20.9.14

CRISTÃOS PERSEGUIDOS POR ROMA


Pintura de jovem cristã martirizada sob Nero

Com a intolerância do judaísmo ao cristianismo nascente, a campanha militar de Tito contra os judeus e o ideal missionário dos apóstolos, o cristianismo foi levado a muitas cidades do império romano e, aos poucos, tornou-se uma religião com muitos adeptos. Alguns autores consideram o sistema de estradas que ligava as cidades do império um facilitador para a criação de comunidades cristãs em diversas localidades romanas.

Desde o começo, houve um conflito de valores com a tradição romana o que fez com que os cristãos fossem denunciados como ateus (por não prestarem culto aos deuses romanos e ao imperador) e fossem considerados uma espécie de corruptores da sociedade. Até denúncias de sacrifícios de crianças foram feitos. Eles sofreram perseguições, sendo algumas decretadas pelos imperadores.

Uma revisão de fontes do cristianismo e textos históricos que fizemos para discussão no 10o. Encontro Nacional da Liga de Pesquisadores do Espiritismo (ENLIHPE) nos permitiu fazer o levantamento abaixo dos decretos imperiais contra os cristãos em Roma até o século IV, época em que Constantino resolve cooptá-los aos império e faz diversas ações que culminarão na transformação do cristianismo em religião oficial do império romano.









2 comentários:

Alessandro A. R. disse...

Séculos depois são os cristãos os vilões da história com a inquisição e as cruzadas, matando milhares. Até nos tempos atuais eles andam aprontando, com a proibição do preservativo e da pílula.

Jáder Sampaio disse...

Houve uma mudança no movimento cristão, ainda no governo de Constantino, no século IV, com a intervenção dos imperadores na Igreja, muito antes das cruzadas e da inquisição. Recomendo a leitura de Paul Veyne: Quando o nosso mundo se tornou cristão.

Do ponto de vista espírita, recomendo a leitura de A esquina de pedra: Wallace Leal V. Rodrigues, editado por O Clarim