãs. Deus não é visto como Espírito ou pessoa, mas como uma inteligência superior e a causa primeira de tudo.

Quando Allan Kardec escreve sobre a permissão de Deus para os atos dos homens, ou fala de castigos, ele se refere às leis universais, criadas por Deus e que conferem consequências e limites às ações do homem. Esta visão é bem clara na questão abaixo de "O Livro dos Espíritos" que transcrevo no EC:


964. Mas, será necessário que Deus atente em cada um dos nossos atos, para nos recompensar ou punir? Esses atos não são, na sua maioria, insignificantes para Ele?

“Deus tem Suas leis a regerem todas as vossas ações. Se as violais, vossa é a culpa. Indubitavelmente, quando um homem comete um excesso qualquer, Deus não profere contra ele um julgamento, dizendo-lhe, por exemplo: Foste guloso, vou punir-te. Ele traçou um limite; as enfermidades e muitas vezes a morte são a conseqüência dos excessos. Eis aí a punição; é o resultado da infração da lei. Assim em tudo.”

Nenhum comentário: