27.1.15

BOICOTE NA CASA ESPÍRITA


Seu centro espírita é um arquipélago?

Recentemente recebi uma consulta de um amigo de muitos anos, que atua em uma casa de Minas Gerais e tenta auxiliar a direção geral em seus propósitos. A atual diretoria, composta de pessoas com algum tempo de vida, na casa dos sessenta/setenta anos, tem superado as dificuldades pessoais, deixado o pijama no armário e tenta investir esforços para a realização de coisas necessárias para o centro como um todo.

Sempre que me entendi por gente no movimento espírita, talvez pela influência de autores como Chico Xavier (Emmanuel), Raul Teixeira, Divaldo Franco, Herculano Pires, Deolindo Amorim, Carlos Imbassahy e muitos outros cuja abordagem considero benéfica e relevante, entendo que o espiritismo tem um autor importante que desenvolveu a estrutura do pensamento espírita, que é Allan Kardec, e seu trabalho vem sendo desenvolvido ao longo dos tempos por diversos autores, encarnados e desencarnados, cuja obras convencionamos chamar de subsidiárias.

Esta forma de perceber o pensamento espírita parece-me muito semelhante à da filosofia, por exemplo, que demanda de todos aqueles que pretendem formar-se nesta área que dominem bem os gregos antigos, como Platão e Aristóteles. Não conheço físico que consiga estudar mecânica quântica, sem conhecer as leis de Newton. A psicanálise, nos dias de hoje, não prescinde da leitura de Freud cujas ideias podem até ser criticadas por autores contemporâneos, mas são a base de uma das escolas de pensamento psicológicas de hoje. Não tenho conhecimento enciclopédico, mas creio que poderia continuar falando de outras áreas do conhecimento. Seja estudando diretamente, seja indiretamente, todas têm seus clássicos, com ideias que funcionam como estruturas do pensamento, com o passar dos anos.

Herculano dizia que o espiritismo é “o grande desconhecido”, e vemos que a obra de Kardec, desenvolvida no contexto da Europa do século XIX, ainda é pouco estudada no movimento espírita. Acho que os espíritas do nosso tempo têm a ilusão, após um ou dois anos de centro espírita, que Kardec é fácil ou rápido de se aprender. Na verdade, o que penso que acontece é uma falta de programação de estudos das casas espíritas que faz com que os expositores falem sempre dos mesmos temas. Há muitos expositores, ainda, que estudam pouco, então se tornam repetitivos e aprendem apenas de oitiva, o que gera um círculo vicioso. Creio que “O evangelho segundo o espiritismo” e “O livro dos espíritos” são as obras mais lidas e comentadas em estudos de Kardec, mas os demais livros e a Revista Espírita, que contém o processo da construção teórica e prática do movimento espírita, ainda são conhecidos por poucos.

Perdoem se divaguei, voltemos à história do início da matéria. Sensíveis à necessidade de revitalizar em sua casa o conhecimento do pensamento de Allan Kardec, os dirigentes convocaram reuniões para sensibilizar os dirigentes para uma ação do centro como um todo, valorizando Kardec, e meu amigo surpreendeu-se com uma reação que ele não esperava na casa espírita: o boicote.

Na administração de casas espíritas, boicote seria um grupo, sob uma direção superior, se recusar a ter relações com os dirigentes que ele próprio escolheu, ou deixou escolherem. Geralmente é um boicote branco, ou seja, não se vai nem se faz representar nas reuniões convocadas, não se cumpre uma decisão coletiva, inviabilizando a gestão. Não é um conflito ou divergência, apenas indiferença. Nas casas maiores, formadas com muitos grupos, é cômodo ficar apenas no âmbito da sua reunião ou grupo de trabalho e fingir que os problemas da casa são dos outros, uma vez que quando uma casa cresce, seus problemas também crescem.

