6.7.12

"E A VIDA CONTINUA..." EM AGOSTO




Parte da apresentação de "E a Vida Continua" no Congresso Espírita Estadual de São Paulo

Ontem à noite tive a oportunidade de assistir ao Oceano falando sobre o filme "E a vida continua", na União Espírita Mineira, nas novas instalações do antigo Colégio "O Precursor".

Entrevistas com os atores e perguntas envolvendo a construção de filmes de temática espírita foram a tônica do evento.

Surpreendeu saber que Lima Duarte, que faz o papel de Dimas, é oriundo da região de Sacramento-MG e filho de espíritas. Infância humilde, seus pais mudaram-se para Ribeirão Preto e foram trabalhar como zeladores de um centro espírita local. Médium, a mãe participava das reuniões, e o filho iniciou sua carreira no teatro espírita, fazendo uma peça intitulada "O Espírito Obsessor". A escolha do nome artístico foi recomendação da mãe. Lima Duarte era o nome de seu espírito orientador.

A atriz principal parece ter incorporado bem (sem trocadilhos)  o papel de Evelina. Católica, traída pelo marido, ela se vê em um lugar estranho, que lhe parece um hospital psiquiátrico e tem muita resistência em aceitar a morte do corpo e a continuidade da vida espiritual.

As poucas imagens que assistimos no teaser de 6 minutos chamam a atenção pela qualidade e o ritmo do enredo. O público que participou da pré-estréia em Brasília emocionou-se e intrigou-se. O trabalho de filmagem e montagem foi minucioso: uma cena de 15 segundos, segundo o produtor, envolveu 7 horas de gravação.

Outra surpresa: o filme Nosso Lar, verdadeiro blockbuster nacional, gerou mais de uma dezena de milhão de prejuízo financeiro no circuito dos cinemas. Além do custo da produção, o custo de propaganda e distribuição inviabilizou o projeto como empreendimento financeiro. Esta informação do Oceano é muito importante, porque desconstrói as más línguas da crítica especializada, que creditou a renascença dos filmes nacionais de temática espírita a interesses econômicos.

Quem deseja assistir o filme deve se programar bem. Os donos de salas de exibição desejam público, e a primeira semana de exibição é geralmente a base para a decisão de continuidade da exibição e disponibilidade das salas. Se você deseja assistir na telona (e estão previstas 60 salas em todo o Brasil) não deixe para depois: programe-se para a primeira semana de exibição e, se não se importar com filas, no primeiro final de semana.

Aos mineirinhos que acompanham nossa matéria, mais uma boa notícia, a Paris Filmes, distribuidora do filme, está organizando pré-estréia em diversas capitais, e, entre elas, BH.


Nenhum comentário: