23.1.13

O QUE É PSICOMETRIA?


Estive ontem na União Espírita Mineira, discutindo os estudos sobre Psicometria com os participantes do ciclo de estudos sobre mediunidade, coordenados por Waldemar Duarte e Lourenço.

O conceito de psicometria é anterior a Kardec. Data de 1842, quando o norte-americano Joseph Rodes Buchanan propôs que as coisas têm uma emanação própria e que algumas pessoas (psicômetras) seriam capazes de percebê-las.
Ele se aproximou dos círculos espiritualistas em 1878, que se interessaram por sua proposta. Dizem os autores que a ascensão das ideias psicométricas acompanharam a ascensão do mesmerismo e do espiritualismo norte-americano, na década de 1840.


Após Buchanan, outro autor independente do movimento espírita e espiritualista foi o geólogo William Denton (1823-1883), inglês radicado nos Estados Unidos que descobriu que sua esposa e sua irmã tinham a faculdade psicométrica, quando deu a Elizabeth (esposa) um pedaço de fóssil, que ela identificou como pertencente a um paquiderme herbívoro, que vivia nos pântanos, semelhante a um elefante, antes que os especialistas tivessem feito sua classificação.

Hermínio C. Miranda interessou-se por um dos livros de Denton, intitulado A Alma das Coisas (veja a primeira imagem desta publicação), e fez um ensaio com base nos trabalhos deste autor intitulado Memória Cósmica.


No livro de Hermínio, há a transcrição de alguns casos como o de uma rocha de basalto negro semelhante à acima ilustrada. Elizabeth Denton identificou sua origem vulcânica, sua trajetória da região das geleiras, no norte, para o sul, descreveu a influência das correntes marítimas neste deslocamento (a rocha veio no fundo do mar, em contato com o solo, o que lhe gerou estrias), a presença de gelo e água acima, durante o deslocamento, até o seu depósito em uma bacia, em lugar amplo. Todas as informações eram corretas, segundo o geólogo, que não havia passado nenhum dado sobre a pedra a sua esposa.

Os casos são surpreendentes, como a descrição feita das sessões e do ambiente da câmara dos deputados americana, feitos a partir de um pequeno pedaço de damasco (um tipo de tecido) de um estandarte que havia sido tomado pelo exército britânico em 1814, levado para a Inglaterra e depois devolvido. Elizabeth mostra a falta de seriedade dos participantes das sessões, descreve o clima hipócrita e pomposo, e dá detalhes sobre o ambiente.

Os casos citados são tão extraordinários que geraram uma reação cética inicial, mesmo para um espírita que já viu tantos fenômenos incomuns. Minha reação inicial foi vencida com os relatos de outro livro: Os Enigmas da Psicometria, de Ernesto Bozzano.




Neste livro, mais de uma centena de casos é relatada, envolvendo objetos inanimados, plantas e animais. Outros psicômetras são estudados, como Edith Hawthorne, que publicou seus experimentos na revista Light, e, entre erros (poucos) e acertos (muitos) vai solidificando a existência deste tipo (anímico? mediúnico? misto?) de percepção extrassensorial. 

Como pesquisador, Bozzano não se satisfaz em transcrever, organizar e classificar os relatos, mas levanta as teorias capazes de explicá-los e as discute. A tese da emanação (alma das coisas) se torna uma entre uma dezena, e fica insuficiente para explicar as nuances e percepções variadas (e corretas) dos sensitivos. Bozzano afirma que não dá para prescindir da hipótese espírita na explicação de alguns dos fenômenos descritos.

Clarividência? Emanações fluídicas? Formas-pensamento? Memórias akásicas? Mediunidade? Subconsciente? Telepatia? Estas questões continuam presentes e desafiando os interessados em entender melhor este estranho fenômeno, que hoje é utilizado pela polícia norte-americana para a solução de crimes, ou apoia arqueólogos no achado e identificação de peças.

Um comentário:

Anônimo disse...

FIquei fascinado pela psicometria, se bem que o nome psicometria é pouco pelo o que ela pode fazer…
Assim, gostaria de, se possível, ser agraciado com artigos e/ou dicas de livros/vídeos/entrevistas e correlatos, que contenham relatos consubstânciados, os mais detalhados e variados possívies, no que concerne a atuação (médios afins) da psicpmetria em relação à arqueologia tais como: … quem construiu, e por que: as pirâmides; a esfinge; Göbekli Tepe – Şanlıurfa – na Turquia; Ruinas de Puma Punku – na Bolívia; Mistério de Baalbek – Vale Bekaa – Líbano; os Moais na Ilha de Páscoa; Stonehenge – planície de Salisbury – na Inglaterra; Newgrange – Vale do Boyne – na Irlanda; A Fortaleza de Sacsayhuaman – Cusco – no Peru; Linhas de Nazca no sul do Peru; etc…
Desde já agradeço,
Fraternal Abraço,
Jonsu Vasq.
vasq@ig.com.br