Ilhar-se dentro da casa espírita é uma forma de criar inúmeros grupos dentro de um centro, dificultando sua administração. Com o tempo, os grupos podem desenvolver idiossincrasias e podem ignorar as decisões tomadas pela comunidade, até mesmo as mais democráticas. Não há conflito nem discordância, mas aos poucos as pessoas começam a perceber, e as vezes comentar, as diferenças. Humberto de Campos falou deste problema em um conto intitulado “Bichinhos”.

O problema fica ainda maior quando uma casa com grande número de frequentadores se torna um “arquipélago”. A tentativa de empreender ações coordenadas e de obter apoio para realizações maiores é cheia de espinhos, fica difícil encontrar pessoas dispostas a ocupar cargos de direção, pelas seguidas frustrações impostas pelo “clima de boicote”.

Por esta razão, ouvi de um conhecido expositor espírita sobre a importância de se ter um espaço que congregue as lideranças da casa. Não é um espaço administrativo, apenas deliberativo ou informativo, mas uma reunião ou evento periódico, que possibilite que as lideranças se conheçam, se encontrem e estudem/trabalhem juntas, evitando a territorialização dos grupos espíritas. São necessários esforços para que haja uma convergência de atitudes e objetivos ou o centro se fragmenta.


Gostaria de deixar aos dirigentes de reuniões que leram heroicamente este artigo até o final algumas perguntas: Você tem apoiado a diretoria que elegeu? Sabe quais são os problemas da casa, que ela vem tentando solucionar? Você sabe quais são as tarefas da sua casa e incentiva seus colegas de reunião a auxiliar na sua realização? Ou será que você tem incentivado a todos a ficarem em uma ilha em um arquipélago que leva o nome de centro espírita?

4 comentários:

nacip Gomes disse...

Jáder, paz e bem..
Muito boa a observação no que se trata
de compreender os mecanismos que sustentam a administração da casa Espírita.
O problema é que enquanto não houver a formação de consciência cristã não haverá obra sólida.
Dos que acham que conhecem o Evangelho de Jesus, são poucos os que praticam seus ensinamentos.
Nós ainda não entendemos Jesus em sua plenitude.
Grande abraço.
Nacip Gômez

nasce-ufmg disse...

Jader, excelente comentário. As pessoas têm que assumir, não somente a tarefa, mas o compromisso assumido. Este compromisso não é com o outro, mas, consigo mesmo e com Aquele que nos guia!
Abraços.
Elcio Pires.

Anônimo disse...

Querido Jáder,
Tenho gostado de ler seus textos, se assemelham a uma boa conversa (como nos velhos tempos). Acho até que você mantém uma imparcialidade agradável e serena.
Bem, acabei me sentindo provocada a me manifestar. Amo Kardec, rezo e agradeço com frequência pela DE. E é verdade, quase nunca li a Revista Espírita, vou fazê-lo doravante. Mas Espiritismo deve nos movimentar e claro, se concretiza em parte no Movimento Espírita, que mundano, repleto de paixões dissolventes. É civil, burocrático e necessário. É um bom exercício sobreviver a tudo isso com leveza, pensando no que importa: aquilo que nos transforma diariamente. Finalizo agora. Faço parte há 25 anos de uma Fraternidade espírita da "roça" com pouquíssimos membros. E tantas crises passamos! Mas amo a possibilidade de superar e crescer. Tolerar e conviver. E perdoar as opiniões divergentes... É assim. Adorei a metáfora do "arquipélago", ampliou a concepção da ilha. E gostei mais ainda do exercício proposto de se colocar no lugar do outro e saber como se resolvem os problemas. Abraços e obrigada por seus textos. Elcie Helena

Jáder Sampaio disse...

Elcie, é muito bom encontrá-la aqui nesta "ponte" pela internet. Que bom saber que o que a gente escreve se espalha por aí e chega aos olhos de amigos de muitos anos! Obrigado por compartilhar suas impressões com todos!